Camel cancela vinda, mas festival continua

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Leonardo Nahoum
Enviar Correções  


Amigos,

publicidade

Cheguei há pouco mais de dez horas de Los Angeles, onde estava com o Tempus Fugit para seu show no Progfest 2000. No dia de nossa partida, terça-feira passada, recebi um e-mail do coordenador da turnê do Camel na América Latina com cópia de um fax do agente da banda na Inglaterra cancelando a turnê sul-americana devido a um acidente com a mulher do guitarrista Andy Latimer. Podem imaginar meu pânico e abatimento a poucas horas de embarcar para uma viagem de uma semana para fora do país...

publicidade

Na tentativa de salvar ao menos as datas no Rio (o show de 21 e um possível show extra no dia 20), onde já contávamos com cerca de 800 ingressos só para o sábado, escrevi e-mails de apelo à mulher de Latimer, Susan Hoover, tirei cópias dos artigos publicados por aqui, levei xerox dos borderôs de bilheteria, do contrato com o teatro e dos recibos dos pagamento já feitos para garantir a casa (Garden Hall). Tudo em vão... Despenquei-me de Los Angeles no mesmo dia que cheguei aos EUA em direção à San Diego, na tentativa de um contato mais direto com o grupo e, quem sabe, uma solução para as datas no Rio. Foi então que soube, pelo manager da turnê, que a banda já sabia que não poderia viajar já há três semanas (muito profissional o agente deles, não?)! E que o motivo do cancelamento não era pelo acidente com a esposa de Latimer, e sim porque o baterista agendado (Clive Bunker)abandonou a turnê na última hora. O grupo conseguiu um substituto canadense que, contudo, já tinha compromissos para as datas no Brasil e demais países "cucarachas"... Detalhes em primeira mão podem ser obtidos nas seguintes páginas oficiais do site da banda: www.camelproductions.com/news.htm (acidente de Susan Hoover, substituição do baterista, etc.)

http://www.camelproductions.com/satour.htm (pedido de desculpas de Latimer aos fãs da América do Sul).

publicidade

Com essa bomba nas mãos, voltei a Los Angeles disposto a fechar contrato com outro nome de peso para o Rio ArtRock Festival, algo que pelo menos diminuísse um pouco a frustração que senti e que todos vocês devem agora estar experimentando, com o cancelamento do Camel. Pois bem, essa banda é nada menos que o Banco del Mutuo Soccorso, um dos ícones maiores do rock progressivo italiano e mundial, verdadeiro gigante dos anos 70. Trouxe na mala o contrato assinado para dois shows no Rio (20 e 21 de outubro) e até mesmo já paguei à banda 50% do cachê. Para quem não conhece o grupo ou não tem idéia de sua importância ou qualidade, vou fazer só um comentário: o show deles que assisti no Progfest, no sábado dia 2, me levou às lágrimas por pelo menos duas vezes...

publicidade

Aí vai a homepage oficial do Banco: http://www.bancodelmutuosoccorso.it

A escalação do festival então, depois do lastimável cancelamento do Camel, ficou assim:

- Dia 19 de outubro (quinta-feira, Teatro da Galeria, 20:00 h): ACIDENTE (RJ), CÁLIX (BH), 2112 (Argentina).

- Dia 20 de outubro (sexta-feira, Garden Hall, 20:00 h): KAIZEN (RJ), EL RELOJ (Argentina), BANCO del Mutuo Soccorso (Itália).

publicidade

- Dia 21 de outubro (sábado, Garden Hall, 20:00 h): O TERÇO (SP), IL BALLETTO DI BRONZO (Itália), BANCO del Mutuo Soccorso (Itália).

Não haverá alteração no preço dos ingressos, ou seja, os do Garden Hall continuam custando R$50,00 e o da Galeria R$25,00. Como uma forma de prestar uma cortesia, contudo, todos os ingressos comprados para os shows do Garden Hall darão direito a um CD à sua escolha do catálogo da Rock Symphony, que estará disponível no local nos dias do evento.

publicidade

Para quem está se perguntando o porquê da manutenção dos preços, uma informação: a vinda do BANCO custará mais caro que a do Camel...

Sei que muitos de vocês tinham apenas o Camel e somente o Camel em mente quando compraram seus ingressos com tanta antecedência. Mas tentem dar uma chance às ótimas bandas que tocarão ao longo dos três dias - ouvir progressivo (ou qualquer gênero de música) significa estar disposto a aventuras sonoras desse tipo. E, mesmo sem a maravilhosa banda inglesa de Latimer e cia., este Rio ArtRock Festival continua sendo o maior de todos até hoje, com (pasmem!) quatro bandas saídas dos anos 70 e três noites de som.

publicidade

Conto com o apoio de todos vocês e, principalmente, com a compreensão de todos os que já compraram ingressos - espero que vocês se decidam por ir ao show mesmo assim.

Quem quiser receber o dinheiro dos ingressos, porém, tem todo o direito para tanto e deverá proceder da seguinte maneira: vá até a loja onde comprou seu(s) ingresso(s) a partir do dia 21 de setembro (dia do meu aniversário, aliás...) e simplesmente peça para ser ressarcido. Se você fez a sua compra em outro Estado, ligue diretamente para a Rock Symphony no telefone 21 - 621.6814.

Grande abraço e... que dizer? Vamos seguir em frente!

Leonardo Nahoum
ROCK SYMPHONY

publicidade




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Progressivo: análises exemplificando a guitarra progressivaProgressivo
Análises exemplificando a guitarra progressiva

Rock Progressivo: Os 15 maiores guitarristas do gêneroRock Progressivo
Os 15 maiores guitarristas do gênero


Nirvana: Dave Grohl explica porque não toca clássicos ao vivoNirvana
Dave Grohl explica porque não toca clássicos ao vivo

Max Cavalera: triste ver uma banda tão importante virar uma merdaMax Cavalera
Triste ver uma banda tão importante virar uma merda


Sobre Leonardo Nahoum

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, enviando sua descrição e link de uma foto.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin