[an error occurred while processing this directive]

Matérias Mais Lidas


Stamp

Thurston Moore: Quando ele conheceu William Burroughs

Por Jonathan Silva
Fonte: Kevin EG Perry
Postado em 09 de fevereiro de 2014

William Burroughs, uma das maiores lendas da literatura americana, completou na última quarta feira 100 anos de nascimento. Junto com Jack Kerouac (escritor de On The Road), Allen Ginsberg e Gregory Corso, Burroughs fez parte da geração beat, importante movimento literário americano que buscava novas formas de percepção sobre a própria existência e técnicas de expressão literária mais autenticas e genuínas, separando-se assim dos padrões estabelecidos para a época. A sua obra é reverenciada até hoje por diversos artistas, principalmente no ramo musical. Já colaborou com gente como Tom Waits, Frank Zappa, John Cage, Philip Glass, Laurie Anderson e The Doors. Patti Smith era amiga pessoal do poeta. Os Beatles o colocaram na capa de Sgt Peppers, além de colaborações com John Lennon e Paul MacCartney. Kurt Cobain chegou a gravar com ele. Burroughs chegou a aparecer em um clipe do Ministry, "Just One Fix", entre outras participações.

Sonic Youth - Mais Novidades

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 1

Thurston Moore, líder do Sonic Youth (da qual Burroughs era fã !), conta ao jornalista e escritor americano Kevin EG Perry como conheceu o poeta. As lembranças de Moore vão desde o início do CBGB até os últimos anos de vida do escritor, como detalhes de sua vida reclusa e seu envolvimento com Kurt Cobain. William Burroughs faleceu em 2 de agosto de 1997, vítima de complicações de uma parada cardíaca.

Qual foi sua primeira impressão de Burroughs?

Thurston Moore: Eu morava perto dele em Nova York. Mudei para Nova York, em 77, e ele estava morando no 'The Bunker', no Bowery, que era uma espécie de lugar mitológico onde o John Giorno, poeta, morava. Burroughs morava no andar de baixo ao dele, por debaixo da rua. Gostava de ver Burroughs andando às vezes no Bowery. Você via todos os caras andando naquela época: Allen Ginsberg morava com Peter Orlovsky na mesma rua que eu. Gostava de vê-los de mãos dadas no metrô, o que foi fascinante. Foi mais do que uma pequena cidade em Nova York naqueles dias. Todos se conheciam. Você ia ver todas as pessoas que foram celebradas na cena, como esses caras, e o povo do punk rock como Tom Verlaine , Richard Hell e Patti Smith. Todo mundo vivia especialmente na mesma área. Houve esta pequena região, e a área estava começando a chamar a atenção para si por causa do CBGB.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 2

Ele estava indo para os shows?

Thurston Moore: Quando o vi pela primeira vez, ele estava sentado na platéia no CBGB quando Patti Smith estava tocando. Foi muito interessante, porque geralmente esse clube estava repleto de garotos da minha idade, 19 ou 20 anos de idade. Lembro-me de ir ver Patti Smith lá, início ou meados de 76, 77, e ela era muito bonita, no seu auge nesse ponto. Lembro-me de o lugar ser muito lotado, e no dia o CBGB tinha mesas e cadeiras, serviam hambúrgueres e havia cães andando. Eu não acho que foi realmente criado para lidar com as multidões da capacidade que começaram a chegar lá. Eles se livraram das mesas e cadeiras, após um tempo, mas eles ainda as tinham então. Lembro-me de ser um local apertado e dele se sentando firmemente em cima de uma pequena mesa redonda de madeira e, de repente, as pessoas que trabalhavam lá vieram para o meio da sala e só começaram a gritar, puxar as pessoas para fora das cadeiras e afastando todo mundo. Eles retiraram uma certa mesa no meio da sala e colocaram algumas cadeiras em torno dela. Todo mundo estava muito chateado, enquanto isso estava acontecendo. Em seguida, eles escoltaram William Burroughs e alguns de seus amigos e os colocou muito diplomaticamente nesta mesa. Lembro-me sentado lá pensando: 'Oh meu Deus, é William Burroughs. Ele era um velho, eminência parda com um terno e um chapéu fedora. Ele sentou e olhou para nós. Ele não parecia se sentir muito culpado por ocupar todo este espaço. Em seguida, Patti apareceu de calças de couro e absolutamente arrasou o lugar. Lembro-me que foi, provavelmente, o mais fabuloso desempenho Patti Smith que já vi. Ela estava em chamas, sabendo que William Burroughs estava sentado bem no meio da sala, assistindo a este concerto.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 3

Por volta dessa época eles tiveram a Nova Convention, que foi uma das primeiras celebrações de William S Burroughs. Havia coisas que aconteceram por toda a cidade, mas não havia um concerto principal, que eu possa ter ingressos. Houve uma enxurrada de pessoas anunciadas por ele: Patti Smith, Frank Zappa, Keith Richards, Brion Gysin e todas essas pessoas literárias. Todo mundo estava lá, exceto Keith Richards que nunca apareceu. Para desgosto do público, porque eu acho que ele vendeu um lote de ingressos! Estávamos todos animados para ver o que estava acontecendo, porque havia um boato de que Keith Richards escreveu a letra de "Satisfaction" depois de ler William Burroughs. Foi um grande evento, e que foi a primeira gratificação real de William Burroughs como um ícone cultural. Isso foi uma coisa maravilhosa.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 4

Você o conheceu?

Thurston Moore: Eu não o encontrei, até que ele se afastou. Ele se mudou para Lawrence, Kansas, e o Sonic Youth estava em uma abertura de uma mini turnê para REM. REM estavam tocando em grandes arenas e Sonic Youth acabava confundindo o público presente. Isso aconteceu durante toda a turnê. Aconteceu que estávamos em Kansas e James Grauerholz, que foi seu assistente/confidente/amante era um fã do Sonic Youth. Ele também foi, possivelmente, um fã do REM, e Michael Stipe certamente circulava nos círculos literários. Ele foi um fanático por Patti Smith, assim como nós dois estávamos, embora ela tivesse desaparecido da cena naquele ponto. Ela havia se casado com Fred Smith e para todos os efeitos, ela tinha desaparecido da cultura com uma presença ainda ativa. E aí nós temos este convite de Grauerholz para o REM e Sonic Youth visitar o Burroughs. Então fomos e é aí que o conheci. Lembro-me dele sempre andando em sua pequena casa em Lawrence, Kansas, que era uma dessas casas que a Sears Roebuck (NE: famosa loja de departamentos nos EUA) tinha vendido durante os anos cinquenta no estilo "faça você mesmo a sua própria casa com promoção". Foi muito interessante. Ele foi extremamente acolhedor. Ele era idoso. Tinha revistas e livros em todos os lugares sobre facas e armas. Isso foi um pouco decepcionante. Eu não sabia o que pensar sobre isso, porque essa era a última coisa que eu estava interessado quando tentei conversar com ele: "Então você está, obviamente, muito interessado em facas e armas ?" Perguntei-lhe se ele tinha uma coleção e acho que ele disse que sim. Perguntei-lhe se ele tinha uma Beretta e ele disse: "Ah, isso é uma senhora arma de bolso. Eu gosto de armas que disparam e facas que cortam’’. Ele era muito doce. Eu me lembro de que Michael Stipe tinha um chapéu e William estava para jogá-lo. William pensou que ele estava indo para jogá-lo na cama então ele disse: "Não, não, não, não o jogue na cama". Ele realmente acreditava nessas superstições. Eu sempre me lembro do que Michael disse: "Eu nunca ia jogá-lo na cama. Essa não foi minha intenção". De qualquer forma, tivemos uma visita agradável com ele. Visitamos sua máquina de orgônio do Wilhelm Reich no quintal (NE: o termo "orgônio" significa energia ou força vital encontrado em todo ser vivo. O termo foi criado pelo Dr. Wilhelm Reich. A tal máquina de orgônio descrita por Thruston consiste numa caixa de seis lados construídos com camadas alternadas de materiais orgânicos que atraem a energia, além de materiais metálicos, que irradiam a energia para o centro da caixa. Os pacientes sentam-se dentro do acumulador e absorvem a energia orgone através de sua pele e nos pulmões). Sentei-me nele e ele estava cheio de teias de aranha.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 5

