RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemA atitude ousada da Legião Urbana ao peitar Globo e Faustão no meio de uma grande crise

imagemO Raul Seixas não era nada daquilo que ele falava, diz ex-parceiro musical

imagemA razão que levou Humberto Gessinger a decidir não usar mais nome "Engenheiros do Hawaii"

imagemPor que Gisele Bündchen e Ivete Sangalo deturparam "Imagine", segundo André Barcinski

imagemDiva Satânica explica qual foi a razão que a fez deixar a banda Nervosa

imagemO último show de Bon Scott com o AC/DC, três semanas antes de sua morte

imagemA hilária reação de Keith Richards ao encontrar músicos do Maneskin

imagemDavid Coverdale relembra parceria com Jimmy Page, e fala sobre relançamento

imagemAs duas razões que levaram RPM a passar por segunda separação em 2003

imagemEm entrevista, Tony Iommi contou como aprendeu a tocar guitarra

imagemAlém do Moonspell, São Paulo Metal Fest anuncia Beyond Creation em seu cast

imagemAngra parabeniza a aniversariante Sandy nas redes sociais

imagemJimmy Page sobre o "Presence": "Não se faz músicas como aquelas caindo de bêbado"

imagemGuitarrista do Offspring continuou em seu emprego normal mesmo depois da fama

imagemPrika explica por que nova vocalista da Nervosa não é brasileira e promete single em março


Summer Breeze

Body Count: causou barulho ao misturar Rap com Thrash Metal

Resenha - Body Count - Body Count

Por Rodrigo Noé de Souza
Postado em 22 de novembro de 2012

Nota: 10

No final dos anos 80 e começo dos anos 90, o Rap tomou conta da música em geral. Seja nas rádios, nas vendagens, na moda ou nos noticiários. Porém, o que ninguém imaginava é que o Rap também fazia par com o Rock. Run DMC se juntou com o Aerosmith para regravar Walk This Way, retomando a carreira da banda, que andava meio apagada. Depois, o Public Enemy gravou Bring The Noise com o Anthrax, que não fez feio com o EP I'm The Man (1987).

Todos esses registros foram fundamentais para o surgimento do Rap Metal (muito antes do New Metal). E a primeira banda a dar cabo foi o Body Count. Formado pelo rapper Ice T (Tracy Marrow), a banda causou barulho ao misturar os riffs de Thrash Metal com as frases de efeito do hip hop. Conhecido por ser um dos primeiros gangsta rap da época, Ice T fez barulho ao gravar a música Cop Killer, em que critica o sistema policial, além do abuso da violência.

Com essa música, o governo ordenou que as primeiras cópias de Body Count fossem recolhidas, além do protesto dos policiais americanos. Com isso, a alta exposição fez com que o BC fosse conhecido também no Brasil.

Com o auxílio de seu parceiro Ernie C. (guitarra), o disco auto-intitulado possui 17 marretadas (sem o citado Cop Killer), com algumas introduções como Smoken Pork, no qual Ice T dialoga com seu inimigo e dá um tiro. Esse é o começo para Body Count's In The House explodindo os autofalantes. Essa música fez parte da trilha sonora do filme Soldado Universal.

O disco possui três faixas com o nome da banda – Body Count (com solos de bateria e guitarra) e Body Count Anthem (boa para pogar). Vooodoo, KKK Bitch, Bowels in the Devil e Evil Dick (com vozes de transa) são destaques, sem falar dos riffs maravilhosos de There Goes the Neighborhood. Ernie C. bota a mão em C Note e The Winner Loses. Body Count fecha com Freedom of Speech, com a participação do Jello Biafra (Dead Kennedys) e sampler de Foxy Lady (Jimi Hendrix).

Até hoje, Ice T pode ser visto na série Law & Order SVU. Mas, até hoje ele continua com sua carreira musical.

Formação:

Ice T – vocal
Ernie C. – guitarra
D-Roc the Executioner – guitarra
Mooseman – Baixo
Beatmaster V – bateria

Tracklist:

1-Smojekn Pork
2-Body Count's in The House
3-Now Sports
4-Body Count
5-A Statistic
6-Bowels In The Devil
7-the Real Problem
8-KKK Bitch
9-C Note
10-vooodoo
11-The Winner Loses
12-There Goes the Neighborhood
13-Oprah
14-Evil Dick
15-Body Count Anthem
16-Momma's Gotta Die Tonight
17-Ice T/Freedom of Speech

Confiram os vídeos abaixo - Body Count's In the House:

There Goes The Neighborhood:

The Winner Loses:

A faixa Cop Killer, que não consta no disco:

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:
Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Stamp

Rock And Roll Hall Of Fame: 10 bandas elegíveis para 2018

Nu-Metal: 10 trabalhos que definem as raízes do gênero


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Rodrigo Noé de Souza

Nasci em 1984. Esse ano não é só o início de uma nova democracia, mas também é o ano em que vários discos foram lançados, como Powerslave (IRON MAIDEN), Stay Hungry (TWISTED SISTER), W.A.S.P., Don't Break The Oath (Mercyful Fate), Slide It In (WHITESNAKE), 1984 (VAN HALEN), The Last In Line (DIO) e, o meu favorito de todos, Ride the Lightning (METALLICA). Sou um aficcionado por Metal, desde AC/DC e ZZ Top, até Anaal Nathrakh e Krisiun.
Mais matérias de Rodrigo Noé de Souza.