Iron Maiden: o diário do primeiro show em Melbourne

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Milena Dias de Paula, Fonte: Maiden Norway, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

Matéria de 16/02/08. Quer matérias recentes sobre Rock e Heavy Metal?

Diário do Rod – 6 de Fevereiro

Dormir? O que é isso? Sem chance. Apenas fiquei deitado na cama até por volta de 1h, a cabeça cheia de idéias (apenas esperem e verão o que acontecerá no Forum LA em breve!!), então levantei e liguei o confiável laptop. Claro, Melbourne está a 11 horas de Londres, então já era de tarde lá e todos os emails vindos do Reino Unido estavam voando, então tive que dar conta deles e preparar um esboço impresso sobre o começo da turnê (que finalmente será colocado aqui na terça ou na quarta). Eu tinha a intenção de concluir o diário do dia 5, mas não pude, havia muitas coisas que precisavam ser feitas. Estamos incrivelmente ocupados agora e, graças a Deus, eu tenho uma ótima equipe, com Val, Dave e Mary para cuidarem de tudo com eficiência, senão eu iria certamente perder o controle. Sem mencionar, é claro, meu parceiro Andy, que ainda está na estrada conosco (a viagem mais longa da vida dele, deve ser o avião!!) e o contador do Maiden, Peter.

758 acessosDuplas de guitarristas: Loudwire elenca suas dez melhores5000 acessosDerek Riggs: "Eddie vende mais do que Mickey Mouse"

Contudo, não estou reclamando da quantidade de trabalho, tudo está correndo tão incrivelmente bem que um interesse internacional massivo está sendo gerado, o qual está refletido na enorme venda de ingressos em todo lugar, especialmente na América Latina. Eu posso sempre lidar com coisas positivas sobre o Maiden e o Eddie, mesmo que leve a noite inteira para fazer isso direito e ter as idéias aparecendo!!

Por volta do meio dia eu tentei tirar um cochilo e finalmente consegui. Então o telefone tocou! Dave Pattenden me ligando para eu ir a um estúdio em Kensington - Kensington Melbourne, aliás. Nós estamos preparando uma curta introdução para o set e Dave estava editando a primeira versão com cenas de Mumbai e Perth. Então eu tomei um banho e me arrastei até um táxi. Revendo o vídeo da introdução eu achei que ele iria definitivamente funcionar, mas precisava de algumas mudanças e cenas adicionais. Então Dave prosseguiu para concluir isso, embora fosse levar mais um dia e nós não pudéssemos usar o vídeo para o primeiro show em Melbourne.

Voltei para o hotel um pouco e às 6h saí para o show com o Bruce. O Rod Laver Arena é um lugar magnífico – Eu disse antes como nós estamos empolgados por tocar em grandes arenas de esportes e estádios, e esse é um deles, a casa do Australian Open. Eu podia vê-lo pela minha janela do hotel (que tem uma vista maravilhosa de Melbourne) rodeada por quadras de tênis. É um prédio circular, então do palco você sente que todo o público está realmente perto de você. Essa foi a primeira de duas noites com venda total de ingressos, 11.000 pessoas. Então são 22.000 pessoas vendo a gente em Melbourne, onde nós não estivémos por 15 anos, apesar de que certamente nós quisemos estar – mas mais sobre isso mais tarde.

O público estava totalmente empolgado para o show e tão alto quanto o público de qualquer outro lugar, e correu tudo muito bem no show, exceto pelo som, que eu senti que não estava tão bom quando deveria estar. Falei com Doug, os caras do som e alguns caras da banda depois, mas nosso pessoal já estava ciente de que o palco estava agindo um pouco feito um subwoofer já que as distâncias entre as estruturas eram maiores que o normal, o que deu ao palco uma leve “elasticidade”, então nosso retorno, que fica no palco, fazia-o ecoar, causando um denso efeito de sons graves. Isso impediu a passagem dos vocais mais do que deveria, por essa razão o som não ficou como o esperado. O pessoal me garantiu que eles poderiam cuidar disso e não haveria necessidade de uma temida passagem de som – e no dia seguinte eu notei que eles estavam certos. No entanto, eu acho que fui o único a notar isso, já que a recepção foi fantástica. A banda está agora se afiando nesse terceiro show e o show por si só está começando a ficar verdadeiramente espetacular, com as luzes do Rob ficando mais e mais artísticas a cada show, conforme ele introduz pequenos toques cheios de classe aqui e ali e o pessoal do fogo nos dando muitas explosões nos momentos certos.

