Relançamentos do Running Wild

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Whiplash!
Enviar correções  |  Comentários  | 

Matéria de 22/02/00. Quer matérias recentes sobre Rock e Heavy Metal?

Os fãs do heavy metal tradicional podem comemorar. Foram lançados no país cinco álbuns remasterizados da banda alemã Running Wild. Melodias, refrões contagiantes, qualidade e um mundo de piratas, tesouros e aventuras estão presentes em Death or Glory, Blazon Stone, Pile of Skulls, Black Hand Inn e Masquerade.

5000 acessosMusculação: os músicos mais bombados do heavy metal5000 acessosTeoria da Conspiração: Slipknot troca membros em shows ao vivo?

O atrativo da nova série dos discos são algumas faixas bônus, além de um som com mais qualidade. A iniciativa da gravadora européia Noise Records chegou ao país pela parceria Laser Company e Rock Brigade Records.

Se Rock n'Rolf Kasparek é um pirata, cada disco da banda é um tesouro - o mais puro metal, ainda mais em tempos de novas jóias não tão valiosas. O barco Whiplash singrou os sete mares e comenta para você estas preciosidades do metal - não o ouro nem a prata, mas a música.

Death or Glory - 1989

Um disco com ênfase nas melodias. Faixas como Riding the Storm foram criadas para virar hino e coro em shows. A formação Rolf (guitarra+vocal), Majk Moti (g solo), Jens Becker (baixo) e Iain Finlain (bateria) mostra um excelente trabalho, talvez um dos maiores responsáveis pelo sucessoda banda. Como dito antes, as melodias são os principais atrativos do álbum, sempre primando pelas letras que trazem à memória piratas, mar e bravura (Bad to the bone, Riding the Storm). Outros destaques são Death or Glory e Tortuga Bay. Na nova versão estão presentes as faixas-bônus Wild Animal, Tear down the Walls, Störtebeker - presentes na edição japonesa do LP - e Chains and Leather - uma antiga música de 83 regravada.

Nota: 9

Blazon Stone - 1991

Neste disco a qualidade da banda foi provada novamente. As duas trocas - as guitarras ficaram com Axel Morgan e a bateria com o antigo roadie AC - mudam um pouco o som da banda, agora mais pesado e agressivo. Se no disco anterior o Running Wild tinha um som tradicional, agora já marca seu nome no hall do power metal - pesado e rápido, mas sem perder a melodia. Aqui os melhores momentos estão na faixa que dá título ao play, Little Big Horn, Lonewolf e Bloody Red Rose. Foram adicionadas duas músicas como extras nesta nova versão, Billy the Kid e Genocide - um cover do Thin Lizzy. Ambas estão presentes no single de Little Big Horn e na antiga edição japonesa.

Nota: 8

Pile of Skulls - 1992

Outra pérola do heavy metal. Novamente o time muda de formação, com o baixo sob a responsabilidade de Thomas Smuszynski e a bateria de Stefan Schwarzmann. O disco soa como um meio termo entre a agressividade de Blazon Stone e a melodia de Death or Glory - aliado a letras trabalhadas. Aqui temos Rock N'Rolf não apenas falando de piratas, mas sim de literatura (Treasure Island, baseada no livro homônimo de Robert Louis Stevenson), lendas de piratas (Jennings' Revenge), a relação homem/Terra e seu futuro (White Buffalo) e algumas das instituições que mais mataram - a Igreja, o governantes tiranos e as guerras. Rolf busca do passado as razões que o leva a crer em um futuro nada bom. O encarte mostra um divertido alien como membro da banda, com uma chave - talvez seria a saída para a humanidade. Os bônus são uma regravação de Beggars' Night, as músicas Hanged, Drawn and Quartered e Win or be Drowned do EP Lead or Gold e Uaschitschun'92.

Nota: 9

Black Hand Inn - 1994

Este disco soa como uma continuação de Pile of Skulls. A história de um homem queimado injustamente na fogueira como demônio, que vai sendo contada nas músicas, é o principal deste disco, mas sem deixar de lado a preocupação com a atualidade do disco anterior. Aqui Rolf continua a mostrar que o homem é lobo dele mesmo, e o mal está presente em nossa história - sempre com boa música, é claro. Este triste aspecto faz a ligação entre o passado da terra, os piratas e a atualidade, além de colocar novamente o elemento alienígena como saída. Na música, o melhor do álbum, percebemos claramente a presença do amigo Jörg Michael na bateria e o novo guitarrista Thilo Hermann. O baterista do Stratovarius e Grave Digger já havia feito alguns shows com a banda anos antes, e sentiu-se em casa. O grupo está afiado neste disco, coeso, e é impossível ficar parado e quieto ao ouvir músicas como Black Hand Inn, Mr Deadhead e Soulless - que lembra a boa Whirlwind (Pile of Skulls). As baquetas de Michael estão calcadas no mais puro power metal, enquanto as guitarras pendem para um heavy mais tradicional - isso acaba resultando em uma bela união. Em Genesis, uma longa faixa de 15 minutos, Rolf conclui o trabalho mais sério de Pile of Skulls. Os presentes da nova versão do disco são as faixas Dancing on a Minefield e Poisoned Blood, presentes no EP Privateer.

Nota: 8,5

Masquerade - 1995

A banda conseguiu manter a formação do álbum anterior e melhorou ainda mais o som de antes. Masquerade é uma ousadia de Rolf, pois inicia uma tríade - completada com The Rivarly e Victory - sobre uma batalha entre a luz e as sombas. Entre piratas, militares e religiosos, a música conquista o ouvinte. Destacam-se as faixas Masquerade, Black Soul, Lions of the Sea e Metalhead. Na nova edição foram adicionadas as duas faixas que a banda gravou para o promo-LP Death Metal de 1983. Este disco da Noise Records serviu para divulgar o cast da gravadora, e os piratas estavem lá com as faixas Iron Heads e Bones to Ashes.

Nota: 9

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.


0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Running Wild"

Metal AlemãoMetal Alemão
About.com elege as melhores bandas

Top 10Top 10
Os mais influentes álbuns de Metal Tradicional

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Running Wild"


MusculaçãoMusculação
Os músicos mais bombados do heavy metal

Teoria da ConspiraçãoTeoria da Conspiração
Slipknot troca membros em shows ao vivo?

Kurt CobainKurt Cobain
A teoria de assassinato do músico

5000 acessosNick Jonas: ele tentou fazer um solo e virou um meme de Internet5000 acessosUltimate Guitar: as 28 canções mais sombrias de todos os tempos5000 acessosMetallica: as extravagâncias da banda para tocar no Rock in Rio5000 acessosLemmy: chorando, Dave Grohl se despede do grande amigo5000 acessosIron Maiden: os set-lists desde os primórdios até 20135000 acessosHeavy Metal: os 11 melhores álbuns da década de 70

Sobre Whiplash!

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online