Viper: "'tiramos' o Bruce Dickinson (Andre) e colocamos o Paul Di'Anno (Pit)"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Igor Miranda, Fonte: Whiplash.Net
Enviar Correções  

Pode não parecer, mas o auge do Viper, em termos comerciais, aconteceu na época que rendeu o álbum "Evolution" (1992) e o ao vivo "Maniacs In Japan" (1993) – este, celebrado no 4° Viper Day, por seus 25 anos de lançamento –, e não no fim da década de 1980, com Andre Matos nos vocais. Nos anos 1990, o cantor era Pit Passarell, que era baixista na formação com Andre e acumulou as duas funções após a saída dele.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em entrevista ao Whiplash.Net, o guitarrista Felipe Machado destacou que a fama do Viper veio, mesmo, na década de 1990. "Acho que o Viper foi a primeira banda brasileira – até mesmo antes do Sepultura – a ter um nome grande no Japão. Depois, o Sepultura foi para lá várias vezes, o Angra apareceu e essas se tornaram bandas grandes no Japão e no mundo inteiro. Mas essa ligação do Viper com o Japão foi muito importante para a banda, porque foi a primeira faísca a tornar o Viper uma banda internacional", afirmou.

Machado destacou, no entanto, que os trabalhos anteriores com Andre – "Soldiers of Sunrise" e "Theatre of Fate" – ajudaram muito a lançar o Viper no Japão. "O grande momento da carreira do Viper, por mais estranho que pareça para alguns, foi na fase do Pit. São praticamente duas bandas, quase com a mesma formação, mas costumo brincar que a gente fez o contrário do Iron Maiden: tiramos o Bruce (Dickinson) e colocamos o Paul Di’Anno", disse o guitarrista, em tom de brincadeira. "A carreira internacional do Viper começou graças a um disco que tinha o Andre, mas tomou mais força quando o Pit virou vocalista", completou.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Até Leandro Caçoilo, hoje no vocal do Viper, começou a gostar do Viper quando Pit Passarell era o frontman. "Gosto pra caramba da fase do Andre, mas conheci o Viper após o Andre, com o Pit nos vocais. O ‘Theatre Of Fate’ é um baita disco, maravilhoso para a época. E eu não sabia que o Andre tinha cantado no Viper na época que conheci a banda. Eu conheci, na mesma época, o Dr. Sin, o Viper e o Angra por causa da MTV", afirmou.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Leia a entrevista, na íntegra, no link a seguir.

Viper: fase de ouro, Viper Day, erros e futuro em entrevista exclusivaViper
Fase de ouro, Viper Day, erros e futuro em entrevista exclusiva




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Dedo x Palheta: Jason Newsted joga gasolina na fogueira do debateDedo x Palheta
Jason Newsted joga gasolina na fogueira do debate

Guns N' Roses: os 10 melhores não-clássicos da bandaGuns N' Roses
Os 10 melhores não-clássicos da banda


Sobre Igor Miranda

Jornalista formado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), com pós-graduação em Jornalismo Digital pela Universidade Estácio de Sá. Começou a escrever sobre música em 2007 e, algum tempo depois, foi cofundador do site Van do Halen. Colabora com o Whiplash.Net desde 2010. Atualmente, é editor-chefe da Petaxxon Comunicação, que gerencia o portal Cifras, Ei Nerd e outros. Mantém um site próprio 100% dedicado à música. Nas redes: @igormirandasite no Twitter, Instagram e Facebook.

Mais matérias de Igor Miranda no Whiplash.Net.

Goo336 CliHo Goo336 GooInArt Cli336