Café Com Rosas: escutando Coheed And Cambria

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Guilherme Fernandes, Fonte: Café Com Rosas Blog
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Escutar qualquer disco do Coheed And Cambria é uma experiência absurdamente estarrecedora. O grupo, ora desconhecidos do grande publico – e, ao que parece, demorará um pouco mais que o normal para tal feito – é denominado como new-prog, ou seja, o rock progressivo de antigamente adequado às novas estruturas de construção e tecnologia. Nada mais que pura inveja dos críticos que adormeceram no passado e não querem pisar em nenhuma outra novidade até o fim de suas carreiras.

5000 acessosMalmsteen: Satriani e Jeff Beck desafinam nos bends?5000 acessosGilby Clarke: Axl me disse "aproveite seu último show"

Chamar o Coheed And Cambria de new-prog, de rock progressivo, de metal sabe lá das quantas, é de uma limitação mental danada que chega a dar pena. A banda bebe das fontes certas. Tem um lado totalmente Zepeliano, assim como sacadas tão inteligentes quanto os dinossauros do rock, sejam eles pomposos como o Pink Floyd ou, em minha singela opinião, um degrau abaixo como o Rush.

O fato é que a banda do cabeludo de voz fina, Claudio Sanchez, faz bonito. É impossível ficar imune à fina musicalidade do quarteto. Cada canção é um presente aos desavisados, tamanha criatividade e inteligência, seja na execução dos temas, seja na questão lírica, totalmente original, provenientes dos surtos criativos de seus integrantes.

Embora, em sua primeira apresentação no Brasil, tenha se notado certo desprezo do publico presente, ávido para assistir nomes como Motorhead, Slipknot e Metallica, o quarteto fez bonito. Mesclando músicas novas com temas mais antigos, Sanchez e Cia. brindaram aos que realmente gostam de boas músicas, no qual esqueceram o radicalismo fanático e se embebedaram com suas belas canções.

Alguns dizem que o cover de The Trooper, do Iron Maiden, salvou o show da banda. Eu, sinceramente, achei desnecessário, embora tenha consciência em que foi o momento em que o público mais interagiu com a banda. Nos fóruns e redes sociais, muitas criticas foram feitas ao Coheed And Cambria. Grande parte delas negativas. Entretanto, arrisco-me a dizer que, em breve, os mesmos que criticaram, render-se-ão ao talento dos rapazes do Coheed And Cambria.

Ou será que a voz do Geddy Lee é unânime entre os apreciadores de boa música? Ou então, que grande parte dos ouvintes conhece algo além do The Dark Side Of The Moon e Wish You Were Here?

Longe de querer entrar em méritos e/ou comparações com grandes e consagradas bandas. Entretanto, torço pelo Coheed And Cambria. Torço para que não se acomodem em seu relativo sucesso, ou em seus bons álbuns e continuem criando coisas novas e instigantes para seus apreciadores. Reconhecimento é algo que vem com o tempo. Ainda mais no mundo da música, onde as coisas boas sobrevivem independentes do crivo radiofônico.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Coheed And Cambria"

FeelingFeeling
Existe no rock/metal moderno? 7 músicas que comprovam

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Opiniões0 acessosTodas as matérias sobre "Coheed And Cambria"

MalmsteenMalmsteen
Satriani e Jeff Beck desafinam nos bends?

Gilby ClarkeGilby Clarke
Axl me disse "aproveite seu último show"

AnittaAnitta
"Eu era roqueira. Comecei no funk por destino."

5000 acessosIron Maiden: lamentamos, mas a vaga já foi ocupada...5000 acessosMonica Santhiago: O Excelente gosto - musical - da musa pornô BR5000 acessosAC/DC: Axl conta por que Angus vive correndo no palco5000 acessosOs Melhores: Os álbuns destaques da primeira década do novo milênio4166 acessosHistórias em quadrinhos: as 12 melhores músicas inspiradas em personagens2543 acessosJared Dines: os tipos de bateria (para iniciantes)

Sobre Guilherme Fernandes

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online