My Dying Bride: entrevista rara com o grupo datada de 1990

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Emanuel Seagal, Fonte: My Dying Bride Brazilian FC, Tradução
Enviar correções  |  Ver Acessos

A tradução da entrevista abaixo foi cedida pela equipe do finado fã-clube brasileiro do MY DYING BRIDE, o "My Dying Bride Brazilian FC". A matéria foi feita pelo Ultimatum God Zine, em junho de 1991 (a banda foi formada em 1990), após a assinatura do contrato com a Peaceville Records, enquanto o grupo tinha apenas uma demo lançada. No bate-papo o vocalista Aaron fala sobre as atividades do MY DYING BRIDE na época, seu relacionamento com Quorthon (BATHORY) e outros temas, confira.

Guitarras: as 15 músicas mais complicadas para tocarReligião: os rockstars que se converteram

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Ultimatum God Zine: Nos conte sobre sua demo "Towards the Sinister"?

Aaron Stainthorpe: "'Towards The Sinister' são 25 minutos de escuridão, sofrimento mórbido, dolorosa solidão e completa, completo mágoa. A primeira música, 'Symphonaire Infernus Et Spera Empyrium' tem 8:40 minutos e é em geral sobre céu e inferno, 'Vast Choirs' é similar mas não tão longa, ambas as primeiras duas músicas são um tanto lentas mas as duas seguintes são realmente brutais, 'Grief of Age' é sobre morrer longe das pessoas que você ama, e 'Catching Feathers' é uma verídica brutal história sobre um maníaco que esmagou a cabeça de uma garota de 5 anos e então a estuprou enquanto ela ainda estava viva, e finalmente, cortou a cabeça fora, um verdadeiro bastardo doentio".

Ultimatum God Zine: Qual o próximo passo da banda?

Aaron Stainthorpe: "Bem, agora que assinamos com a Peaceville nós iremos fazer um single 12" ('Symphonaire...) que deverá ser lançado na Europa no Natal. É tudo bastante excitante para nós agora".

Ultimatum God Zine: Fale sobre seus shows?

Aaron Stainthorpe: "Eles não são muito diferentes dos shows de ninguém realmente, nós apenas tocamos o melhor que podemos e esperamos que as pessoas gostem, nós gostamos disso então está ok".

Ultimatum God Zine: Como é sua cena local?

Aaron Stainthorpe: "Muito boa, existem várias bandas de death/grind/noise aparecendo na Inglaterra agora e muita coisa boa".

Ultimatum God Zine: Qual sua opinião sobre bandas clássicas como Venom, Bathory?

Aaron Stainthorpe: "Eu amo Bathory. Venom é ok. Mas Bathory é melhor, eu costumava escrever para o Quorthon o tempo todo, mas ele parou de responder por volta do 'Hammerheart' e eu não tenho tempo para escrever de novo ainda. Ele é uma pessoa muito legal e um grande músico. Bathory rules". (Nota: não esquecendo que esta entrevista é de 1990).

Ultimatum God Zine: Quem é seu Deus?

Aaron Stainthorpe: "Boa pergunta Paulo, e uma que eu não posso responder. Deus é uma história, Satan é um mito, até eu morrer eu não irei dizer quem é meu Deus e talvez seja tarde demais... talvez até para mim".

Ultimatum God Zine: Últimos comentários... obrigado Aaron

Aaron Stainthorpe: "Obrigado por tudo Paulo, boa sorte com o 'Ultimatum God' e obrigado a todos que nos ajudaram, Dave, Peardrop, Peaceville, Beherit, Rigor Mortis Zine... bem, vocês sabem quem são. Saudações, aproveite a escuridão... NÓS O FAZEMOS!"




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "My Dying Bride"


Doom Metal: os dez trabalhos essenciais do estiloDoom Metal
Os dez trabalhos essenciais do estilo

Loudwire: as dez melhores bandas de Doom Metal da históriaLoudwire
As dez melhores bandas de Doom Metal da história


Guitarras: as 15 músicas mais complicadas para tocarGuitarras
As 15 músicas mais complicadas para tocar

Religião: os rockstars que se converteramReligião
Os rockstars que se converteram


Sobre Emanuel Seagal

Descobriu o metal com clássicos como Iron Maiden e Black Sabbath. Hoje em dia, entre outros gêneros musicais, e sem se limitar a rótulos, ouve principalmente doom, viking e folk metal. Sempre que possível está em busca de novas bandas que tenham algo a transmitir alem de clichês, e mesmo em meio a tantas novidades não dispensa pérolas como o bom e velho Candlemass. Acompanha o Whiplash! desde os primórdios, tendo iniciado sua vida de internauta no mesmo ano de criação do site (1996). Há algum tempo está envolvido com metal, seja trabalhando com eventos, bandas, gravadoras ou imprensa, na tentativa de contribuir de alguma forma para o crescimento desse que é um dos segmentos mais apaixonantes da música, o metal.

Mais informações sobre Emanuel Seagal

Mais matérias de Emanuel Seagal no Whiplash.Net.

Cli336x280