Regis Tadeu: "The Queen Is Dead" continua sublime após 30 anos

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Bruce William, Fonte: Yahoo!, Tradução
Enviar correções  |  Ver Acessos

Regis Tadeu falou sobre os trinta anos de "The Queen Is Dead", álbum lançado pelo The Smiths em 1986, e que se tornou um clássico no decorrer dos anos, confira o texto completo no link abaixo e alguns trechos mais a seguir:

https://br.noticias.yahoo.com/em-seu-30%C2%BA-anivers%C3%A1r...

Você talvez não se lembre por ser muito jovem, mas houve uma época em que a sensibilidade da alma de um ser humano era lindamente retratada em canções não menos que sublimes. Não havia nada desse chororô bunda mole que existe nos dias atuais, em que o sofrimento amoroso, por exemplo, é retratado em letras feitas para que débeis mentais entendam a mensagem sem precisar usar a massa de carne embolorada que têm no espaço entre as orelhas. Foi uma época em que a poesia era uma das ferramentas mais poderosas para fazer uma canção penetrar em nossa alma e nos cortar por dentro...

Não tem como não pensar nisto quando sabemos que um dos álbuns mais belos fez aniversário de lançamento. Embora eu não seja afeito à nostalgia, não consigo deixar de pensar em The Queen is Dead como um ícone da cultura pop incrustado na discografia de uma banda tão marcante quanto controversa para quem já tinha passado da adolescência nos anos 80.

Os Smiths conseguiam extrair o que de pior um dito "roqueiro" podia oferecer em termos de preconceito e contradição. O 'brucutu' que dizia que "Smiths é som de bichinha" era o mesmo que na década anterior chorava quando ouvia canções as canções que Elton John escrevia para seus namorados ocultos. O mesmo zé-ruela que se incomodava com a postura afeminada de Morrissey era o mesmo que sorria e chacoalhava o esqueleto toda vez que assistia a vídeos de Freddie Mercury em cima de um palco. Meus amigos mesmo não acreditavam quando eu demonstrava que ouvia com a mesma paixão e intensidade ao Show No Mercy, do Slayer, ao Atlantic Crossing, do Rod Stewart, a uma sinfonia de Beethoven e a qualquer um dos ótimos álbuns que os Smiths gravaram em sua curta carreira. Para uns, era coisa de maluco. Não para mim.


Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal


GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção NotíciasTodas as matérias sobre "Regis Tadeu"Todas as matérias sobre "Smiths"


Regis Tadeu: Kiss e a falsidade das grandes bandas (vídeo)Regis Tadeu
Kiss e a falsidade das grandes bandas (vídeo)

Regis Tadeu: Jenifer e o Retardamento Musical BrasileiroRegis Tadeu
"Jenifer" e o Retardamento Musical Brasileiro


Separados no nascimento: Dave Mustaine e Mika HakkinenSeparados no nascimento
Dave Mustaine e Mika Hakkinen

Cinema: 60 filmes pra quem ama Rock e MetalCinema
60 filmes pra quem ama Rock e Metal


Sobre Bruce William

Bruce William pensava em ser um motoqueiro rebelde mas descobriu que é um Wieder Blutbad nerd apaixonado por uma Fuchsbau. Avy jorrāelan, CatW!

Mais matérias de Bruce William no Whiplash.Net.

adGoo336