Scorpions: entrevista com Rudolf ao Scorpions Brazil

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Roberta Forster, Fonte: Scorpions Brazil
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

O lendário guitarrista Rudolf Schenker cedeu uma entrevista exclusiva ao Scorpions Brazil na última quinta-feira (20/09). Rudolf nos recebeu no hotel em que a banda está hospedada em São Paulo e numa conversa descontraída comentou sobre a turnê na América Latina, seu livro, e os planos futuros do SCORPIONS. Confira a entrevista completa abaixo.

Megadeth: os 10 bens mais preciosos de Dave MustaineMetallica: Segundo James Hetfield, Lars Ulrich tocava horrivelmente mal, mas era rico

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

SB: Estamos aqui com o Rudolf Schenker do SCORPIONS para uma entrevista com ele. Primeiramente, oi Rudolf, como vai?
RS: Tudo bem, e você?

SB: Estou bem.
RS: Que bom.

SB: Como tem sido essa turnê Sul-Americana?
RS: Tem sido interessante....talvez estejamos azarados, ou o produtor, ou o Paulo [N.do E. Paulo Baron, da Top Link] estejam azarados porque tivemos alguns problemas com o transporte do nosso equipamento, a empresa aérea não nos entregou o equipamento a tempo então tivemos que adiar o show [em Belo Horizonte] para o dia seguinte, mas tudo deu certo. Foi um pouco difícil o transporte porque o nosso equipamento é muito grande. E no Paraguai, estávamos esperando 16,000 pessoas. Nós passamos três dias lá, com um clima quente e ensolarado. No momento em que chegamos ao local do show, estava chovendo demais. Era tanto chuva que ouvi dizer que pessoas chegaram a morrer, não no local do show, mas na região, então não podíamos tocar. A banda de apoio chegou a tocar duas músicas mas tiveram que parar porque a situação estava muito perigosa. Espero que tudo corra bem hoje. Nós adoramos tocar na América Latina principalmente no Brasil.

SB: Vocês já tocaram em Belo Horizonte.
RS: Sim

SB: Nós vimos alguns vídeos daquele show e o público foi incrível!
RS: Podemos dizer que é o público mais incrível do mundo!

SB: É difícil encontrar públicos assim julgando pelos vídeos do Youtube.
RS: É incrível, de verdade. Eles curtiram tanto, estou feliz que tocamos lá de novo. O Paulo que nos convenceu, ele disse que a demanda era tão forte que tínhamos que voltar. Dissemos que tudo bem, ainda estamos em boa forma, vamos lá!

SB: Amanhã haverá alguns itens de merchandising oficial da banda à venda no show, você trouxe alguns exemplares do seu livro, Rock Your Life?
RS: Eu não sei se o livro estará à venda ou não. Tivemos a ideia de vender o livro aqui pois ele já foi lançado em Portugal há três ou quatro anos. O que eu sei é que o responsável pela loja de Portugal não conseguiu entregar os livros ainda. Eu não sei ainda hoje ou amanhã de manhã os livros cheguem. A ideia veio de uma conversa com o Paulo Baron, no apartamento dele em South Beach, Miami. Eu estava andando pela Lincoln Street e o Paulo estava lá. Falamos sobre a guitarra que o [Romero] Britto pintou para mim. O problema é que foi tudo em cima da hora. A empresa é grande e demora muito tempo para preparar tudo.

SB: Existe a chance de o livro ser lançado em Português do Brasil?
RS: Sim, porque eu estou esperando até que o contrato com os outros países termine, porque existem cláusulas que dizem que após cinco anos eu terei os direitos de volta. Então esperarei esse tempo terminar e falarei com o Lars Amend, o cara que c-escreveu o livro comigo, e faremos um novo trabalho sobre a experiência Rock Your Life, e será uma grande oportunidade. O Paulo Coelho disse que se eu precisar de ajuda ele fará com que esse livro chegue às pessoas certas.

SB: Que boa notícia. Pois os fãs sempre perguntam onde podem encontrar o livro...
RS: Acho que o Brasil será de grande ajuda, tem tanta coisa acontecendo aqui agora, o Brasil é a sexta maior economia no mundo e isso significa que para muitos jovens eles terão a oportunidade de fazer algo sobre isso, e não deixar essa oportunidade escapar. Acho que Rock Your ife é o livro que dá às pessoas a oportunidade de usar as regras da natureza. Essa é a ideia.

SB: Eu tenho o livro.
RS: Em Português?

SB: Um amigo de Portugal comprou pra mim e você autografou, não sei se você lembra.
RS: Haviam tantas pessoas lá, até uma emissora de TV brasileira, que na verdade eu não me lembro.