O Sonic Youth voltou de forma independente uns anos mais tarde. Foi logo depois de Kurt Cobain ter morrido. Eles haviam feito uma gravação juntos (NE: The "Priest" They Called Him, em 93) . Eu sempre me lembro de William falar comigo sobre isso. Ele tinha um olhar em seus olhos, como: "Por que alguém iria tirar a própria vida? Ele podia não ter o sentido disso. Por que você faria isso? Por que você iria perturbar sua energia e sua alma cósmica assim? Você não faz isso. Você a protege. Você tem que lutar por ela. Você pode fazer o que quiser, você pode tomar heroína toda a sua vida, você pode ser um alcoólatra ou você pode ser um canalha, mas você não erradica a si mesmo. Você não se mata propositalmente". Ele tinha um olhar em seu rosto que era muito infantil. [...] Eu disse, "Eu não sei, mas acho que algumas pessoas se oprimem por seus próprios sentimentos depressivos bio-químicos. Eles sentem que não podem deixá-los. Eles são realmente perdidos. Não é nada que possamos intelectualizar". Isso foi interessante. Nós conversamos. Minha filha estava em seu primeiro ano, eu lembro. Ela estava começando a fazer algum barulho na casa enquanto ele estava falando. Ela estava em meus braços e estava choramingando. Ele levantou a mão para o rosto dela. Eu pensei: "Uh oh! Eu preciso ficar em pé aqui", mas basicamente ele só fez um movimento com a mão e ela imediatamente acalmou-se. Era como se fosse o movimento da mão de um mago. Ele foi pai. Seu filho morreu tragicamente, enquanto ele ainda estava vivo. Acho que William lidou com um monte de horrores pessoais de intimidade, com sua esposa e seu filho, e seus próprios sentimentos pessoais e sexuais.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 6

A entrevista completa você confere no link abaixo:
http://kevinegperry.com/2014/02/05/william-s-burroughs-at-100-thurston-moore-on-seeing-him-watch-patti-smith-at-cbgb-his-response-to-kurt-cobains-suicide-and-cut-up-songwriting/

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - WHIP
Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal
Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:

Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Summer Breeze 2024

Sonic Youth oficializa a coletânea "Walls Have Ears" depois de 38 anos

Sonic Youth: Seus quinze álbuns de estúdio ranqueados, pela Spin

Sonic Youth: resenha do "The Destroyed Room" pela própria banda

Arte: confira obras de músicos famosos

Fotos de Infância: Thurston Moore, do Sonic Youth


publicidadeAdriano Lourenço Barbosa | Airton Lopes | Alexandre Faria Abelleira | Alexandre Sampaio | André Frederico | Ary César Coelho Luz Silva | Assuires Vieira da Silva Junior | Bergrock Ferreira | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Alexandre da Silva Neto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cláudia Falci | Danilo Melo | Dymm Productions and Management | Efrem Maranhao Filho | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Fabio Henrique Lopes Collet e Silva | Filipe Matzembacker | Flávio dos Santos Cardoso | Frederico Holanda | Gabriel Fenili | George Morcerf | Henrique Haag Ribacki | Jesse Alves da Silva | João Alexandre Dantas | João Orlando Arantes Santana | Jorge Alexandre Nogueira Santos | José Patrick de Souza | Juvenal G. Junior | Leonardo Felipe Amorim | Luan Lima | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Marcus Vieira | Maurício Gioachini | Mauricio Nuno Santos | Odair de Abreu Lima | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Ricardo Cunha | Richard Malheiros | Sergio Luis Anaga | Silvia Gomes de Lima | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Victor Adriel | Victor Jose Camara | Vinicius Valter de Lemos | Walter Armellei Junior | Williams Ricardo Almeida de Oliveira | Yria Freitas Tandel |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Jonathan Silva

Jonathan Silva, freak de nascença, é um aspirante medíocre a jornalista e interessado em literatura marginal e vídeo games violentos. Começou a ouvir na infância bandas do mainstream do rock nacional até o momento em que descobriu o Iron Maiden. Daí, começou uma miscelânea de estilos, que vai desde o jazz erudito até o mais barulhento das bandas de grindcore, passando por várias esquisitices sonoras. EM pleno séc. XXI, ainda é um comprador de CDs e DVDs, só que gasta com isso um valor bem menor do que gostaria.
Mais matérias de Jonathan Silva.

 
 
 
 

RECEBA NOVIDADES SOBRE
ROCK E HEAVY METAL
NO WHATSAPP
ANUNCIAR NESTE SITE COM
MAIS DE 4 MILHÕES DE
VIEWS POR MÊS