Bruce e Nicko ficaram no estádio por um tempo e depois correram para tomarem um banho e saírem para o bar. Eu conversei um instante com eles e depois voltei com o Barry Drinkwater. Dei uma passada no hotel e estava chovendo muito (verão australiano??!) e nós nos perdemos tentando achar o bar (Irlandês, é claro) -- Bridie O'Reillys. Nós ficamos ensopados, mas finalmente encontramos o bar – eu não confiarei mais em Barry com direções, embora isso também não seja um ponto forte em mim, pergunte aos meus filhos!!

O bar estava lotado com fãs e vários membros da banda e tinha uma ótima atmosfera. Os fãs não podiam acreditar que a banda veio um por um caminhando do hotel com nenhum segurança a vista!! Eu não acho que nenhuma outra banda nesse mesmo nível iria jamais fazer isso e nós somos loucos, eu acho, mas os caras querem manter as coisas tão “comuns” quanto o possível, não que essa seja realmente a palavra certa, mas vocês me entenderam. E de qualquer forma, sempre existem muitos fãs por aí para nos dar qualquer proteção que nós precisemos. Mesmo assim, a equipe também chegou logo depois de nós – eles amam uma estadia de duas noites, assim eles podem chegar cedo no bar também!

Então, outra noite longa, mas eu tinha que tomar umas duas cervejas, assim consegui dormir satisfeito!!

- Rod.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Iron MaidenIron Maiden
Steve Harris assiste show do Metallica no Canadá

758 acessosDuplas de guitarristas: Loudwire elenca suas dez melhores1236 acessosBruce Dickinson: voando em um bombardeiro da II Guerra Mundial0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Iron Maiden"

Poetas do RockPoetas do Rock
Frases célebres e estúpidas ditas por grandes artistas

Iron MaidenIron Maiden
A paixão de Dave Murray pelo guitarrista Paul Kossoff

MetallicaMetallica
Lars concorda quando Bruce diz que Maiden é melhor

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Iron Maiden"

Derek RiggsDerek Riggs
A história por trás do mascote da Donzela de Ferro

Feias que me perdoemFeias que me perdoem
Musas do Rock e Heavy Metal

PoeiraPoeira
A fúria de Ian Anderson pra cima do Led Zeppelin

5000 acessosSarcófago: Wagner fala da banda, radicalismo, Ghost e muito mais5000 acessosGhost: De quais bandas brasileiras eles gostam?5000 acessosDébil Metal: quando os fãs assustam os ídolos3210 acessosIron Maiden: cerveja Trooper em latão de 500ml5000 acessosHall Of Fame: 500 Músicas Que Marcaram o Rock and Roll5000 acessosArch Enemy: "nós não queremos ser o próximo Metallica"

Sobre Milena Dias de Paula

Nascida em 1988, formada em Letras pela USP, é revisora, tradutora e escritora, cheia de sonhos e projetos pra escrever seus muitos livros. Apaixonada por literatura, línguas e culturas estrangeiras, fotografia, escrever e música. Heavy/Power/Speed Metal e Hard Rock são praticamente como o ar que respira. Acha que os anos 80 são a melhor época da música e praticamente tudo o que é relacionado a esse período a fascina. No topo das bandas preferidas estão Edguy, Mr. Big e Gotthard.

Mais informações sobre Milena Dias de Paula

Mais matérias de Milena Dias de Paula no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online