SB: Mas eu tenho o livro, assinado "Para Roberta, de Rudolf", obrigada! E por falar em livros, o livro de Herman Rarebell foi lançado no Brasil recentemente e eu o li há cerca de uma semana. É um livro bem engraçado, ele tem um ótimo senso de humor e ele conta algumas coisas sobre a saída dele da banda e que isso não afetou a relação de vocês. O que você acha desse livrou, você chegou a ler?
RS: Você leu o livro do Herman mas não leu o meu? ? Que feio! (Risos)

SB: (risos) Mas o livro é tão curto! O seu não é!
RS: Ahh entendi... Tem muitas histórias interessantes no livro.

SB: Eu lerei o seu livro em breve.
RS: Você vai sair do show, ler imediatamente e amanhã você volta e me diz o que achou. Muitos me falaram que quando leram o livro, não o acharam tão interessante, mas conforme continuaram lendo gostaram muito. O livro é muito bem escrito, Lars Amend fez um ótimo trabalho.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

SB: Eu li o livro porque eu entrei em contato com o Herman e o pedi para fazer uma entrevista e ele concordou, por isso tive que ler o livro.
RS: O Herman é legal, ele é um grande cara, sem dúvidas. Ele tinha outros planos quando deixou a banda. Foi ele que indicou James Kottak como novo baterista do SCORPIONS, e se tem alguém que pode preencher a vaga de baterista do SCORPIONS, é o James Kottak! Foi uma mudança pacífica.

SB: Vocês falaram sobre gravar um DVD no México.
RS: Nós temos muitas ideias. Nós temos o DVD em 3D Get Your Sting and Blackout que é o melhor que você pode achar no momento. Agora queremos ir além, agora existe a câmera 180 graus e quando você assiste ao show, você vê tudo, como se estivesse lá. E é em 3D, seria incrível. O plano é fazer um DVD 3D em um lugar maravilhoso, como as pirâmides no México.

SB: Sobre a turnê Brasileira, são apenas 3 shows, um em Belo Horizonte e dois em São Paulo. Muitos fãs ficaram chateados pois não podem viajar para ir aos shows e vê-los pela última vez.
RS: Eu sei, mas é por isso que queremos fazer um DVD em 3D, pois poderão nos ver em lugar especial e você terá a sensação de estar em um show. Estamos tentando presentear os fãs, não queremos dizer adeus, nós ainda seremos uma banda, temos projetos em mente e alguns shows aqui e ali serão possíveis.

SB: Eu falei com a Flávia Mendonça recentemente, ela se apresentou com vocês no show em Mônaco, fazendo backing vocals.
RS: Ah, foi fantástico ver ela e as outras meninas de novo, nos divertimos muito.

SB: De onde veio a ideia de convidá-la novamente para um show?
RS: Essas pessoas são tão legais e ótimas cantoras, simplesmente achamos que seria uma boa idéia.

SB: Sobre o último álbum, Comeblack, lançado em 2011, vocês fizeram alguns covers. O álbum inteiro é muito legal mas adorei Tainted Love. Ficou muito melhor que a original.
RS: Essa foi uma ideia minha. Eu sempre gostei muito desta música e achei que uma versão rock dessa música ficaria muito bom. Nós resolvemos tentar e ficou demais.

SB: Eu adoraria escutar essa música ao vivo mas acho que vocês não irão tocar essa.
RS: Nós tocamos essa música uma ou duas vezes ao vivo.

SB: Seria uma boa surpresa se vocês pudessem tocar ela aqui. Com relação ao setlist, será o mesmo?
RS: Sim, porque você muda demais o set list, o público fica confuso. Nós fizemos algumas mudanças desde a última vez que tocamos aqui.

SB: Bom, esperamos que vocês tenham um ótimo show aqui hoje e amanhã. Obrigado pela entrevista e nos vemos em breve!
RS: Obrigado, até mais.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Scorpions"


Scorpions: o que tornou Wind of Change tão especialScorpions
O que tornou "Wind of Change" tão especial

Scorpions: a morte de Lemmy desencadeou a ida de Mikkey Dee para a bandaScorpions
A morte de Lemmy desencadeou a ida de Mikkey Dee para a banda


Megadeth: os 10 bens mais preciosos de Dave MustaineMegadeth
Os 10 bens mais preciosos de Dave Mustaine

Metallica: Segundo James Hetfield, Lars Ulrich tocava horrivelmente mal, mas era ricoMetallica
Segundo James Hetfield, Lars Ulrich tocava horrivelmente mal, mas era rico


Sobre Roberta Forster

Sou paulista, apaixonada por rock'n'roll, fotografia e literatura, nascida nos maravilhosos anos 80, funcionária pública, graduada em Artes Visuais pela Universidade Belas Artes de São Paulo. Especializei-me em fotografia pela Escola Focus em 2008 e, atualmente, estudo Letras na Universidade de São Paulo - USP e atuo como fotógrafa de Rock e Heavy Metal para o Whiplash! quando Chronos permite. Prazer!

Mais matérias de Roberta Forster no Whiplash.Net.

Cli336x280 CliIL Cli336x280 CliInline