Blaze Bayley: Resenha e fotos do show em Porto Alegre

Resenha - Blaze Bayley (Obra Club, Porto Alegre, 26/06/2016)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Guilherme Dias
Enviar Correções  











Na noite do dia 26 de julho, um domingo, Blaze Bayley esteve na capital do Rio Grande do Sul. O local do evento foi o Obra Club (local onde o músico já se apresentou em turnês anteriores, porém com um novo nome). No set-list músicas de seus trabalhos solo e dos seus tempos de Iron Maiden. Na abertura os gaúchos Marenna e Gueppardo.

Próximo das 20hs Marenna subiu ao palco, o grupo é liderado por Rodrigo Marenna (vocal) e ainda conta com Jonas Godoy (guitarra), Aaron Alves (guitarra), Arthur Appel (baixo) e Gionathan Sandi (bateria). Apresentaram músicas próprias e covers, a primeira do set foi "You Need To Believe", que possui um poderoso e grudento refrão, no melhor do estilo hard rock/ AOR. No final do ano a banda pretende lançar um novo álbum, chamado "No Regrets", dele tocaram a faixa-título e "Never Surrender". Um dos covers foi "Anytime, Anywhere" do Gotthard, que os influencia muito, segundo Marenna. Para fechar o show mais um cover, dessa vez "Blood Pollution" do Steel Dragon.

A segunda apresentação da noite foi com a Gueppardo. Na formação Maurício Osório (vocal), Pery Rodriguez (guitarra), Felipe Chagas (bateria) e Rafael Yadek (baixo). No som também o hard rock, porém com uma proposta mais heavy. No repertório músicas do EP "Instinto Animal" de 2009 como "Vivendo on the Road", "Execução Sumária" e "Instinto Animal" e do novo lançamento, "Fronteira Final" lançado no final de 2015 a faixa-título, "Planeta Proibido", "Nada a Perder" e "Fissura Total", que encerrou o show. A Gueppardo irá participar de um festival na Argentina no próximo mês, já a Marenna seguidamente aparece em rádios e revistas específicas pelo mundo, mostrando a potência das bandas gaúchas no cenário além das fronteiras.

A atual turnê de Blaze Bayley é referente ao seu último lançamento, "Infinite Entanglement", lançado este ano. Ele estava na pista com o público antes de entrar em ação, enquanto os seus companheiros iniciavam a preparação pro show. A formação contou novamente com os brasileiros da Tailgunners, sendo eles: Lely Biscasse e Raphael Gazal nas guitarras, Lennon Biscasse no baixo e Gustavo Franceschet na bateria.

Quem acompanha o Blaze sabe como seria o início do show. Duas ótimas canções de sua fase no Iron Maiden. Foram tocadas "Lord of the Flies" e "Futureal" dos álbuns "The X Factor" e "Virtual XI", respectivamente. Depois da dobradinha de Maiden, "Born as a Stranger" do seu primeiro álbum solo "Silicon Messiah" manteve o alto nível da apresentação.

Blaze estava anunciando uma música do novo álbum, porém se confundiu e apresentou "Human" (que estava mais avançada no repertório) e prontamente foi corrigido pela banda e aí sim apresentou "A Thousand Years". Após "The Brave" ("Silicon Messiah", 2000), Blaze passou uma mensagem para o púbico, dizendo que muitas vezes as pessoas nos dizem que não podemos seguir nossos sonhos, assim como diziam para ele , para ele não continuar cantando e não seguir os seus sonhos, longe do que ele continuou fazendo com a sua carreira. Sem mais cerimônias "Virus" (também do Maiden) foi apresentada.

De uma forma bem calma, Blaze disse para os fãs que segue a carreira como músico independente no momento, sendo os seus lançamentos e shows feitos exclusivamente para o seu público. Blaze seguiu com músicas do Iron Maiden e dos álbums solo "Infinite Entanglement" e "Silicon Messiah", a base do repertório, com exceção da potente "Leap of Faith" ("Tenth Dimension", 2002).

A parte final do show foi sem dúvidas perfeita e emocionante. Blaze avisou que após o show não iria para casa, iria direto para o bar e esperaria os fãs para tirar fotos e assinar o que fosse necessário. Cerca de 100 pessoas compareceram ao show e cantaram junto com Blaze as clássicas "The Clansman", "Man on the Edge" e "Fear of the Dark" do Maiden.

O público apesar de pequeno, foi magnífico. Blaze foi 100% com sua voz, atuação e carisma. A banda escolhida para lhe acompanhar não poderia ter sido melhor. Quem investiu seu tempo e dinheiro com o show teve o retorno. Em diversos momentos o frontman disse que ama o Brasil e os seus admiradores, deixando claro que deve retornar para futuras turnês.

Após o músico tirar fotos com toda a plateia, o grupo canadense Iron Kingdom fechou a noite, porém aproximadamente 20 pessoas permaneceram para prestigiar a apresentação, visto que já se passava da meia-noite e a jornada havia sido longa.

Set-list:

Lord of the Flies
Futureal
Born as a Stranger
A Thousand Years
The Brave
Virus
Stare at the Sun
Infinite Entanglement
Wrathchild
Human
Silicon Messiah
Ghost in the Machine
Leap of Faith
The Clansman
Man on the Edge
Fear of the Dark


Outras resenhas de Blaze Bayley (Obra Club, Porto Alegre, 26/06/2016)

Resenha - Blaze Bayley (Obra Club, Porto Alegre, 26/06/2016)



Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Metallica: Jason Newsted, 14 anos de humilhaçãoMetallica
Jason Newsted, 14 anos de humilhação

E-Farsas: Papa Francisco era fã do Black Sabbath?E-Farsas
Papa Francisco era fã do Black Sabbath?


Sobre Guilherme Dias

Fanático por heavy metal e hard rock desde os 12 anos de idade. Coleciona CDs e LPs, principalmente do Helloween e seus derivados. Colabora com o site desde 2013. Nasceu em Porto Alegre, capital do Rio Grande do Sul.

Mais matérias de Guilherme Dias no Whiplash.Net.

adWhipDin