1966 no Rock: do Monochrome ao Technicolor

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Vitor Bemvindo, Fonte: MOFODEU
Enviar Correções  

"Em 1966, a década deixou de ser monochrome para virar technicolor". A frase de Keith Richards, destacada pela edição de setembro de 2006 da Poeira Zine (www.poeirazine.com.br), define com precisão o que aconteceu de mais importante naquele ano para o Rock and Roll. A estética das bandas da "invasão britânica" tinha encontrado o seu ponto de saturação em 1965, e, no ano seguinte, diversos grupos passam a buscar um novo caminho, que levaria à psicodelia.

Grana: os astros do rock mais ricos do Reino Unido, segundo jornalReligião: Top 10 citações sobre Deus e o Diabo

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Um fator determinante para essa transição acontecida no Rock a partir de 1966 se sustenta principalmente no que havia anos antes. O grande sucesso comercial alcançado por bandas como THE BEATLES, THE ROLLING STONES, THE WHO entre outras, garantiu uma consolidação desses nomes no mercado fonográfico, que permitiu que estes pudessem ser mais exigentes com suas produções.

Os Beatles, por exemplo, eram tão poderosos na indústria fonográfica da época, que qualquer de suas exigências era atendida sem maiores discussões. Isso chegou ao ponto em que o grupo se reservou ao direito de não realizar mais turnês, e restringir seu trabalho somente ao processo criativo e de produção dos seus álbuns. Tal atitude, impensável nos dias de hoje, nos quais as turnês são uma das principais fontes de renda das bandas, mostra a importância que esses artistas tinham na época.

O último concerto dos Beatles, no Candlestick Park
O último concerto dos Beatles, no Candlestick Park

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

No dia 29 de agosto de 1966, os Beatles realizaram o último show da última turnê da história do grupo, no Candlestick Park, em São Francisco, Califórnia. O curioso é que a turnê, que divulgou o disco lançado no ano anterior, "Rubber Soul", havia sido um enorme sucesso, com apresentações memoráveis como a no Shea Stadium, em Nova Iorque (quando se apresentaram para o seu maior público, poucos dias antes do derradeiro concerto na Costa Oeste) e a no Budokan, em Tóquio, Japão.

A "bíblia" da psicodelia: "The Psychedelic Experience", de Timothy Leary
A "bíblia" da psicodelia: "The Psychedelic Experience", de Timothy Leary
Sem se dedicar às turnês, os Beatles passariam a ter mais tempo para ser dedicar às experimentações musicais, que resultariam no histórico "Sgt. Pepper", lançado no ano seguinte. Porém, a veia experimentalista do quarteto de Liverpool já aparecia presente nos álbuns lançados entre 1965 e 1966. "Rubber Soul" e principalmente o "Revolver" apontavam para o caminho que a banda parecia querer trilhar a partir daquele momento. Isso fica claro na introdução de elementos orquestrais, no flerte com a música indiana e as experimentações instrumentais características de "Revolver".

Os Beatles e muitas outras bandas começavam a se aproximar da psicodelia, com base principalmente na obra do guru do LSD, Timothy Leary. O livro "The Psychedelic Experience" estava na cabeceira de nove entre dez roqueiros que viviam em grandes metrópoles como Nova Iorque, Los Angeles, São Francisco ou Londres.

Essas idéias influenciaram grandes grupos, como os Beatles, mas também outros não tão conhecidos como os texanos do 13th FLOOR ELEVATORS, responsáveis por um álbum apontado como a primeira obra musical totalmente dedicada às experiências difundidas por Leary: o clássico Cult "The Psychedelic Sounds of 13th Floor Elevators". Apesar do pouco sucesso comercial, o disco é apontado como um marco da transformação do rock e é tido como o precursor do que se convencionou chamar "Psychedelic Sounds".

"Freak Out!", tido como o primeiro álbum conceitual do rock
"Freak Out!", tido como o primeiro álbum conceitual do rock
Na onda psicodélica, surgiram também bandas como os esquizofrênicos THE MOTHERS OF INVENTION, capitaneados pelo não menos surtado e talentoso Frank Zappa. Em 1966, o grupo estreou com o aclamado "Freak Out!", tido pro muitos como o primeiro álbum conceitual da história do Rock. O disco era uma grande gozação com os valores em voga naquele momento. Zappa debocha constantemente tanto da cultura de consumo americana, como da contra-cultura, imposta como um paradigma de oposição a sociedade de consumo.

1966 é um ano importante também para bandas como o Who e os Stones, que se não se encaminharam por vias tão experimentais, conquistaram maior independência, com álbuns totalmente autorais e bastante elogiados ("A Quick One" e "Aftermath").

"Pet Sounds": A Revolução que veio da praia
"Pet Sounds": A Revolução que veio da praia
Outra banda que atingiu um patamar de maturidade criativa interessante foram os BEACH BOYS. Assim como os Beatles, eles resolveram se dedicar com mais empenho às composições e produção dos álbuns, mas no caso do grupo californiano, um membro da banda foi eleito para cuidar desses aspectos: Brian Wilson. Enquanto os outros garotos praianos seguiam na estrada, Wilson se dedicava a produção da obra-prima da banda: o "Pet Sounds".

Graças a essa dedicação exclusiva ao processo criativo, Brian Wilson pode se empenhar nas experimentações musicais, incorporando elementos orquestrais e outros não tão convencionais ao álbum. A variedade de elementos usados no álbum, rendeu ao disco o rótulo de um dos precursores do "art-rock", ao mesmo tempo incoporava elementos do rock psicodélico, chegando a ser taxado por alguns como "sunshine pop".

Além do sucesso de crítica e público de "Pet Sounds", a dedicação de Wilson ao estúdio rendeu algumas faixas que seriam lançadas num disco posterior ("Smile", que nunca chegou a sair, por conta de problemas com a saúde mental do músico). A principal delas era "Good Vibrations", que foi lançada como single ainda em 1966, chegando ao todo das principais paradas de sucesso e sendo considerada o maior sucesso comercial daquele ano. A faixa trazia boa parte dos elementos introduzidos em "Pet Sounds", como, por exemplo, o uso de sitentizadores, mas também trazia a levada melódica que catapultou a carreira dos Beach Boys nos anos anteriores.

Outro fenômeno interessante no ano de 1966 foi a explosão das bandas de folk rock. Impulsionados pela eletrificação do folk empreendida por BOB DYLAN um ano antes em "Highway 61 Revisited", grupos como THE BYRDS e BUFALLO SPRINGFIELD, conquistaram o público e a mídia especializada com álbuns como "Fifth Dimension" e "Buffalo Springfield".

Small Faces aprofundaram as experiências do The Who
Small Faces aprofundaram as experiências do The Who
Outro aspecto a ser ressaltado em 1966 é o surgimento do SMALL FACES, que trouxe para o rock elementos que mais tarde se tornariam referência. O disco de estréia (que leva o nome da banda) traz um peso e distorções nas guitarras incomuns para aquele momento do rock. Eles aprofundaram as experiências do The Who, com linhas de baixo poderosas e uma bateria tão ensandecida como a de Keith Moon. A parceria entre Ronnie Lanne e Steve Marriot começava a fazer história.

Quer ouvir alguns dos sons que marcaram o ano de 1966? Ouça o MOFODEU #078, o segundo da série "Anuário MOFODEU", que pretende demonstrar a história do Rock ano a ano. Para ouvir, basta acessar o link abaixo.

http://www.mofodeu.com

Os textos do MOFODEU, que você costuma ler aqui no Whiplash, podem ser lidos também, no MOFOBlog.

http://www.mofodeu.com/moblog

Leia o primeiro artigo da série "Anuário MOFODEU", sobre 1965, no link abaixo.

https://whiplash.net/materias/especial/097463-beatles.html




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Grana: os astros do rock mais ricos do Reino Unido, segundo jornalGrana
Os astros do rock mais ricos do Reino Unido, segundo jornal

Beatles: Os cinquenta anos do álbum Let It Be (vídeo)

Little Richard: Que sua voz ecoe no mundo branco opressor conservador, diz Samuel RosaLittle Richard
"Que sua voz ecoe no mundo branco opressor conservador", diz Samuel Rosa

Little Richard: Paul McCartney, seu aluno mais célebre, lamenta morte nas redesLittle Richard
Paul McCartney, seu aluno mais célebre, lamenta morte nas redes

Little Richard: Mick Jagger, Ringo Starr, Jimmy Page e outros lamentam a morteLittle Richard
Mick Jagger, Ringo Starr, Jimmy Page e outros lamentam a morte

Little Richard: Ringo Starr e Pete Best, bateristas dos Beatles, lamentam falecimentoLittle Richard
Ringo Starr e Pete Best, bateristas dos Beatles, lamentam falecimento

Som de Peso: Let It Be, o fim dos Beatles (vídeo)Alta Fidelidade: 50 anos de Let it Be dos Beatles

Lars Ulrich: filhos do baterista mostram como fazer música pesada de verdadeLars Ulrich
Filhos do baterista mostram como fazer música pesada de verdade

Mick Jagger: Beatles melhores que Rolling Stones? A resposta dele a McCartneyMick Jagger
Beatles melhores que Rolling Stones? A resposta dele a McCartney


Como batizar a criança: os nomes de bandas mais estúpidosComo batizar a criança
Os nomes de bandas mais estúpidos

Beatles: os filhos (quase clones) dos Fab FourBeatles
Os filhos (quase clones) dos Fab Four


Religião: Top 10 citações sobre Deus e o DiaboReligião
Top 10 citações sobre Deus e o Diabo

Top 10: dez roqueiros que se foram aos 27 anos de idadeTop 10
Dez roqueiros que se foram aos 27 anos de idade


Sobre Vitor Bemvindo

Historiador de formação, tem verdadeira adoração pelo Rock and Roll desde sua infância. Seu instinto de pesquisador fez com que "se especializasse" em bandas velhas, especificamente as das décadas de 1960 e 1970. Produz e apresenta o MOFODEU (www.mofodeu.com), o Programa que tira o MOFO do ROCK, juntamente com seu parceiro Luiz Felipe Freitas (a Enciclopédia do Rock). O Programa está no ar desde 2007, tocando só bandas sessentista e setentistas sempre com muita informação e bom humor.

Mais matérias de Vitor Bemvindo no Whiplash.Net.

Cli336x280 CliIL Cli336x280 CliInline