Baterista do Quiet Riot comenta novo CD

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por César Enéas Guerreiro, Fonte: Blabbermouth
Enviar Correções  

O site MetalEpicenter.com entrevistou recentemente o baterista do QUIET RIOT, Frankie Banali. Alguns trechos desse papo:

MetalEpicenter.com: Vamos começar perguntando sobre seu projeto atual, o novo álbum "Rehab", e sobre a sua recente participação no tributo "Butchering The Beatles - A Headbashing Tribute". Fale um pouco sobre os dois, se possível.

publicidade

Frankie: Para as novas gravações, Kevin DuBrow e eu tivemos a participação de Tony Franklin no baixo (ex-THE FIRM e BLUE MURDER), do ótimo guitarrista de estúdio Neil Citron e da voz do rock, Glenn Hughes (ex-DEEP PURPLE e BLACK SABBATH), que participou de um dueto com Kevin na música "Evil Woman" (1969) do SPOOKY TOOTH e também contribuiu com a linha de baixo para aquela música.

publicidade

"Rehab" já está disponível nos EUA, através do selo independente Chavis Records e o lançamento mundial será feito pelo selo britânico Demolition Records; a data do lançamento no Japão será anunciada em breve. O lançamento nos EUA conta com 11 músicas, enquanto o europeu e o sul-americano terão as mesmas faixas, mas também incluirão uma faixa bônus. O lançamento no Japão incluirá uma faixa bônus diferente dos outros lançamentos internacionais.

publicidade

No CD "Butchering The Beatles", eu toquei bateria na faixa "Magical Mystery Tour", juntamente com Jeff Scott Soto (YNGWIE MALMSTEEN, SOUL SIRKUS) nos vocais, Yngwie Malmsteen (RISING FORCE, ALCATRAZZ) na guitarra solo, Bob Kulick (MEAT LOAF, PAUL STANLEY BAND) na guitarra base e Jeff Pilson (DOKKEN, FOREIGNER) no baixo.

MetalEpicenter.com: Já ouvimos algumas das faixas do "Rehab" que você postou em seu site e parece que vocês se esforçaram para conseguir um som diversificado no disco. Nossa suposição está correta?

publicidade

Frankie: "Rehab" é o melhor álbum do QUIET RIOT que lançamos em quase duas décadas. É o melhor material musical e lírico que já fizemos. Nele há músicas que diferem de tudo o que já fizemos no passado. Há músicas como "Free" e "Blind Faith", que são modernas e mais pesadas do que qualquer coisa que já gravamos. Também há músicas que demonstram não só as incríveis habilidades vocais de Kevin, como em "Old Habits Die Hard", como a minha própria paixão por ritmos constantes e pesados, como em "South of Heaven" e "Evil Woman", que contam, tanto no baixo como no vocal, com o incrível talento de Glenn Hughes, que já esteve no DEEP PURPLE e no BLACK SABBATH. É uma ótima seleção de músicas.

publicidade

Há uma música semelhante, em estilo e abordagem musical, às músicas antigas. É "It Sucks To Be You", composta por Kevin DuBrow, e é uma música bem divertida. Quando Kevin tocou a demo dessa música para mim, nós concordamos em gravá-la para ver como ficaria. Depois, quando mixamos as músicas e estávamos decidindo sobre o que seria colocado no lançamento dos EUA e quais seriam as faixas bônus dos lançamentos internacionais, eu quis incluir a música "Wired To The Moon", que parecia mais adequada em estilo para o lançamento dos EUA e colocar "Sucks" como faixa bônus nos lançamentos internacionais, mas Kevin não concordou. Mas é uma faixa divertida.

publicidade

Além de ter o prazer de trabalhar com Tony Franklin, que é meu baixista favorito, e com o guitarrista Neil Citron, que é incrivelmente talentoso, eles tornaram possível a gravação deste álbum. Nenhum outro grupo de músicos com os quais Kevin já trabalhamos no passado poderia ter conseguido o fazer "Rehab", devido à diversidade do material e de estilos.

publicidade

Leia a entrevista completa neste link.




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Gustavo Carmo: brasileiro lança EP com Rudy Sarzo, Derek Sherinian e Brian Tichy

Quiet Riot: banda vai continuar em atividade, mesmo após morte de Frankie Banali

Blackie Lawless: por que toda banda de rock após 1983 tem dívida com o Quiet RiotBlackie Lawless
Por que toda banda de rock após 1983 tem dívida com o Quiet Riot

Frankie Banali: Slash, Mike Portnoy e outros músicos homenageiam o falecido bateristaFrankie Banali
Slash, Mike Portnoy e outros músicos homenageiam o falecido baterista

Frankie Banali: baterista do Quiet Riot, W.A.S.P. e outros morre aos 68 anosFrankie Banali
Baterista do Quiet Riot, W.A.S.P. e outros morre aos 68 anos

Quiet Riot: Frankie Banali está em sua casa se recuperando de um derrameQuiet Riot
Frankie Banali está em sua casa se recuperando de um derrame


Farofa?: 7 bandas estigmatizadas pelo rótulo de hard farofaFarofa?
7 bandas estigmatizadas pelo rótulo de "hard farofa"

Túmulos: alguns dos jazigos mais famosos do Metal nos EUATúmulos
Alguns dos jazigos mais famosos do Metal nos EUA


Iron Maiden: pastor evangélico tem 172 tatuagens da bandaIron Maiden
Pastor evangélico tem 172 tatuagens da banda

Ultimate Classic Rock: os 100 maiores clássicos do rockUltimate Classic Rock
Os 100 maiores clássicos do rock


Sobre César Enéas Guerreiro

Nascido em 1970, formado em Letras pela USP e tradutor. Começou a gostar de metal em 1983, quando o KISS veio pela primeira vez ao Brasil. Depois vieram Iron, Scorpions, Twisted Sister... Sua paixão é a música extrema, principalmente a do Slayer e do inesquecível Death. Se encheu de orgulho quando ouviu o filho cantarolar "Smoke on the water, fire in the sky...".

Mais informações sobre César Enéas Guerreiro

Mais matérias de César Enéas Guerreiro no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin