Resenha - Karmacode - Lacuna Coil

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Seelig
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

Nota: 5

Após uma espera de quatro anos, o Lacuna Coil finalmente lança o sucessor de "Comalies", de 2002. A demora entre um disco e outro foi bem aproveitada pela banda, que excursionou por todo o mundo no período, focando seus esforços principalmente no mercado norte-americano, aproveitando a atenção dada pela mídia ao Evanescence, e que abriu muitas portas para bandas com vocais femininos. Todo este empenho gerou frutos, como o crescimento do Lacuna Coil na terra do Tio Sam (onde os seus primeiros discos foram relançados) e o convite para participar do Ozzfest, a maior vitrine da música pesada nos Estados Unidos.

50 a menos: Cientistas descobrem que o Número da Besta é 616Inspiração: 30 canções (não somente rock) para mantê-lo motivado

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal


Este foco demasiado na América do Norte, como não poderia deixar de ser, influenciou a banda. O som apresentado nas doze faixas de "Karmacode" é diferente do que o Lacuna Coil vinha fazendo nos seus três discos anteriores. O apelo pop cresceu, as guitarras estão carregadas de influências do chamado new metal (afinações em tons mais baixos, riffs mais minimalistas), o baixo está totalmente na cara, enfim, há uma infinidade de novas características no som do grupo italiano, e que não estavam presentes nos lançamentos anteriores.

Se no passado o Lacuna Coil brilhava não apenas na cena gothic, mas em todo o cenário da música pesada, pelas características únicas de seu som, infelizmente em "Karmacode" o grupo saiu dos trilhos, e o que se ouve no álbum mais parece um produto manufaturado em série com o objetivo de conquistar os corações adolescentes que eudeusam nomes como o já citado Evanescence, Good Charlotte, Linkin Park, Simple Plan e afins, do que reafirmar a posição da banda entre o público que lhe deu visibilidade em todo o mundo, que é o público fã de heavy metal.

A mudança de foco, de direcionamento, ou, se preferirem, de público-alvo, a curto e médio prazos será benéfica para a banda, que venderá muito mais discos ("Comalies", o álbum anterior, foi o mais vendido da história da gravadora Century Media, com mais de quinhentas mil cópias em todo o mundo. "Karmacode" vai, com absoluta certeza, superar estes números, e com folga); ganhará uma exposição muito maior na grande mídia, rompendo os limites dos veículos especializados; lucrará com a imagem da vocalista Cristina Scabbia, que não surpreenderá ninguém se, em menos de um ano, estiver fazendo ensaios de moda em revistas como Vogue; enfim, entrará muito mais dinheiro na carteira de cada um dos seis integrantes na mesma proporção em que as tão famosas "divergências musicais" surgirão pelo caminho.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Mas e a música, como fica? Ainda que esta minha visão pareça radical demais à primeira vista, a escolha por um público que se guia muito mais por características casuais, ouvindo apenas o que está na moda, em detrimento aos fãs que estiveram ao lado da banda desde o início, é arriscada demais. Já vimos isso acontecer inúmeras vezes, e o maior exemplo disso é o Metallica, que apesar de ter vendido milhões de cópias mundo afora até hoje luta para ter de volta o respeito que perdeu junto aos fãs, tentando recuperar o valor artístico de seus primeiros discos. O Lacuna Coil seguiu os passos lógicos do mercado, preferindo uma trajetória que tem tudo para ser mais efêmera, em detrimento à construção de uma carreira sólida, disco após disco, junto aos fãs.

Tudo em "Karmacode" soa pasteurizado demais. "Our Truth", primeiro single, presente também na trilha do filme "Underworld: Evolution", parece sobra do disco de estréia do Evanescence. Outras canções, como "Fragile", vêm carregadas de uma suposta "atitude" que só convence mesmo um adolescente mal informado. A cover de "Enjoy The Silence", do Depeche Mode, é risível. Bons momentos? A balada "Without Fear", cantada em italiano por Scabbia, até passa, mas no geral o trabalho apresentado pelo Lacuna Coil em "Karmacode" beira o rasteiro.

Infelizmente, o disco é ruim. Muito ruim. Confesso que o escutei várias vezes com atenção, tentando identificar qualidades que poderiam estar ocultas e passariam desapercebidas, mas todo este esforço se mostrou inútil. Repetitivo, sem tesão, preso à uma fórmula confeccionada nos mínimos detalhes para conquistar e crescer no mercado americano: esta é a conclusão que eu chego a respeito deste quarto álbum do Lacuna Coil.

Podem ter certeza que escrevo isso com pesar, porque o grupo, que sempre buscou originalidade e novos caminhos, em "Karmacode" não existe mais, dando lugar a mais uma banda pasteurizada, produzida em série para escrever a trilha sonora do verão de milhões de adolescentes mundo afora, e que daqui há um ano nem será mais lembrada por estes mesmos jovens que irão colocar a banda no topo em todo o mundo.

Pode escrever: 2007 será o ano do Lacuna Coil. A banda estará em evidência como nunca, "Karmacode" venderá feito água. Mas, infelizmente, os caras terão que lutar muito para ter de volta aquele que é, talvez, o fator mais importante de uma carreira: a credibilidade.

P.S.: se tudo correr bem, a crítica ao próximo lançamento do grupo não será publicada aqui no Whiplash!, mas sim nas páginas da Capricho.

Faixas:
1. Fragile
2. To The Edge
3. Within Me
4. Devoted
5. You Create
6. What I See
7. Closer
8. In Visible Light
9. The Game
10. Our Truth
11. Without Fear
12. Enjoy The Silence




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Lacuna Coil"


Lacuna Coil: Cristina Scabbia fala sobre fãs taradosLacuna Coil
Cristina Scabbia fala sobre fãs tarados

GuySpeed: musas do Rock e Metal em lista de mulheres mais lindasGuySpeed
Musas do Rock e Metal em lista de mulheres mais lindas


50 a menos: Cientistas descobrem que o Número da Besta é 61650 a menos
Cientistas descobrem que o Número da Besta é 616

Inspiração: 30 canções (não somente rock) para mantê-lo motivadoInspiração
30 canções (não somente rock) para mantê-lo motivado


Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo300x250 GooInArt