Andre Matos: análise da música "Oversoul"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Carlos Siqueira, Fonte: Blog Palavras Aleatórias
Enviar correções  |  Comentários  | 

Oversoul é uma música da banda de Heavy Metal "Andre Matos"; composta pelo próprio vocalista e tecladista, Andre Matos, Bruno Ladislau (baixista), Hugo Mariutti (guitarrista), encontra-se no álbum The Turn Of The Lights, de 2012. A letra traz uma visão crítica da e à nossa realidade, sobre o capitalismo, consumismo e alienação. Pode-se dizer que a música não chega a ser “pesada”, mas é rápida, assim como o ritmo da vida moderna — e não, como pensa a maioria, que a música é rápida ou pesada somente por a banda ser de Heavy Metal, pois conteúdo e melodia estão intrinsecamente ligados —; havendo em certo momento uma “quebra” de ritmo, mas que depois volta à sua velocidade de início. Analisemos a tradução:

3776 acessosAngra: "Uma rapazeada bonita, mas nenhum foi bonzinho"5000 acessosMetal: As bandas mais expressivas surgidas nos últimos 15 anos

Superalma

As mandíbulas das corporações
Estão se espalhando para todos os lados
Invadindo como uma praga, você não pode ignorar
Você é levado para uma armadilha
Eles parecem nem se importar
Com sua vida, sua saúde — sua miséria!

Eles precisam que você diga
Eles precisam que você jogue
Eles vão achar um jeito para suas necessidades
Você é examinado de cima a baixo
Porque eles querem saber:
Você é simples o bastante para nos servir?

Toda vez que eles atingem seus objetivos
Você é esfaqueado, mas não sabe
Você não consegue sentir a Superalma?
O significado de tudo isso...

O florescer de uma vida
Você é inocente e selvagem
Você acha que sabe a verdade, mas simplesmente não sabe.
É assim mesmo, quando se começa:
Você tem que se juntar ao jogo!
Você está procurando por respeito — para ser alguém!

Eles forçam você a jogar
Eles forçam você a desejar
A partir de agora eles estarão por trás de suas necessidades
Você fará o que eles dizem
Não consegue escolher seu próprio caminho
Exatamente quando é tarde demais para voltar atrás.

Toda vez que eles atingem seus objetivos
Você é esfaqueado, mas não sabe
Você não consegue sentir a Superalma?
O significado de tudo isso...

Olhe ao redor e veja:
Você perdeu toda a vontade de viver?
Por que você não levanta e luta por sua alma?

Análise do conteúdo

Começa-se então com um eu - lírico alertando sobre o crescimento das corporações/empresas/grupos/instituições que, como sabemos, regem influência direta em nossas vidas. Interessante que ele compara as corporações às pragas, pois elas alastram-se, destruindo os ambientes — no caso, nossa terra, nossa natureza, nosso Planeta, nosso lar — e as vidas; ainda sim, é certo que pragas são prejudiciais, mas podem ser combatidas (o que mostra a esperança do eu – lírico).

Em seguida, diz que somos levados à uma armadilha e que eles, corporações/empresas/governantes/etc., parecem não importarem-se sobre nossas vidas, nossa saúde e miséria; e é isso mesmo, pois que, todas essas instituições estão preocupadas somente com lucros (lucro deles, e não, nosso lucro; para eles,quando pensamos e agimos diferente da maioria, nós é que somos a praga a ser combatida).

Na segunda estrofe, o eu - lírico mostra o quanto estamos ligados às corporações, e elas a nós. Diz que elas precisam de nossa opinião, precisam conhecer nossas necessidades, nossas vontades, para que assim, continuemos no jogo (deles). Não é muito raro vermos empresas, sites, etc. perguntando ou pedindo a nossa opinião sobre tal produto, modificação ou ação; sempre usando a segunda pessoa do singular, “tu/você”, para dar a impressão de que realmente se importam e que você é quem manda, dando um ar de “construção”, quando na realidade, é manipulação. Termina-se esta estrofe dizendo que somos examinados de cima a baixo e que as corporações realmente estão preocupadas conosco: querem saber se iremos servi-las ou não.

Então chega o refrão da música, onde é dito que todas as vezes que “eles” atingem seus objetivos, somos esfaqueados sem saber, claro, nossa pobreza ou prejuízo é o lucro e riqueza dos donos de empresas; ou ainda, como vemos atualmente no Brasil, os políticos comemorando suas vitórias, com seus projetos pessoais, irracionais ou empresariais, que fazem bem somente a eles, mas não ao povo — e que, se não pesquisarmos, nem ficamos sabendo. O refrão termina com uma pergunta: “Você não consegue sentir a Superalma?/ O significado de tudo isso...”; nota-se o uso da letra maiúscula em “Superalma”, algo que dá um significado maior à palavra.

