Big Joe Turner - Trovoada na Voz, Rock 'n' Roll na Alma

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Márcio Ribeiro
Enviar correções  |  Comentários  | 

Big Joe Turner, com um corpo grande e obeso e uma voz volumosa e ressonante, conseguia sacudir qualquer casa sem precisar de um microfone. Um dos originais "shouters" - gritadores, estilo que renderia filhos como Little Richard, Arthur Alexander e vários outros, duas décadas depois de seu auge.

5000 acessosOs roqueiros mais chatos das redes sociais5000 acessosMegadeth: O recadinho provocante da vocalista do Huntress

Nasceu em 18 de maio de 1911, com o nome de Joseph Vernon Turner, na cidade de Kansas City. Quando o pai morreu em um acidente de carro, Turner, aos 15 anos de idade, foi obrigado a deixar a escola e ajudar a levantar dinheiro para sustentar a casa. Ele e sua irmã mais velha, Katie, trabalhavam como engraxates de rua, onde ele aproveitava e cantava por alguns trocados. Na parte da manhã, trabalhava como cozinheiro em um hotel, preparando o café da manhã dos hóspedes. No ano seguinte, começou a freqüentar o Backbiter's Club, onde assistia os músicos que admirava: Count Basie, Mary Lou Williams, Lester Young e toda aquela geração de gigantes. Um dia tomou coragem e pediu a Pete Johnson, um pianista de boogie-woogie, que o deixasse cantar. Johnson gostou do que ouviu e passaram a formar uma dupla. Era 1929 e Turner tinha apenas 18 anos.

Joe Turner e Pete Johnson passaram a tocar no Black & Tan Club, onde Turner atendia no bar e depois tinha um set com Johnson, o pianista residente da casa. Em 1936 saíram de Kansas City, onde Turner visitou Chicago, St. Louis e Omaha pela primeira vez. Perto do Natal, já de volta a Kansas City, apresentaram-se no Sunset Club, onde conheceram John Hammond. Assim, Joe Turner é imediatamente convidado a se apresentar no Carnegie Hall, em Nova York, no espetáculo de Hammond, From Spirituals To Swing, o primeiro trabalho da raça branca nos Estados Unidos a tentar apresentar a música negra como uma expressão artística e cultural legítima. Hammond procurava Robert Johnson mas acabaria por descobrir que este havia morrido. Joe Turner e Pete Johnson se apresentaram então no Carnegie Hall para a elite branca nova-iorquina, na véspera de Natal de 1938.

A apresentação rendeu um convite para uma gravação e no dia 30 de dezembro gravaram para Vocalion Records, "Goin' Away Blues/Roll 'Em Pete". Voltaram para Kansas City, mas dentro de um ano estariam de volta a Nova York, deixando Kansas para trás. Logo a dupla iria caminhar por estradas musicais diferentes, Pete Johnson continuando com o boogie-woogie e jazz enquanto Joe Turner, aos poucos, ia caminhando para o gênero que seria futuramente chamado de rock 'n' roll.

Durante a década de 40, Turner gravaria uma extensa quantidade de material por diversas gravadoras e com diversos músicos diferentes, nunca se prendendo a uma só banda.

Entre seus primeiros clássicos estão "Joe Turner's Blues," "Beale Street Blues," "Piney Brown Blues," "Wee Baby Blues," “Rock Me, Mama", "Corrine, Corrine," "Nobody In Mind," e "I Got Love For Sale". Em 1951, Turner, já devidamente apelidado de Big Joe Turner, podia se orgulhar de ter cinqüenta compactos em catálogo, feito difícil para uma época onde as residências dos negros nem sempre tinham um rádio, muito menos uma vitrola. É sempre bom lembrar, ao analisar esses fatos históricos, que somente após 1964 nos Estados Unidos é que negros e brancos passaram a ter direitos legais iguais. Pelo menos no papel. Antes disto, havia a cultura da segregação muito bem enraizada, principalmente no sul e meio oeste.

Em abril de 1951, Big Joe Turner foi convidado a cantar com seu herói de infância, Count Basie, no notório Apollo Theater, no Harlem. Foi após este show que ele recebeu um convite para assinar com a Atlantic Records, que não perdeu tempo em gravar e lançá-lo costa-a-costa. Seu primeiro disco pela gravadora, "Chains Of Love", chegou a nº 2 e permaneceu entre os Top 100 por seis meses. Seus outros sucessos seriam "Honey Hush", "Sweet Sixteen" e "TV Mama." Mas foi em 1954, já aos 42 anos de idade, que ele gravaria a canção pela qual sempre será lembrado, "Shake, Rattle And Roll". A canção, escrita especialmente para ele por Jesse Stone, sob o pseudônimo de Charles E. Calhoun, foi gravada em 9 de fevereiro daquele ano e lançada em abril.

Ele regravou "Corrine, Corrine", que seria a única gravação sua a freqüentar não só as paradas de r&b como também a de pop, e se apresentou no filme "Shake, Rattle And Rock" em 1956, cantando o grande hit também entre a juventude branca, graças à versão gravada por Bill Haley & The Comets. Quando perguntado a respeito de ser precursor de um estilo novo, ele diria apenas "Rock 'n' roll não é nada mais do que um nome diferente para o mesmo tipo de música que ando cantando por toda a minha vida". Continuaria a gravar pela Atlantic até 1961 embora o público não estivesse mais interessado, ou sequer se lembrasse mais dele.

Big Joe Turner, com sua voz que mais lembrava uma trovoada de tão alta e ressonante, jamais parou de cantar ou de se apresentar. Na década de 70, Turner poderia ser ouvido, alto e claro em qualquer palco mesmo de bengala. Continuou gravando discos para pequenas gravadoras até a década de 80. Em 1985, com complicações no fígado, o homem, o mito Big Joe Turner morreu sem deixar herdeiros.

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Big Joe TurnerBig Joe Turner
Corpo grande e obeso e uma voz volumosa e ressonante

0 acessosTodas as matérias da seção Matérias0 acessosTodas as matérias sobre "Big Joe Turner"

HumorHumor
Os roqueiros mais chatos das redes sociais

MegadethMegadeth
Recadinho provocante da vocal do Huntress

ShamanShaman
Fernando Quesada desabafa sobre cena brasileira

5000 acessosSlayer: Gary Holt é realmente um cara mal-agradecido5000 acessosFutebol: conheça os times do coração de alguns rockstars5000 acessosMetallica: membros entre os maiores maricas de todos os tempo5000 acessosDimebag Darrell: "nunca tive paciência para tablaturas"5000 acessosMetallica: a letra que fez Hammett e Hetfield chorar4190 acessosBlack Sabbath: banda ainda pode gravar um álbum de Blues

Sobre Márcio Ribeiro

Nascido no ano do rato. Era o inicio dos anos sessenta e quem tirou jovens como ele do eixo samba e bossa nova foi Roberto Carlos. O nosso Elvis levou o rock nacional à televisão abrindo as portas para um estilo musical estrangeiro em um país ufanista, prepotente e que acabaria tomado por um golpe militar. Com oito anos, já era maluco por Monkees, Beatles, Archies e temas de desenhos animados em geral. Hoje evita açúcar no seu rock embora clássicos sempre sejam clássicos.

Mais matérias de Márcio Ribeiro no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online