Twisted Sister: "Still Hungry", exercícios e material novo

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por César Enéas Guerreiro, Fonte: BackstageAxxess.com, Tradução
Enviar correções  |  Ver Acessos

David "Gus" Griesinger, do site BackstageAxxess.com, entrevistou recentemente o frontman do TWISTED SISTER, Dee Snider. Alguns trechos desse papo:

Há 34 anos: Twisted Sister lançava o álbum Come Out And PlayFotos de Infância: Bruce Dickinson, do Iron Maiden

BackstageAxxess.com: O que você pode nos dizer sobre o relançamento do CD "Stay Hungry", do TWISTED SISTER?

Dee: Engraçado, porque acabei de falar com um cara do Uruguai pelo telefone e finalmente pude me expressar corretamente. Espere, você está falando do "Still Hungry" ou do "Stay Hungry"?

BackstageAxxess.com: Na verdade, eu ia perguntar se você regravou "Stay Hungry" porque não ficou satisfeito com "Still Hungry"

Dee: "Still Hungry" foi para nós o que "Some Kind of Monster" foi pro METALLICA. Percebemos que algumas coisas estavam se desenrolando durante a gravação do "Stay Hungry" e que continuaram a se desenrolar até que nos separamos alguns anos depois. Se você pensar bem, quando começaram os problemas da banda? Foi uma desavença durante as gravações de "Stay Hungry". Eu disse: "Devemos voltar pro estúdio e regravá-lo do jeito que imaginamos". Assim como o METALLICA procurou terapeutas para resolver seus problemas. E eles acabaram filmando tudo e lançando em DVD. Nossa gravadora disse "Se vocês forem fazer isso, nós pagamos e lançamos!". Basicamente, "Still Hungry" foi nossa terapia. Depois que tudo aconteceu, as diferenças foram tão pequenas e elas eram o que queríamos no processo de gravação e os arranjos que teriam mudado o destino do álbum. Nós teríamos sido uma banda muito mais feliz e teríamos uma vida mais longa. Ao invés disso, a gravadora e os produtores suavizaram os elementos mais metálicos da banda, mas a diferença não é tão grande assim. Então agora, no 25º aniversário de "Stay Hungry", já houve tanta coisa que outras bandas fizeram para comemorar acontecimentos. Este é um aniversário de 25 anos, é um marco significativo, o nosso álbum que mais vendeu (5 milhões no mundo) e a gravadora queria fazer um lançamento especial. Bem, nós não estamos reinventando a roda aqui, então eles queriam saber que material a gente tinha. O que é interessante é que quando compunha músicas pros álbuns, eu sempre compunha faixas a mais. Nesse caso, fizemos demos para quase 25 músicas. Aí a banda se reunia e escolhia as 10 melhores. Então, quando estávamos ouvindo as fitas que tínhamos, eu chamei J.J. [French] e disse "Po**a, cara, tem coisa boa pra car*lho que a gente não pôs naquele álbum!". Poderíamos ter feito uma seqüência chamada "Stay Hungry II", ou um álbum duplo, ou coisas desse tipo. Isso é um grande achado para o ouvinte ou o fã verdadeiro. Então colocamos todas essas coisas estranhas, faixas extras e todo aquele material lá. E a música que escrevi quando participei do "Gone Country" da CMT [N.: Country Music Television] era chamada "30", minha música country. Duas coisas a serem comentadas: a primeira é que eu realmente componho boa música country (risos) e a segunda é que country music e rock and roll têm a mesma origem. Rock and roll é um descendente do country e do blues antigo. Então, basicamente, é uma música de rock and roll e quando a banda a ouviu (liricamente, a música era sobre mim e o TWISTED SISTER), a reação deles foi: "Po**a cara, vamos gravar essa! É como se fosse a "Rock and Roll" do LED ZEPPELIN. Então nós a gravamos para esse lançamento.

BackstageAxxess.com: Haverá uma turnê completa de divulgação desse lançamento ou shows esporádicos aqui e ali - que é o que você basicamente tem feito nos últimos anos?

Dee: Haverá shows esporádicos. As pessoas têm comentado sobre uma turnê completa do TWISTED, com todos os membros, mas eu ando muito ocupado. Para mim, por mais que eu ame e tenha orgulho de meu passado e adore fazer shows com os caras, é como voltar pro futuro. Eu não quero estar de volta pro futuro. Estou trabalhando duro para criar oportunidades no rádio, no cinema, na televisão e em outros veículos. Voltar 25 anos e tocar o som antigo numa turnê em tempo integral basicamente acaba com qualquer projeto em que você esteja trabalhando. Digo mais uma vez que eu adoro isso, tenho orgulho, me divirto e coisa e tal... O show Monster Circus vive disso. Mas, ao mesmo tempo, preciso fazer coisas que já estão em andamento de uma forma ou de outra. Mesmo esse sendo um show tipo tributo aos anos 80 em Las Vegas, ele ainda tem um futuro, no sentido em que há um elemento novo, que olha pro futuro e que, espero, se tornará um residente permanente do Las Vegas Hilton.

