Kerry King: "Ainda ouço Venom o tempo todo"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por César Enéas Guerreiro, Fonte: The Columbus Dispatch, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

Matéria de 18/02/07. Quer matérias recentes sobre Rock e Heavy Metal?

Aaron Beck, do jornal The Columbus Dispatch, entrevistou recentemente o guitarrista do SLAYER, Kerry King. Alguns trechos dessa entrevista:

1393 acessosAdeus: o último show de 10 rockstars que morreram nesta década5000 acessosCoverdale: "eu não queria participar do declínio do Purple"

The Columbus Dispatch: Como foi a gravação do primeiro álbum em cinco anos, “Christ Illusion”?

Kerry King: “Nós tocamos juntos durante alguns anos antes de gravarmos – o que acabou fazendo muita diferença porque, se alguma coisa não fosse dar certo, acabaria aparecendo. O fato de termos Dave [Lombardo, baterista] de volta faz muita diferença. Nos esportes, isso seria chamado de algo ‘intangível’”.

The Columbus Dispatch: Rick Rubin, que colocou o SLAYER na mídia “mainstream” nos anos 80, consta como produtor executivo de “Christ Illusion”. O que exatamente ele fez?

Kerry King: “Ele trabalhou na mixagem. Eu não sei se ele faz isso porque ele acha que o som melhora ou porque isso o faz sentir que ele faz parte de tudo. Mas ele acrescenta algumas coisas aqui e ali, desde coisas pequenas como ‘Eu odeio este som de caixa aqui; vou mudar’ até ‘Eu quero aumentar o som das guitarras na música toda’. Eu não tenho paciência pra essa (palavrão). Pra mim o que interessa é ‘Faz, mas sem frescuras’”.

The Columbus Dispatch: Você escreve as partes de guitarra?

Kerry King: “Eu escrevo porque, se formos tocar ao vivo, eu não preciso aprender novamente. E não quero ouvir um guitarrista mudando a (palavrão) quando vejo ele ao vivo. Eu quero que ele toque do mesmo jeito”.

The Columbus Dispatch: Quais são as principais idéias erradas sobre o SLAYER?

Kerry King: “Apenas as velhas idéias – de que somos fascistas e nazistas. Eu não tenho tempo pra política. Essas novas músicas não são nem um pouco politizadas. ‘Jihad’, ‘Eyes of the Insane’ — isso é o que a TV mostra o tempo todo”.

The Columbus Dispatch: É verdade que você pediu dinheiro emprestado para o seu pai para gravar o primeiro álbum?

Kerry King: “É sim. Meu pai vinha me ver porque ele estava orgulhoso. Eu não acho que ele podia entender o que estava sendo dito e, com o passar dos anos, eu não sei se ele prestava atenção. Ele era o tipo de cara que não falava palavrão na frente da minha mãe. Imagina só, com todas as músicas lançadas mais tarde, eu dizia ‘Bem, não, você não pode ouvir essa e essa e essa’”.

The Columbus Dispatch: Como o Heavy Metal te inspirou quando você era adolescente?

Kerry King: “Bem, levou um certo tempo até que eu começar a ouvir coisa boa. Música pesada para mim, no começo, era VAN HALEN, DEEP PURPLE. