Dead Fish: "Só, mas muito bem acompanhado!"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rafael Carnovale, Fonte: Mundo Rock
Enviar correções  |  Ver Acessos

Rodrigo (vocais), Alyand (baixo), Hóspede e Phillipe (guitarras) e Nô (bateria) chegam com mais um novo CD, "Um Homem Só", que apresenta uma banda bem menos hardcore do que seus primeiros lançamentos, mas que procura investir num rock com elementos poppy punk bem calcados e com letras bem pessoais. A banda sempre foi bem recebida com seus lançamentos, e com este a perspectiva não muda, embora os caras tenham deixado de cantar em inglês. Conversamos com a banda, para falarmos sobre vários assuntos, que você pode conferir abaixo.

Ozzy Osbourne: "O Rio de Janeiro é uma porra duma merda!"Papai Truezão: astros do Heavy Metal em fotos com seus filhos

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Entrevista concedida ao Portal Mundo Rock (http://www.mundorock.net).

Mundo Rock - "Um Homem Só" é um CD diferenciado dos demais da discografia do Deadfish. Como vocês o comparariam a seus antecessores?

Dead Fish - "Um Homem Só" é um disco mais pesado que os demais, com as afinações mais baixas e músicas não tão rápidas. Este disco também teve mais tempo para ser composto, por volta de 5 meses.

Mundo Rock - A banda atualmente executa um som bem mais trabalhado, com algumas pitadas do hardcore de antigamente, mas bem mais voltado para o poppy punk. Bandas como Green Day e Offspring também vem trilhando tal caminho. Seria uma tendência?

Dead Fish - Não estamos seguindo uma tendência, mas experimentando novas formas de se fazer música. Não se repetir é fundamental para fazer um novo disco.

Mundo Rock - Em "Didático" há uma clara alusão ao nosso atual governo. Como vocês avaliam a situação política de nosso país?

Dead Fish - A política está caminhando cada dia mais para uma total desilusão. Acabamos de passar por uma CPI que não deu em nada. Os políticos tinham que pensar em novas formas para combater as diferenças sociais.

Mundo Rock - "Fora Do Mapa" traz flertes com o chamado rock brasileiro dos anos 80. Em alguns momentos vocês se inspiraram em bandas como Aborto Elétrico, Plebe Rude ou IRA!?

Dead Fish - Nunca tivemos essas bandas como influência. Entre as bandas nacionais, nós ouvimos muito Ratos de Porão, Cólera e Replicantes. O Rodrigo (vocalista), além das bandas citadas, gosta também do IRA!.

Mundo Rock - Ao mesmo tempo "Obrigação" flerta abertamente com o pop. Tal flerte vem sendo visto como uma tentativa de soar comercial por parte de fãs mais radicais. Como a banda analisa esta postura?

Dead Fish - De maneira nenhuma, na nossa visão essa é uma música rock que tem uma letra que nos emociona e essa é a razão porque fizemos a música. A nossa única motivação na composição desse disco foi a satisfação pessoal. Compor baladas rock faz parte do Dead Fish desde o disco independente "Afasia", que contém as faixas "Tango" e "Noise".

Mundo Rock - O contraste de faixas como "Exílio" e "Canção Menor" traz ao ouvinte uma característica do CD, pesado, com partes hardcore, e com outras mais "acessíveis". Como foi decidido este formato durante o processo de composição?

Dead Fish - Cada música foi composta com a intenção de firmar um álbum conceitual. Este choque das músicas foi intencional para criar climas diferentes no disco.

Mundo Rock - A banda não colocou nenhuma música em inglês neste CD. Foi algo intencional?

Dead Fish - Sim, tivemos a intenção de escrever todas as letras em português pois desde o último cd, as letras em inglês, não fazem parte do repertório.

Mundo Rock - O Deadfish teve sua popularidade elevada com a gravação do DVD/CD em conjunto com a MTV. Muitos conheceram a banda por conta deste projeto, mas como lidar com os fãs mais radicais, que não aceitam tal iniciativa?