BackstageAxxess.com: Todos os que viram um show do TWISTED SISTER nos últimos dois anos viu você usando toda aquela roupa e maquiagem do "Stay Hungry". Eu li em outra entrevista que a roupa e a maquiagem do "Stay Hungry" será aposentada depois da turnê de aniversário ou dos shows esporádicos. É isso mesmo?

Dee: Espero que sim! Não me entenda mal, eu adoro colocar essas coisas. Eu li na revista Metal Edge, quando eles fizeram uma pergunta a vários astros do rock e eles responderam e participaram de uma enquete. A pergunta era esta: "Quando vê fotos antigas suas, o que você acha?" E todo mundo se desculpava, ou tentava embaraçar outra pessoa, dizendo que não era a idéia dela, o produtor mandou, todo mundo fazia aquilo, etc., e aí aparece o Dee Snider: "Eu acho que eu ficava legal".

BackstageAxxess.com: (Risos)

Dee: Nós estávamos fazendo aquilo no começo dos anos 70, quando ninguém mais fazia. Eu me juntei ao TWISTED SISTER em 1976 e aquela merda estava praticamente morta, mas mesmo assim dizemos: fod*-se, a gente adora essa merda! Então quando digo que espero que isso acabe, tudo precisa ter um final satisfatório. Já passei dos 50, estou em boa forma para usar essas roupas super justas e esfarrapadas e ainda dou conta do recado! Mas em algum ponto alguma coisa vai parar de funcionar (risos)!

BackstageAxxess.com: Obviamente, você ainda entra nas roupas, então que tipo de rotina de exercícios você segue?

Dee: Não é o que você faz que importa e sim a constância com que você faz! Eu tenho treinado com freqüência há décadas. Você não precisa fazer muito, apenas precisa se dedicar e isso se aplica também à alimentação. Eu não sou aquele tipo de cara que fala 'Eu não como nada', mas digo que você precisa evitar frituras ou coisas gordurosas como macarrão com molho de queijo. O problema é o efeito cumulativo durante anos. Portanto, se você estiver buscando o milagre de estar em forma aos 50, não precisa ir à academia quatro horas por dia, cinco vezes por semana. Bastam 30 a 45 minutos por dia, quatro vezes por semana... E SEMPRE! Você já viu meu desempenho e... eu arraso! (risos). Nem eu consigo acreditar! No final das contas, eu sempre adotei um certo estilo de vida e rotina de exercícios. Nada com fanatismo, apenas sempre consistente!

BackstageAxxess.com: Você ficou surpreso com o grande sucesso de seu CD de Natal "A Twisted Christmas"?

Dee: Sim e não. Bem, o TWISTED sempre tenta me convencer a gravar um novo álbum.

BackstageAxxess.com: Essa era a minha próxima pergunta. Então você pode amarrar a anterior com essa próxima.

Dee: É, eu sempre acabo fazendo isso (risos). Os caras sempre perguntam: 'O que você acha de gravar um novo álbum?' E eu digo 'Mas... por quê? Você grava um novo álbum como o 'Psycho Circus' do KISS e nada disso vende. As pessoas não querem ouvir coisas novas.. As rádios não vão tocar, a MTV não vai tocar e a VH1 não vai tocar. Você faz por vontade própria. Honestamente, após gravar álbuns que fizeram tanto sucesso, fiquei mal-acostumado. Eu quero ouvir no rádio e na TV e ver toda aquela reação à minha música. A multidão sorri na velocidade do som e grita 'Yeah!' Eu não componho porque sou um músico ou tenho algo a dizer. Se eu tenho algo a dizer, eu digo no palco. Não preciso mais da música pra dizer algo. Na verdade, eu avisei a eles há uns dois anos, sem problemas. Não há reunião. O KISS não sabe a definição de reunião. Dee, isso significa que você precisa reunir os caras e nunca deixar a banda e, aos poucos, trocar os membros por outros (risos)! Se é uma reunião, você volta por uns dois anos e depois diz adeus! Então eu avisei eles. J.J. disse: 'O que você acha de gravar um álbum natalino?' E eu disse pra ele: 'Sim!" Eu lembro disso claramente. Eu apontei pra ele e disse 'Sim!' Ele disse: 'Sim?' Ele ficou surpreso porque eu sempre dizia não. Eu disse que aquilo podia ficar bom pra car*alho! É uma novidade que pode funcionar. Você não está tocando música original e sim sucessos. Basicamente, você toca covers. Além disso, por volta de 1984 ou 1985, eu me lembro que queria gravar um álbum de músicas de Natal. Num certo Natal eu estava na casa de alguém e eles estavam tocando um disco europeu de Natal em estilo 'disco'. E eu pensei: "Que po**a é essa?" Cadê o disco natalino Heavy Metal? Havia todo tipo de disco natalino, mas nenhum de metal. Comecei a pensar no assunto e comentei que poderia gravar a 'White Christmas' e também comecei a pensar em todas as bandas que eu iria contatar. AC/DC vai gravar esta, JUDAS PRIEST vai gravar esta outra, então quando voltar vou encontrar esse pessoal e reunir todo mundo para gravar músicas natalinas. É como aquela goteira que aparece e depois, quando pára de chover, você pensa em consertar mas aí acha que está muito ocupado. De qualquer forma, eu esqueci. Todo mundo pensou que eu estava pirado. Esse vai ser último prego no caixão da sua carreira. Vai acabar com a sua carreira. Eu olhei pra eles e disse: 'Que po**a de carreira?" (risos) Somos uma banda dos anos 80, faz um século que não lançamos nada novo, é mais provável que as pessoas ouçam nossa música num comercial do que no rádio, não fazemos turnês, então o que temos a perder? Não há nada mais perigoso do que alguém que não tem nada a perder. Então fomos em frente e gravamos o álbum e você sabe... foi nosso álbum que mais vendeu desde os anos 80. Agora, inspirado pelo sucesso, eu compus um musical completo baseado no álbum de Natal. A banda permaneceu unida então, ao invés de só pensarmos em miséria, J.J. falou: 'O álbum é um sucesso, o que você vai fazer?' Bem, eu não posso pular do barco agora! Então eu fiquei. Eu escrevi esse musical baseado nele. Estamos trabalhando em músicas novas do TWISTED SISTER pela primeira vez em 20 anos. Na maior parte, o musical precisa de músicas adicionais. É uma ficção e a música do show é o velho material do TWISTED, o material do 'Twisted Christmas' e músicas adicionais, entre 8 e 10. Estamos no processo de composição pela primeira vez em anos e anos. Então você vai ouvir música nova do TWISTED SISTER por volta de 2010.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Twisted Sister"


Há 34 anos: Twisted Sister lançava o álbum Come Out And PlayEm 19/10/2004: Twisted Sister lança o álbum Still Hungry

Dee Snider: vocalista anuncia pausa nos shows e não sabe quando (ou se) voltaDee Snider
Vocalista anuncia pausa nos shows e não sabe quando (ou se) volta

Twisted Sister: Dee Snider chama Vince Neil de assassinoTwisted Sister
Dee Snider chama Vince Neil de assassino

Rock e Metal: Algumas das melhores duplas de guitarristasRock e Metal
Algumas das melhores duplas de guitarristas

Blend Guitar: os dez solos de guitarra mais fáceis da históriaBlend Guitar
Os dez solos de guitarra mais fáceis da história


Fotos de Infância: Bruce Dickinson, do Iron MaidenFotos de Infância
Bruce Dickinson, do Iron Maiden

Fotos de Infância: Ozzy OsbourneFotos de Infância
Ozzy Osbourne

Led Zeppelin: sexo explícito na entrega de discos de ouro em 1973Led Zeppelin
Sexo explícito na entrega de discos de ouro em 1973

Nirvana: a história por trás da música Smells Like Teen SpiritNirvana
A história por trás da música "Smells Like Teen Spirit"

Iron Maiden: Steve Harris pensou em acabar com a banda em 1993Iron Maiden
Steve Harris pensou em acabar com a banda em 1993

Deus ouve Slayer: fotógrafa mostra base de fãs da banda em livroDeus ouve Slayer
Fotógrafa mostra base de fãs da banda em livro

Kurt Cobain: Frances revela o que o faria chorar se ele estivesse vivoKurt Cobain
Frances revela o que o faria chorar se ele estivesse vivo


Sobre César Enéas Guerreiro

Nascido em 1970, formado em Letras pela USP e tradutor. Começou a gostar de metal em 1983, quando o KISS veio pela primeira vez ao Brasil. Depois vieram Iron, Scorpions, Twisted Sister... Sua paixão é a música extrema, principalmente a do Slayer e do inesquecível Death. Se encheu de orgulho quando ouviu o filho cantarolar "Smoke on the water, fire in the sky...".

Mais informações sobre César Enéas Guerreiro

Mais matérias de César Enéas Guerreiro no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336