Europe

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Enviar correções  |  Comentários  | 

Por Andre Toral

A história do Europe começou em 1979, na Suécia, quando uma pessoa com o nome de Joey Tempest formou um grupo chamado "Force". Um ano depois, o Force gravou sua primeiro demo-tape. Até então, a banda consistia em Joey Tempest(vocals), John Norum(guitars), Peter Olsson(bass) e Tony Reno(drums).

215 acessosEurope: novo documentario na TV sueca de The Final Countdown5000 acessosPain Of Salvation: Daniel Gildenlöw fala sobre os Mamonas Assassinas

Mesmo sendo talentosos, a demo-tape não obteve uma resposta positiva das companhias gravadoras e após um ano de esforços, Peter Olsson decide deixar a banda, mas é substituído por John Leven no baixo.

Eis que a persistência vence e em 1982, o Force obtém a primeira grande oportunidade, conquistando talento e contestação dentro do rock com a gravação de seu primeiro LP.

Foi exatamente nesta época que a banda decidiu mudar seu nome para "Europe". O Europe era formado por Joey Tempest(vocals/keyboards), John Norum(guitars), John Leven(bass) e Tony Reno(drums). Com este time a banda lança seu primeiro álbum intitulado "Europe", que consiste em um rock/hard muito bem arranjado e com as guitarras afinadas de John Norum, que, embora estivesse no início de sua careira, já mostrava potencial para ser o que é hoje, ou seja, um guitarrista fenomenal.

Em 1983, a banda ganhou atenção no Japão e isto começava a provar a rápida aceitação ao som concebido pelos suecos. Um ano após, Mich Michaeli foi recrutado para tocar teclados pois até então, era Joey Tempest o responsável por tal. Mich é um excelente tecladista que sempre adotou, no Europe, um estilo moderno e sem exageros para arranjar melodias únicas e bem posicionadas no contexto musical. Seguindo em frente, o Europe gravou seu segundo álbum intitulado "Wings of Tomorrow", o qual eles ganharam uma grande quantidade de fãs que os seguiam na Scandinavia e Japão. Este trabalho se apresentava de uma maneira mais madura e profissional que seu antecessor e consiste em um rock/hard. Nele, está contido um dos maiores sucessos do Europe, ou seja, Open Your Heart. Mesmo ganhando atenção na cena, Tony Reno decide sair da banda e é substituído por Ian Haugland, um baterista que sem encaixou exatamente no estilo adotado pelo Europe.

Em 1986, o mundo sofreu um forte abalo pois foi neste ano que o Europe deu seu maior e definitivo passou, ou seja, lançou o magnífico The Final Coutdown. A faixa título vendeu mais de 8 milhões de cópias e o álbum também vendeu mais de 6 milhões em todo o mundo. Com este resultado, The Final Coutdown pode ser facilmente considerado como um best seller do rock. A banda fez enorme sucesso na Inglaterra e USA. Músicas como rock the night que possui refrão e riffs inesquecíveis, carrie que teve grande aceitação em rádios por ser uma linda balada, o peso do hard rock contido em danger on the track, a maravilhosa ninja, cherokee com uma linda melodia hard e que traz uma letra sobre os índios com o mesmo nome da música, on the loose. Enfim, nada que tire 1% de mérito alcançado com este lançamento. Vale dizer que a partir deste álbum, o Europe transformou-se em um fenômeno incontestável em todo o mundo e seus shows respondiam por si só com arenas absolutamente lotadas. Porém, pelo que consta, John Norum teria abandonado a banda antes de sair em turnê e para o seu lugar, entrou o excelente guitarrista Kee Marcello. Sua participação está presente no vídeo The Final Tour. Sobre o vídeo, vale dizer que o mesmo mostra a banda em um estado de inspiração absoluta. Incrível o potencial de Joey Tempest como vocalista e além disso, as músicas que fazem parte deste registro são memoráveis. Levando-se em conta que a tour é do álbum The Final Coutdown, a maioria das músicas representa esta fase. O Europe, com este vídeo, mostrava ser uma banda de desempenho impecável em situações ao vivo. Kee Marcello também deu seu recado e provou ser tão bom, ou melhor, que John Norum. Simplesmente incrível ao tocar sua guitarra e ao fazer uma sessão solo com fragmentos de música clássica, como é o caso de Sting of the Bumblebee.

Em 1988, a banda decidiu seguir o mesmo rumo do álbum antecessor e o resultado foi Out of this World que apresentava Kee Marcello(seu verdadeiro nome é Kjell Lobvom) em sua primeira situação de estúdio. O single da música superstitious foi um grande sucesso nos USA. Sobre o álbum, é importante dizer que seu estilo trazia uma banda perfeita em seus instrumentos. Inclusive, existe uma regravação para Open Your Heart(original de Wings of Tomorrow) que é bem melhor que a original, pelo menos no que diz respeito ao peso. Fazendo seu tradicional hard rock com teclados soberbos e vocais exatos, os maiores destaques são sem dúvidas open your heart, superstitious, let the good times rock, more than meets the eye, a rapidez e o peso de ready or not e a maravilhosa sign of the times. As duas baladas, tomorrow e coast to coast, também agradaram rádios e baladeiros profissionais. Porém, o maior destaque do álbum acaba sendo o desempenho de Kee Marcello. Sem sombra de duvidas, a melhor guitarra já contida em situações de estúdio no que diz respeito ao Europe.

Em 1991, após muita discussão, é lançado seu novo álbum chamado Prisioners in Paradise. Foi o primeiro álbum da banda a conter alguns efeitos em estúdio e a banda decidiu por apostar num estilo mais sujo e pesado de fazer hard rock. Seventh signs, bad blood, halfway to heaven e faixa-título provam isso. O maior sucesso deste álbum está novamente em Kee Marcello que consegue soar fantástico, já Joey Tempest "sujou" sua voz e passou a cantar com menos agudos limpos. Talvez a música girl from Lebanon seja a mais bela e pesada do álbum.

Em 1993, Joey Tempest resolve soltar no mercado uma coletânea chamada "Europe 1982-1992" que traz seus maiores sucessos gravados desde o início de sua carreira. Após isso, os membros da banda decidiram parar de tocar juntos e cada um seguiu se rumo. Mich Michalei, John Leven e Ian Haugland começaram a tocar com Gleen Hughes, Kee Marcello embarcou em sua carreira solo, Joey Tempest também seguiu sendo solo e seu último álbum foi Azalea’s Place. Sobre John Norum, que já havia saído muito antes do Europe, cabe dizer que o mesmo, desde então, vinha lançando trabalhos solos e que o mais relevante em sua história foi Face the Truth(1992) com Gleen Hughes nos vocais, Peter Baltes(ex-aceppt)no baixo e Hempo Hilden na bateria.

Voltando, o Europe foi, talvez, a maior banda de arena e mainstream que já houve no mundo. Logicamente outro forte candidato ao posto teria sido o Journey, à época.

De acordo com notícias vindas dos ‘bastidores do rock’, Joey Tempest teria sido convidado, a algum tempo atrás, para fazer um álbum do tipo The Final Coutdown part II. Resta torcer pela volta desta excelente banda, já que as "voltas" estão em moda atualmente. Fica a dúvida, quando e em que dia será?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.


EuropeEurope
Como seria The Final Countdown de estudio sem teclados

215 acessosEurope: novo documentario na TV sueca de The Final Countdown1385 acessosEurope: confira a música "Election Day", do novo álbum646 acessosEurope: confira o vídeo da nova música "Walk The Earth"501 acessosEurope: assista ao novo clipe para "Walk The Earth"935 acessosEurope: veja trailer de novo álbum, "Walk The Earth"0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Europe"

Iron MaidenIron Maiden
Conheça outras capas do criador de The Book Of Souls

GuitarristasGuitarristas
Os 10 maiores dos anos 80 segundo a revista Fuzz

Top 20Top 20
Discos recentes de bandas clássicas tão bons quanto os antigos

0 acessosTodas as matérias da seção Matérias0 acessosTodas as matérias sobre "Europe"


Pain Of SalvationPain Of Salvation
Daniel Gildenlöw fala sobre os Mamonas Assassinas

Heavy MetalHeavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados no ano de 1984

Raise the hornsRaise the horns
A origem de um dos simbolos mais fortes do Heavy Metal

5000 acessosThe Voice: candidato faz power metal cantado em português5000 acessosRodolfo Abrantes: "Raimundos como banda não me interessa"5000 acessosFutebol: conheça os times do coração de alguns rockstars5000 acessosMetallica: quando Lombardo e Jordison substituíram Lars Ulrich5000 acessosHeavy Metal Pop Covers: versões pesadas de clássicos5000 acessosTom Morello: revelando planos de Chris Cornell com o Audioslave

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online