Napalm Death: Religião causa miséria do mundo

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por César Enéas Guerreiro, Fonte: Herald Dispatch
Enviar correções  |  Comentários  | 

Dave Lavender, do jornal americano The Herald-Dispatch, entrevistou em setembro de 2006 o frontman do NAPALM DEATH, Mark “Barney” Greenway. Alguns trechos desse papo:

5000 acessosBandas extremas: 10 álbuns que causaram surpresa5000 acessosComo batizar a criança: os nomes de bandas mais estúpidos

Sobre religião: “Se você analisar o que aconteceu nos últimos milhares de anos, a religião foi amplamente usada como um meio de controlar as populações. Nosso mundo é, nos mais altos níveis, governado pela religião e é isso o que está causando toda essa miséria no mundo. Não há melhor maneira de seguir em frente do que pensar de forma livre, como seres humanos. Não devemos olhar através de um terceiro elemento que não faz nenhum sentido. Por que não confiarmos em nós mesmos?”

Sobre o fato de não abusar do álcool: “Na verdade, isso afeta a garganta e me faz ficar zonzo no dia seguinte. Não há nada pior do que gritar se você estiver de ressaca. Estou aqui para tocar em shows e a garotada paga para ver o melhor de mim, da banda e tudo o que podemos fazer”.

Sobre levar seus shows para lugares devastados pela guerra, promovendo a música e a paz, incluindo shows na Malásia e Indonésia, que foram devastadas pelo tsunami, na África do Sul da era do Apartheid e na Rússia, além da Sérvia e Croácia durante a guerra dos Bálcãs: “Não acreditamos em tudo o que as pessoas falam. Vá ver com seus próprios olhos. De cada dez casos, em nove percebemos que o país é completamente diferente do que as agências de notícias dizem a você. Vá ver o que acontece realmente e tire suas próprias conclusões”.

Sobre o novo CD da banda, “Smear Campaign”: “Eu achei que algumas partes precisavam de mais variação e texturas. No começo eu tinha um certo medo de fazer isso. Eu sempre ficava imaginando o que as pessoas pensariam. Então eu percebi que para ser criativo você precisa, obviamente, agradar você mesmo em primeiro lugar. Os vocais estão apenas onde são necessários. Ainda é NAPALM, sempre, como SWANS e MY BLOODY VALENTINE. Sou um cara que berra e grita, pra começo de conversa”.

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Satanismo e Ocultismo"

SatanismoSatanismo
O que pensam os que acreditam que rock é coisa do demo?

DiaboDiabo
O Pai do Rock é o ícone maior de rebeldia

MegadethMegadeth
Mustaine comenta sobre antiga formação e satanismo

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Satanismo e Ocultismo"0 acessosTodas as matérias sobre "Napalm Death"


Bandas extremasBandas extremas
10 álbuns que causaram surpresa

Sem imaginação?Sem imaginação?
Os nomes de bandas mais estúpidos da história

HalloweenHalloween
Dez clássicos do Heavy Metal para curtir a data

5000 acessosManowar: A vida real e nada épica dos Reis do Metal?5000 acessosClassic Rock: as 10 melhores baladas dos anos 805000 acessosCristina Scabbia: "Símbolo sexual? Fico surpresa com isto!"5000 acessosLars Ulrich: a diferença entre o Purple, o Led e o Sabbath5000 acessos"Minha mulher não deixa não" em versão Metal5000 acessosEm 05/01/1974: Pink Floyd tenta fazer um álbum sem instrumentos

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 19 de setembro de 2014


Sobre César Enéas Guerreiro

Nascido em 1970, formado em Letras pela USP e tradutor. Começou a gostar de metal em 1983, quando o KISS veio pela primeira vez ao Brasil. Depois vieram Iron, Scorpions, Twisted Sister... Sua paixão é a música extrema, principalmente a do Slayer e do inesquecível Death. Se encheu de orgulho quando ouviu o filho cantarolar "Smoke on the water, fire in the sky...".

Mais informações sobre César Enéas Guerreiro

Mais matérias de César Enéas Guerreiro no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online