Jizzy Pearl: "Qualquer bandinha acha que vai vender milhões"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Nacho Belgrande, Fonte: Playa Del Nacho
Enviar correções  |  Comentários  | 

Matéria de 05/01/13. Quer matérias recentes sobre Rock e Heavy Metal?


5000 acessosDrogas e Álcool: protagonistas nos piores shows de grandes astros5000 acessosCovers: quando bandas de Heavy e Power Metal prestam tributo

O jornalista estadunidense GERRI GITTELSON conversou recentemente com o vocalista JIZZY PEARL [Love/Hate, Ratt] e num papo que abrangeu toda a história do músico, os percalços e manhas de ser bem-sucedido como músico profissional foram abordados com destaque. O trecho abaixo é uma tradução desse segmento:

[...] Gerri Gittelson: Vocês lançaram umas músicas ótimas com o [álbum] ‘Blackout In The Red Room’, e estavam abrindo para o AC/DC, e então vocês devem ter imaginado que estavam sendo catapultados para o sucesso. O quão ambicioso e otimista você estava na época? Você se sentia como se estivesse à beira da fama?

Pearl: Todo mundo em tudo quanto é banda acha que está destinado a isso. Até a banda mais vagabunda de Akron, Ohio acha que está destinada a ser milionária e vender milhões de discos. É assim que você supera a adversidade quando as pessoas dizem que você é um merda e que você nunca vai se dar bem. Você tem que acreditar. É um lance de fé.

Pearl:Claro, tínhamos um contrato fabuloso com uma gravadora, então achávamos que estávamos prestes a vender muitos discos, mas pensando agora, eu nunca me senti como se tivéssemos sido feitos de bobos. Na verdade, fomos abençoados. Nós excursionamos com gente maravilhosa e toda a grandeza que vem com isso – MTV, ônibus de turnê, toda a pompa e circunstância. Eu me sinto abençoado por termos feito tudo isso, e nunca nos sentimos como passados pra trás. Aqui estou eu, 20 e tantos anos depois, ainda fazendo música. Foi uma grande jornada.

Gerri: Voltando ao Love/Hate. Depois do primeiro disco, vocês se mudaram pra Nova Iorque. Vocês eram meio que os príncipes de Hollywood na época, então foi uma decisão bem importante. Por que vocês fizeram aquilo?

Pearl: Bem, não vendemos milhões de discos com o primeiro álbum, e um dos caras que era essencial pra nossas manobras era David Kahne, um produtor que já trabalhou com muita gente. Nós queríamos fazer o primeiro disco com ele, mas não tinha agenda, mas eu achei que, já que ele tinha gostado tanto da nossa banda, que deveríamos alugar um apartamento em NYC, igual ao que tínhamos em Los Angeles, e meio que ficarmos em uma sala de novo pra fazer o segundo disco. Mudar pra Nova Iorque parecia algo tão romântico, um excelente período, e vivemos como em um reality show de confinamento, uma mansão de quatro andares no Greenwich Village, onde gravamos e demos as melhores festas também. Foi uma grande experiência.

Gerri: E o que rolou no fim das contas? O que deu errado?

Pearl: Chega um ponto em que as pessoas envelhecem e a realidade começa a entrar na sua vida. Você se casa e quer prover para sua esposa, ou se você tem um filho, você tem que prover, e a música nem sempre paga as contas todo mês. É uma existência caprichosa, é banquete ou fome, um baita cachê ou nada. Como eu disse, a realidade atropela a fantasia e também a única razão pela qual você entrou nessa, então as pessoas começam a procurar outra coisa.

Pearl: Foi isso que aconteceu. Skid e Joey se casaram, e tinham que arrumar um emprego de verdade, então a banda não era mais uma prioridade. Houve discussões e drama também, mas basicamente era o amadurecimento. Nesse mundo, você não dá role com as pessoas com as quais você fez o ensino médio, e foi meio isso que aconteceu. Não que a gente não tenha feito barulho. [...]

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 05 de janeiro de 2013

Hard RockHard Rock
As bandas do gênero que ficaram para trás

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Love Hate"

Drogas e ÁlcoolDrogas e Álcool
Protagonistas nos piores shows de grandes astros

CoversCovers
Quando bandas de Heavy e Power Metal prestam tributo

RammsteinRammstein
"Se alguém rir das gordinhas, eu quebro a cara dele!"

5000 acessosDoors - Perguntas e Respostas5000 acessosSlayer: as preferências do guitarrista Kerry King5000 acessosBon Scott, o eterno Rocker...5000 acessosDee Snider: Eddie Van Halen está completamente abilolado5000 acessosGlenn Hughes: Análise vocal do cantor5000 acessosBruno Sutter: ouça em primeira mão o 1º single, "The Best Singer in the World"

Sobre Nacho Belgrande

Nacho Belgrande foi desde 2004 um dos colaboradores mais lidos do Whiplash.Net. Faleceu no dia 2 de novembro de 2016, vítima de um infarte fulminante. Era extremamente reservado e poucos o conheciam pessoalmente. Estes poucos invariavelmente comentam o quanto era uma pessoa encantadora, ao contrário da persona irascível que encarnou na Internet para irritar tantos mas divertir tantos mais. Por este motivo muitos nunca acreditarão em sua morte. Ele ficaria feliz em saber que até sua morte foi motivo de discórdia e teorias conspiratórias. Mandou bem até o final, Nacho! Valeu! :-)

Mais matérias de Nacho Belgrande no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online