Dead Fish - É natural a atitude dos fãs radicais e estamos até acostumados com isso. Não tem fundamento um fã achar que por ter uma divulgação ampla na mídia, estaremos fazendo algo errado. Os fãs tem o direito de não gostar, mas continuamos fazendo o que gostamos e acreditamos, independente da aceitação e da mídia.

Mundo Rock - Por sinal há algo bem curioso que será levado para os shows: as faixas mais hardcore dos primeiros CD's, e o material atual. Vocês já imaginaram como irão montar o set para os shows?

Dead Fish - Já montamos o novo set list e ele contém parte de todos os discos da banda. É muito bom colocar várias músicas de álbuns diferentes. As músicas antigas foram re-arranjadas e soam mais atuais.

Mundo Rock - A produção ficou muito boa. Como foi o trabalho com o produtor Rafael Ramos?

Dead Fish - Foi ótimo trabalhar mais uma vez com o Rafa. Nesse cd eu (Philipe) e o Hóspede co-produzimos e podemos somar na sonoridade, na busca de timbres e formatos para as músicas.

Mundo Rock - E como estão os planos para shows este ano?

Dead Fish - Estamos agendando a turnê nacional de "Um Homem Só" pelas capitais do Nordeste, Norte e Sul. Em setembro, vamos fazer uma tour pela Europa, passando por vários países como Alemanha, Bélgica e Suíça.

Mundo Rock - Com este CD a banda meio que joga uma pá de cal na chance de tocar no exterior, a princípio. Vocês pretendem focar sua carreira só no Brasil?

Dead Fish - Achamos que não. Cantar em português na Europa é um desafio, mas não é difícil. Tivemos vários convites e ainda este ano devemos fazer uma tour por lá.

Mundo Rock - Uma curiosidade: recentemente ouvi de que o Deadfish era uma banda de emocore. Apesar de não ter nada contra o estilo, creio que a banda está bem longe disso. Particularmente se tivesse que pensar em algum rótulo acho que o poppy-punk seria mais adequado. Vocês já ouviram algo a respeito disso?

Dead Fish - O Dead Fish sempre foi uma banda de hardcore melódico como NOFX, Pennywise, etc..., mas nesse álbum, a maior parte das influências foram rock metal como Black Sabbath, Helmet Queens of the Stone Age, Deftones, então o meu rótulo seria simplesmente Rock.

Mundo Rock - E como vêem a moda emo, que vem ganhando destaque inclusive na grande mídia? E a reação dos fãs mais radicais, principalmente do heavy metal?

Dead Fish - Essa moda emo não passa de bandas com letras sertanejas com uma roupagem de pop rock. O que podemos dizer é que esse movimento é uma moda passageira que não terá relevância nenhuma a longo prazo.

Mundo Rock - Parabéns pelo novo CD, e boa sorte na turnê. O espaço é de vocês para uma mensagem final:

Dead Fish - Obrigado a galera do Mundo Rock pelo espaço e nos vemos no show!!!

Dead Fish - Abraços, Dead Fish




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção NotíciasTodas as matérias sobre "Dead Fish"


Humor: o Quadradinho de oito hardcore no show do Dead FishHumor
O Quadradinho de oito hardcore no show do Dead Fish

Dead Fish: A proposta mais indecente que a banda já recebeu pelo FacebookDead Fish
A proposta mais indecente que a banda já recebeu pelo Facebook


Ozzy Osbourne: O Rio de Janeiro é uma porra duma merda!Ozzy Osbourne
"O Rio de Janeiro é uma porra duma merda!"

Papai Truezão: astros do Heavy Metal em fotos com seus filhosPapai Truezão
Astros do Heavy Metal em fotos com seus filhos


Sobre Rafael Carnovale

Nascido em 1974, atualmente funcionário público do estado do Rio de Janeiro, fã de punk rock, heavy metal, hard-core e da boa música. Curte tantas bandas e estilos que ainda não consegue fazer um TOP10 que dure mais de 10 minutos. Na Whiplash desde 2001, segue escrevendo alguns desatinos que alguns lêem, outros não... mas fazer o que?

Mais matérias de Rafael Carnovale no Whiplash.Net.

adGoo336