Matérias Mais Lidas

Kirk Hammett: ele descreve com detalhes briga de Axl Rose e Kurt Cobain no VMA 1992Kirk Hammett: ele descreve com detalhes briga de Axl Rose e Kurt Cobain no VMA 1992

Guns N' Roses: veja quanto custava uma cópia de Use Your Illusion no dia do lançamentoGuns N' Roses: veja quanto custava uma cópia de "Use Your Illusion" no dia do lançamento

Iron Maiden: Bruce Dickinson revela as músicas da banda que mais curte cantarIron Maiden: Bruce Dickinson revela as músicas da banda que mais curte cantar

Metallica: Hetfield reage a torcida que cantou Enter Sandman e distorceu sismógrafoMetallica: Hetfield reage a torcida que cantou Enter Sandman e distorceu sismógrafo

Mr. Bungle: Dave Lombardo e Scott Ian demonstram apoio ao vocalista Mike PattonMr. Bungle: Dave Lombardo e Scott Ian demonstram apoio ao vocalista Mike Patton

Metal: dez álbuns dos anos 90 que todos deveriam ouvir ao menos uma vez - Parte 2Metal: dez álbuns dos anos 90 que todos deveriam ouvir ao menos uma vez - Parte 2

Ozzy Osbourne: Sharon diz que família foi ameaçada de morte após acusações de racismoOzzy Osbourne: Sharon diz que família foi ameaçada de morte após acusações de racismo

Luis Mariutti: baixista posta foto das antigas e mostra que Jesus nem sempre teve barbaLuis Mariutti: baixista posta foto das antigas e mostra que Jesus nem sempre teve barba

Guns N' Roses: Matt Sorum surpreende ao revelar quem era o integrante sóbrio da bandaGuns N' Roses: Matt Sorum surpreende ao revelar quem era o integrante sóbrio da banda

Metallica: a reação de Corey Taylor ao ouvir Black Album pela primeira vezMetallica: a reação de Corey Taylor ao ouvir "Black Album" pela primeira vez

Ozzy Osbourne: 10 curiosidades sobre No More Tears, que completa 30 anos nesta sextaOzzy Osbourne: 10 curiosidades sobre "No More Tears", que completa 30 anos nesta sexta

Slayer: rapaz sai fantasiado de Michael Myers e dá de cara com Tom Araya (e com tiras)Slayer: rapaz sai fantasiado de Michael Myers e dá de cara com Tom Araya (e com tiras)

Kiss: Ace Frehley numa boa com Gene Simmons e fala sobre reunião da formação originalKiss: Ace Frehley numa boa com Gene Simmons e fala sobre reunião da formação original

Metal Hammer: Os 10 piores álbuns dos anos 90 de 10 bandas brilhantesMetal Hammer: Os 10 piores álbuns dos anos 90 de 10 bandas brilhantes

Pink Floyd: o álbum clássico da banda que Roger Waters já não aguenta mais ouvirPink Floyd: o álbum clássico da banda que Roger Waters já não aguenta mais ouvir


Stamp

Lemmy no fundo do poço: ou como alcançar o desespero - e afundar

Por Rodrigo Contrera
Em 26/05/16

Lemmy Kilmister, baixista do Motörhead recentemente falecido, se tornou mundialmente conhecido por tocar e cantar alto, levar a vida de roqueiro inveterado, ter opiniões que sustentava até o fim, mandar muitos à casa do caralho, escrever músicas sobre guerra, mulheres e uma virtual descrença em ídolos e quaisquer formas regradas de vida em sociedade. Em suma, tocava a liberdade.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Mas um lado "menor" (menos conhecido) de sua obra dizia respeito a temas tradicionais como amor. Diziam que Lemmy transara com mais de mil mulheres. Ele contextualizava, e dizia que, fazendo as contas, não era tanto assim (uma vida inteira dedicada ao rock, ausência de compromisso, e mais de 70 anos de idade). Mas ele também cantava e falava sobre amor. Mas não era do jeito tradicional. Nem tentarei aqui dizer o que ele achava sobre isso. Irei comentar brevemente algumas de suas maiores músicas sobre o tema. O que o ladeavam.

Antes disso, deixem-me lhes dizer que Lemmy comenta, em sua biografia, que logo será lançada em português por aqui, que realmente amou para valer UMA garota. Ela era negra, estavam eles nos anos 70, ela tambem menor de idade, foi fazer strip no Líbano, voltou drogada por heroína e morreu numa banheira. Ele disse ter ficado três dias sentado em frente ao corpo e não ter ido ao enterro. Digo-lhes também que isso para ele foi determinante. Mas também é preciso salientar que ele, já sofrendo bastante com a idade, dizia nos últimos anos que talvez ela nem tivesse sido A mulher da vida dele. Nunca iremos saber.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

I Don't Believe a Word

Todos nós já passamos por isso. Um momento, em alguma relação, em que começamos a descrer de tudo o que nossa parceira nos diz. Em que, mal ela parece levantar a voz, já sentimos aquele bafo de mentira. Em que parecemos afundar nesse afã de tentar achar algo de bom nisso que ouvimos, e em que finalmente queremos que a pessoa se cale. Então, I Don't Believe a Word.

Esta faixa de Overnight Sensation é uma das mais soturnas que eu conheço da banda (existem outras piores, mas mais existencialistas). O baixo mal parece ser tocado, na verdade. Ele escorrega pelas cordas e dá o tom de toda a faixa, acompanhada de forma eficiente pelo Wanker (Philip Campbell). A pegada bateria é constante e sem destaque. Mas a letra parece nos levar num beco sem saída. Já de cara, como uma porrada no queixo, Lemmy simplesmente diz, não fale comigo, eu não acredito em uma palavra do que você diz. Isso é forte demais, se formos pensar bem, caso a gente diga algo a alguém (ainda) importante para nós. É xeque-mate antes da partida começar. É ippon antes dos karatecas trocarem alguns socos. É cair da cama antes de acordar.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

E vejam bem tudo o que segue. Não tente me fazer sentir bem. Todo o amor do mundo não poderá salvar minha alma agora à noite (desculpem a tradução). Não seja meu amigo, eu não sou idiota. Não fale de coisas que não conseguimos ver. E por aí vai. Só porrada, ninguém em sã consciência, que ainda diga gostar de alguém consegue sair pela rua andando nos próprios pés. Isso simplesmente mata a alma da outra pessoa. E olha que estamos apenas nas primeiras estrofes.

Mas não vou aqui traduzir algo que vocês podem entender até melhor do que eu. Vou tentar mostrar-lhes, agora, com outros recursos, por que esta música simplesmente significa tirar das tripas uma raiva tão grande que pode até matar. E que não mata não sei como.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Passadas as primeiras estrofes Lemmy grita, como sempre, mas de forma estranha, com um grito meio morto, frases em que parecemos ver tudo cair. O diabo ri, Deus dá de costas, não há nada a perder, nada a dizer, o céu se torna negro, o mar seca, nada é nosso nem daquele a quem a gente se dirige. É uma espécie de falecimento geral da alma. Uma espécie de fim. E isso dito aos gritos para os céus. É absurdo gritar isso, com alma, num show de rock. Eu nunca fiz isso, se querem saber - embora faça em faixas que ainda irei mostrar. É forte demais. E olha que a gente está apenas começando.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A questão é que, nesta música, o efeito de variar aquilo que é entre duas pessoas ou almas e os gritos que trazem para nós todo o efeito da eternidade destróem, em si, qualquer capacidade que possamos ter ainda de acreditar. Vejam, por exemplo, em seguida, nas estrofes menos gritadas.

Não olhe para mim, seus olhos são frios e duros; não espere que eu me vire para você; não há aflição no mundo suficiente para te confortar; não minta para mim; não fale de amor, pois eu consigo sentir as pessoas que me roubaram me usando bem neste exato momento. É uma discussão entre pessoas que se pegam, se maltratam, e estão se matando na frente de outras. E em meio às quais nada mais parece existir. Passei por isso. E olhem, quase surtei.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Mas a questão maior da faixa é que, encarando-a com a seriedade que parece ter, notamos até que ponto pode ir a desilusão e a vontade de machucar entre as pessoas. Porque esta música é um míssil dirigido diretamente ao coração da pessoa que nos amávamos e ao nosso, também. Porque gritar ao mundo tal desilusão, tamanha dor, tamanha destruição, é algo que pode nos fazer realmente enlouquecer. Caso tenhamos amado de verdade, claro.

Um excurso pessoal é que quando começava a conhecer o Motörhead comecei a tentar me envolver com uma menina. E ela traiu de vez minha confiança quando não podia. Eu quase pirei, e como vingança lhe traduzi esta música. Ela chorou a cântaros e foi se esconder. Eu nunca consegui me perdoar do que fiz, mas ao mesmo tempo minha dor era tão grande que eu precisava jogá-la de alguma forma para fora. Foi por meio desta canção que eu, digamos, sobrevivi.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Notem também um detalhe bastante sutil mas ao mesmo tempo fundamental a partir da metade da faixa. Há um coro por detrás da guitarra e do baixo que canta "Silêncio". Claro, seria muito diferente dizer "Cale-se". Não, não é APENAS isso. É silêncio porque o que está sendo dito ultrapassa em muito a nossa relação. É algo de que o mundo precisa ser testemunha. É algo que atinge algo mais, quem sabe atinja até Deus. Por isso minha leitura do silêncio. Silêncio tem um poder muito maior do que simplesmente mandar alguém calar a boca. "Silêncio" nesse sentido é mortal. É como dizer "você agora não PODE NEM DEVE falar". Aqui, é coro. Percebam, os especialistas, que a função do coro na história é justamente essa: dizer a verdade. Toda ela.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O resto, se é que pode haver resto na atual condição, é só queda, infinita, rumo a lugar algum. Leiam vocês mesmos e tentem sacar o drama. Lemmy não deixa por menos. Quer matar a alma da garota. Só pode. E a própria, de roldão. A música acaba num ritmo e com acordes que nos fazem entrever o inferno. Sendo que ele não se cansa de gritar que não acredita em uma palavra, até quase o fim, com um pequeno solo do próprio baixo que nos convence da ausência absoluta de esperança. Não há quem resista a isso. Eu mesmo tenho medo de cantar essa música. Ou de passar por algo que me leve a isso.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

One More Fucking Time

Para contrabalançar tanto desespero, peguemos agora esta balada, com o baixo do Lemmy sendo tocado num registro mais suave, mas ainda sujo, e com sua voz quase sendo cantada - praticamente todo o tempo. É uma balada de decepção, mas ainda de algum lirismo (contido), em que ele comunica a ela que... a culpa foi novamente dele. Pois os versos são: você descobre a minha culpa mais uma fucking vez (não sei como traduzir fucking com este contexto).

Vemos aqui uma espécie de reflexão. Vemos as coisas indo e vindo, as coisas que aparecem a quem espera, ou que surgem como força de destino, tudo um estado mental, e nada sendo realmente nosso, a não ser, quem sabe, o momento de dizer adeus. Tudo de um jeito aparentemente calmo e conformado, de alguém que agora parece ver a vida de longe, mas que nota que... a culpa sempre foi dele.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A ausência de esperança aqui, vemos, radica em outro lugar. Radica em que nada parece convencer-nos de que as coisas eram como foram, de que tínhamos algo que achávamos ter, de que o tempo que aproveitamos era mesmo nosso, e de que sabíamos afinal o que significavam as coisas que víamos. Como se tudo tivesse sido um sonho. Do qual só restasse uma certeza: que a culpa foi nossa.

Não à toa, como excurso pessoal, eu canto essa música lembrando de todos os meus relacionamentos fracassados, em que eu meio que me sentia sendo jogado de um lado para o outro, e no qual eu parecia não fazer nada certo, e levar a culpa por tudo... sempre uma vez mais. Não que eu fosse inocente nisso tudo, é certo. Mas a sensação que ficou de tudo o que passei foi bem essa, e talvez seja por isso que me sinto tão bem ao cantar a faixa.

Mas se fosse só isso não seria uma música com a letra do Lemmy. O cara sempre deixou claro que ele tinha a sua vez. As palavras a dizer, e talvez as últimas. E elas estão após 2/3 da música, quando, contrariando todo o clima anterior, ele acusa. Se eu tivesse sido o homem mau que você diz, você poderia ter visto a bondade em mim, você poderia ter visto o outro, o homem bom que eu poderia ter sido. Mas dado que eu sou um homem bom, nada mais importa, e eu não poderia ter feito nada. Claro que esse trecho é cantado aos gritos, como eu mesmo faço, mas apenas uma vez, para não me machucar.

O fim da música tinha também que levar-nos bastante fundo no inferno da sensação que tudo isto faz crer. E isso é feito aos gritos, claro, cantando que, claro, vai fundo, diz que eu sou culpado mais uma fucking vez, diversas vezes, até terminar num grito duplo (com acompanhamento), para deixar bem clara a mensagem. É então quando o solo final do Wanker domina a cena, levando essa dupla acusação (dela e dele), aos gritos, aos confins do universo (exagerei, mas tudo bem). Lemmy, claro, nunca gostou de solos extensos, mas aqui, como em Metropolis, que tem outra pegada, o punheteiro tem toda a liberdade para ir além. Merece.

Lost in the Ozone

Termino com o maior clássico do desespero que eu conheço. Tanto que sei que perguntaram ao próprio Lemmy se ele se sentia desse jeito mesmo quando compôs. Nem sei o que ele respondeu. Não importa.

A versão que eu coloco da música aqui é de um show que eu considero fundamental para entender a banda, que pegou o título Everything Louder Than Everyone Else. Por que neste CD? Porque nele, o barulho e a limpeza do desespero ficam mais claros.

A faixa é bastante lenta, e o tom é dado novamente pelo baixo. A narrativa é clara. Algo ou alguém está distante de tudo e de todos, perdido, sem qualquer esperança. Só isso, simplesmente isso. O fim de tudo é dado no solo matador de Lemmy, que parece gritar por socorro, um socorro que ele parece não merecer e que não irá chegar. O fim. Não sei o porquê do título, mas sei apenas que não há mais nada a dizer.

Há? Digam-me vocês. Até mais.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Tunecore 2
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Ozzy Osbourne: ouça versão de Hellraiser, que mistura versões de Ozzy e MotörheadOzzy Osbourne: ouça versão de "Hellraiser", que mistura versões de Ozzy e Motörhead

Motörhead: novo vídeo é lançado para anunciar a coleção definitiva do grupoMotörhead: novo vídeo é lançado para anunciar a coleção definitiva do grupo

Charlie Watts: Mikkey Dee homenageia o baterista que foi uma de suas maiores inspiraçõesCharlie Watts: Mikkey Dee homenageia o baterista que foi uma de suas maiores inspirações

Depeche Mode: Personal Jesus como se gravada por Metallica, Judas, Megadeth e outrosDepeche Mode: "Personal Jesus" como se gravada por Metallica, Judas, Megadeth e outros

Motörhead: linha de patches será lançada até o fim do anoMotörhead: linha de patches será lançada até o fim do ano

Motörhead: Ace of Spades é tocado em igreja holandesaMotörhead: "Ace of Spades" é tocado em igreja holandesa

Exodus: vocalista relembra o dia que comprou (e usou) drogas com Lemmy KilmisterExodus: vocalista relembra o dia que comprou (e usou) drogas com Lemmy Kilmister

Slash: o inusitado primeiro encontro com Lemmy, que tentou talaricar o guitarristaSlash: o inusitado primeiro encontro com Lemmy, que tentou talaricar o guitarrista

Crossplane: alemães honram o legado do Motorhead

Motörhead: quando quase acabaram e gravadora queria que Lemmy lançasse um disco popMotörhead: quando quase acabaram e gravadora queria que Lemmy lançasse um disco pop

Twisted Sister: Dee Snider revela frustração do falecido LemmyTwisted Sister: Dee Snider revela frustração do falecido Lemmy

Dee Snider: qual música o faz chorar e o que ele quer que toquem em seu funeral?Dee Snider: qual música o faz chorar e o que ele quer que toquem em seu funeral?

Duff McKagan: quando ele levou sua esposa sexy com vestido revelador para Lemmy olharDuff McKagan: quando ele levou sua esposa sexy com vestido revelador para Lemmy olhar

Max Cavalera: o caótico primeiro encontro com seu ídolo Lemmy KilmisterMax Cavalera: o caótico primeiro encontro com seu ídolo Lemmy Kilmister

Metal: ouça os principais lançamentos da semanaMetal: ouça os principais lançamentos da semana


Lemmy: O maior inimigo de uma mulher é outra mulherLemmy: "O maior inimigo de uma mulher é outra mulher"

Lemmy: quando surge uma tentação, eu cedo imediatamenteLemmy: "quando surge uma tentação, eu cedo imediatamente"

Backward Messages: Mensagens ao contrário em músicas de RockBackward Messages: Mensagens ao contrário em músicas de Rock


Guns N' Roses: Mauricio de Sousa, o criador da Turma da Mônica, odeia a banda?Guns N' Roses
Mauricio de Sousa, o criador da Turma da Mônica, odeia a banda?

Túmulos: alguns dos jazigos mais famosos do Metal nos EUATúmulos
Alguns dos jazigos mais famosos do Metal nos EUA


Sobre Rodrigo Contrera

Rodrigo Contrera, 48 anos, separado, é jornalista, estudioso de política, Filosofia, rock e religião, sendo formado em Jornalismo, Filosofia e com pós (sem defesa de tese) em Ciência Política. Nasceu no Chile, viu o golpe de 1973, começou a gostar realmente de rock e de heavy metal com o Iron Maiden, e hoje tem um gosto bastante eclético e mutante. Gosta mais de ouvir do que de falar, mas escreve muito - para se comunicar. A maioria dos seus textos no Whiplash são convites disfarçados para ler as histórias de outros fãs, assim como para ter acesso a viagens internas nesse universo chamado rock. Gosta muito ainda do Iron Maiden, mas suas preferências são o rock instrumental, o Motörhead, e coisas velhas-novas. Tem autorização do filho do Lemmy para "tocar" uma peça com base em sua autobiografia, e está aos poucos levando o projeto adiante.

Mais matérias de Rodrigo Contrera.