Resenha - Offspring (Gigantinho, Porto Alegre, 18/10/2004)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Seguir Whiplash.Net

Por Ricardo Finocchiaro Bolsoni
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.






CALIFORNIA EM PORTO ALEGRE

Dois anos após o Red Hot Chili Peppers sacudirem Porto Alegre, agora foi a vez de mais uma excelente banda californiana se apresentar na capital gaúcha, The Offspring fez um ótimo show para cerca de 7 mil pessoas no Ginásio Gigantinho.

O dia do show não era dos mais convidativos, uma segunda-feira, o valor dos ingressos – o mais barato era R$60,00 – também poderia assustar os que não pretendiam gastar tanto no meio do mês. Para dificultar mais ainda, o dia amanheceu nublado, com pancadas de chuva que perduraram até a hora do show.

Mas após entrar no Ginásio, o clima ruim e todas as adversidades ficaram do lado de fora. A pista estava razoavelmente cheia e as arquibancadas recebendo mais gente a cada minuto. Notava-se a grande mistura de tribos por parte do público, tanto os amantes do punk rock tradicional (Ramones, Bad Religion, etc.) como os surfistas se acotovelavam para achar uma melhor posição na pista. O ambiente era bom, as pessoas apenas esperavam pela banda de abertura, eis que tiveram uma surpresa. O grupo anunciado desde o começo da divulgação do show eram os Walverdes (www.walverdes.com), conceituada banda de rock underground porto-alegrense, mas quem pisou no palco foram os punk rockers da Tequila Baby, renomada banda local com três discos lançados. A Tequila Baby fez um show simples e certeiro, com o vocalista Duda Calvin convocando “sejam bem vindos à roda punk”. Foram prejudicados pelo som, que estava alto, mas um pouco embolado.

Entre o show de abertura e a banda principal ouvia-se do público as tradicionais brincadeiras entre a torcida do Grêmio e do Internacional, é algo certo nos grandes shows da cidade. Diverte, relaxa e faz o tempo passar rápido na espera da grande atração da noite, o Offspring. Luzes se apagam, os gritos das fãs chegam a doer os tímpanos e são ouvidas batidas ritmadas de tambores, como se estivessem avisando da entrada do grupo no palco. Eis que o grupo sobe: Dexter Holland (vocal), Greg K. (baixista), Noodles (guitarra / backing vocals), Atom Willard (bateria), Chris Higgins (percussão / backing vocals).

As duas primeiras músicas são apenas para esquentar a galera, as novas composições presentes no último álbum do grupo “Splinter” são rápidas e servem para preparar para o primeiro hit da noite “All I Want” que colocou todos os presentes a cantarem o refrão. O ginásio ainda fervia em berros e urros, mas ainda esperavam mais. Foi então que os primeiros acordes de “Come Out and Play” foram ouvidos e o que se viu foi algo ensurdecedor por parte dos presentes, cantando o refrão de uma forma contagiante que fazia arrepiar quem estivesse presenciando, as vozes ecoavam no Gigantinho fazendo todo mundo levantar e cantar junto.

A partir daí já estavam todos aquecidos e empolgados, ninguém assistiu sentado, nem nas arquibancadas nem nas cadeiras. Notou-se facilmente uma presença maior de novos fãs do Offspring do que antigos, pois eram nas músicas dos três últimos álbuns que as músicas eram cantadas em uníssono. Claro, quando tocadas as músicas do saudosíssimo álbum “Smash” como “Bad Habit”, “Gotta Get Away” e a música que fechou o show “Self Esteem” a empolgação era grande também.

Destaques negativos da noite: o público que não lotou o ginásio (certamente pelo valor dos ingressos) e a presença de samplers para fazer as vozes femininas da música “Pretty Fly”, ficou muito falso, poderia ter rolado uma criatividade em cima disto. Destaques positivos: o fantástico show do Offspring, na medida certa, dosando hit’s e canções novas e ainda agradando os fãs de Ramones com uma excelentíssima “Blitzkrieg Bop” e o já mundialmente conhecido refrão “hey ho, let’s go”.

Porto Alegre mais uma vez virou Califórnia por uma noite, quem foi nunca mais vai esquecer, shows ótimos como este são raros de serem vistos e dificilmente se repetem, para os fãs que não foram e para os que querem ver de novo resta a esperança de aguardar pela próxima turnê do grupo e ver a capital gaúcha se tornar californiana mais uma vez.

Set List
01. Neocon
02. The Noose
03. All I Want
04. Come Out and Play
05. Long way Home
06. Hit That
07. Want You bad
08. Gone Away
09. Hang Over
10. Have You Ever
11. Bad Habit
12. Gotta Get Away
13. Mota
14. Da Hui
15. Get a Job
16. Americana
17. Staring at the Sun
18. Kid´s Aren’t Alright
19. Pretty Fly

Bis
20. Head Around You
21. Blitzkrieg Bop (Ramones)
22. Self Esteem

* Ricardo Finocchiaro é jornalista e produtor cultural na cidade de Porto Alegre

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Seguir Whiplash.Net



Antes da famaAntes da fama
Atores que apareceram em clipes clássicos

PunkPunk
10 músicos que são mais ricos do que você pensa

Pra ouvir e discutirPra ouvir e discutir
Os melhores discos lançados em 1994

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Offspring"


The DoorsThe Doors
Em 1969, Morrison previu o rap e o techno

Iron MaidenIron Maiden
Janick Gers não acha que a banda seja de Heavy Metal

Heavy MetalHeavy Metal
Site elege as dez melhores bandas do Brasil

5000 acessosThrash da Bay Area: as cinco capas mais legais5000 acessosMuchMoreMusic: programa canadense elege os 20 Pais do Heavy Metal5000 acessosAC/DC: Brian revela segredo obscuro de Angus Young5000 acessosMetal Tradicional: 13 Novas bandas nacionais e o momento da cena5000 acessosOzzy Osbourne: madman libera vídeo raro com Trujillo no baixo5000 acessosBeatles: E se a história fosse contada pelo Jornal Meia-Hora?

Sobre Ricardo Finocchiaro Bolsoni

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.