Em inglês, a palavra “over” já deixa a expressão com mais ênfase, portanto, “oversoul” seria uma “superalma”, mas Andre Matos ainda a deixa com letra maiúscula. Quando se usa uma palavra com letra maiúscula, trata-se de algo supremo, algo universal, a representação perfeita daquilo que propõe — característica da Literatura Clássica. Interpreto essa “Superalma” como a situação da vida, a situação como um todo, com seus lados bons e ruins, externos e internos.

Na próxima estrofe o eu – lírico fala sobre o florescer da vida, sobre o despertar; diz que somos inocentes e selvagens, achamos que sabemos a verdade, sem saber. Aqui mostra-se a experiência do eu – lírico, este, mais velho, sabe que quando estamos despertando, achamo-nos inteligentes, mas temos tanto a aprender... Ou, talvez, esteja falando dos alienados; vemos tantas pessoas se achando cultas, considerando todos os outros que não concordam com suas ideias, alienados e dominados por uma ideologia, quando, na verdade, nem percebem que eles também estão sob outra ideologia, mas não sabem — ou não querem saber.

E para terminar a estrofe, diz que a vida é assim mesmo, temos de nos juntar ao jogo, procurar por respeito, procurar ser alguém. Isso é ensinado e realmente torna-se o desejo de muitos. Essa é a ideologia passada, mas poucos perguntam-se: o que é ser alguém? Ter respeito pelo o quê? Muitos confundem “respeito” com “medo”, outros, querem ser respeitados pelo o que tem, e não, pelo o que são; todos devem buscar ser alguém, sendo assim, ser alguém é ser igual, e quem não pensa assim, é diferente, é perigoso, é louco, é praga. O jogo deve ser jogado, não pode ser modificado, não pode ser construído ou debatido.

E como objetos, somos forçados a jogar e levados a desejar, assim, não necessitamos somente das necessidades, mas de quem as produza (e induza) também. Fazemos o que mandam fazer, não escolhemos nosso próprio caminho, tornamo-nos alienados. Como diria Paulo Freire, tornamo-nos objetos, ao invés de sujeitos. Depois disso, repete-se o refrão e inicia-se o solo.

Neste momento, quando o refrão acaba, a música tem um corte repentino, tocando somente o piano, a música fica silenciosa, triste, como se fosse um momento à reflexão; aos poucos, os instrumentos voltam à velocidade inicial e o eu – lírico faz suas últimas questões ao leitor/ouvinte: “Olhe ao redor e veja/ Você perdeu toda a vontade de viver?/Por que você não levanta e luta por sua alma?”, incitando-nos a sermos nós mesmos, buscarmos e lutarmos para sermos o que somos, e não, o que querem que sejamos. Além disso, ao sugerir a luta pela alma, que é algo abstrato, deixamos, pelo menos nesse momento, de lutar por coisas materiais. Repete-se o refrão e termina-se a música, novamente, com quebra de ritmo, triste, assim como a situação da vida no mundo atual, ou como a de acabar se continuarmos assim.

Andre Matos é um dos maiores representantes do Heavy Metal brasileiro, sendo reconhecido como um dos maiores vocalistas do mundo. Já esteve à frente das bandas Viper, Angra, Shaman, Virgo e Symfonia, além de participar de vários projetos. Está em carreira solo desde 2006, onde lançou três álbuns até então, sendo o último, The Turn of The Lights.

Letra da música em inglês:
http://www.vagalume.com.br/andre-matos/oversoul.html

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 27 de julho de 2015

AngraAngra
"Uma rapazeada bonita, mas nenhum foi bonzinho"

200 acessosAltair: comédia diabólica de Progressive/Power Metal0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Angra"

Andre MatosAndre Matos
Covers de Iron e Manowar com Dreadnox e Tribuzy em 95

Kiko LoureiroKiko Loureiro
Entrar no Megadeth não mudará nada no Metal Nacional

AngraAngra
Assista matéria antiga e equivocada na TV Globo

0 acessosTodas as matérias da seção Matérias0 acessosTodas as matérias sobre "Andre Matos"0 acessosTodas as matérias sobre "Angra"

MetalMetal
As bandas mais expressivas surgidas nos últimos 15 anos

MegadethMegadeth
Dave Mustaine não está feliz com os improvisos de Kiko?

MegadethMegadeth
Recadinho provocante da vocal do Huntress

5000 acessosSlipknot: demônio avistado em fogo durante show?5000 acessosRenato Russo: a história do maior nome do rock nacional5000 acessosSlipknot: "para cada Mustaine falando merda há um Hetfield"5000 acessosSanctuary: vocalista comenta a melhor e a pior banda do Metal4783 acessosO Metaleiro: "Roots, Bloody Roots" vira "Nudes, Manda Nudes"5000 acessosAC/DC: a história do nome e a idéia do uniforme de Angus

Sobre Carlos Siqueira

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online