Resenha - Straight Between the Eyes - Rainbow

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Allan Jones
Enviar Correções  

8


Este é o álbum de maior sucesso de toda a carreira do Rainbow. Algumas pessoas irão contestar esta afirmação, citando a fase clássica com Dio e tudo mais, mas o fato é que com "Straight Between The Eyes", o Rainbow ganhava o status de grande nome. O que era antes o projeto do ex- guitarrista do Deep Purple se tornava uma grande potência do hard rock mundial. Talvez movidos pelo Hit "Stone Cold", o Rainbow estourou definitivamente nop Japão e nos E.U.A, os maiores mercados da indústria fonográfica.

publicidade

Neste disco, estreiava o tecladista David Rosenthal que substituia (a altura) o talentoso Don Airey. Este álbum também foi o segundo com o jovem vocalista norte americano chamado Joe Lynn Turner, que substituiu o apenas razoável Graham Bonnet. Joe estreiou no álbum "Difficult to cure" mas apenas refez os vocais que haviam sido gravados por Graham. Os músicos se mostravam em forma, Joe e Bobby se mostravam mais soltos em relação ao álbum anterior.

publicidade

O play abre com "Death Alley Driver", canção que mostra que a banda não estava para brincadeiras. A disputa acirrada ente guitarra e teclado demonstra isto.

"Stone Cold", balada que Joe compôs para sua ex-mulher, estourou no mundo todo, e falando-se em cifras e execução, é o maior hit da história do Rainbow.

"Bring on the night" vem logo após e surpreende, pois quando imaginamos que vá surgir uma música fraca, aparece a que talvez seja a melhor canção do álbum. Forte e empolgante, a bateria de Bobby Rondinelli brilha nesta música, que estranhamente não costumavam tocar ao vivo.

publicidade

"Tite Squeeze" é o tipo de música desnecessária. Sua levada um tanto quanto enjoativa faz o ouvinte imaginar que ela poderia ter ficado de fora ou então ser colocada no final do disco.

"Tearin out of my Heart" é mais um sucesso do álbum. Joe e Ritchie mostram seus lados sensíveis. É a típica música para trilha sonora de filme romântico.

"Power", com um riff dançante, é um hard rock descompromissado para pegar FM. O resultado é perfeito. A música era presença garantida nos shows da banda, apesar de não ser a predileta dos fãs.

publicidade

"Miss Mistreated", mais uma música falando sobre mulheres, tem uma levada meio pop onde brilha o arranjo de cordas feito por Blackmore e Glover.

Em "Rock Fever" o rock n 'roll toma conta. Uma música muito forte com um refrão excelente, a tentativa de criar um hit do rock n'roll, que infelizmente não pegou... injustamente, por que a música é excelente.

publicidade

Chegamos ao final do disco. Em "Eyes of Fire" surge um clima de nostalgia. Esta música tem um bom arranjo, uma levada medieval no estilo do velho Rainbow. A diferença é que Ronnie James Dio não está mais lá, e por mais que Joe se esforce para soar como o Rainbow antigo, a voz dele não é a mais indicada para aquele tipo de música.

Apesar de muitos fãs torcerem o nariz para esta fase final do Rainbow, é inegável que esta tenha sido uma fase muito produtiva, em que a banda colocava músicas nas paradas, invadia as FMs e lotava os shows.

publicidade




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Rainbow: 45 anos da mensagem alta e clara de Ritchie Blackmore, que marcou o rockRainbow
45 anos da mensagem alta e clara de Ritchie Blackmore, que marcou o rock

Eddie Van Halen: Ritchie Blackmore comenta morte do lendário guitarristaEddie Van Halen
Ritchie Blackmore comenta morte do lendário guitarrista

Adrian Smith: sem saber, Ritchie Blackmore quase o fez parar de pescarAdrian Smith
Sem saber, Ritchie Blackmore quase o fez parar de pescar

Ritchie Blackmore: como Roger Glover se deu bem com ele por anos, no Purple e RainbowRitchie Blackmore
Como Roger Glover se deu bem com ele por anos, no Purple e Rainbow

Ritchie Blackmore: guitarrista toca blues em raro momento com o ator William ShatnerRitchie Blackmore
Guitarrista toca blues em raro momento com o ator William Shatner

Das Cinzas do Deep Purple: As bandas dos ex-integrantes (podcast)

Martin Birch: morreu o produtor do Iron Maiden, Sabbath e outrosMartin Birch
Morreu o produtor do Iron Maiden, Sabbath e outros

Dee Snider: a arrogância de Ritchie Blackmore o fez querer ser o opostoDee Snider
A arrogância de Ritchie Blackmore o fez querer ser o oposto


Cozy Powell: baterista, pioneiro e apaixonado por carrosCozy Powell
Baterista, pioneiro e apaixonado por carros

Ritchie Blackmore: Candice Night fala sobre relacionamento com guitarristaRitchie Blackmore
Candice Night fala sobre relacionamento com guitarrista


Rock In Rio: Freddie Mercury desdenhou dos artistas brasileiros em 1985Rock In Rio
Freddie Mercury desdenhou dos artistas brasileiros em 1985

Regis Tadeu: a tsunami de lixo musical da atual música brasileiraRegis Tadeu
A tsunami de lixo musical da atual música brasileira


Sobre Allan Jones

É carioca, tem 23 anos e ouve rock desde pequeno. Suas principais influências são dos anos 70 e 80. Fez vários trabalhos relacionados ao rock, desde programas de rádio até promoção de eventos. Além disso, é músico e também faz trabalhos relacionados ao teatro. Oficialmente trabalha para a secretaria de fazenda de uma prefeitura de um município do Rio. Atistas prediletos: Kiss, Alice Cooper, Van Halen, Todd Rundgren, Asia, Kansas, Journey e as bandas do cenário do hard oitentista.

Mais matérias de Allan Jones no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin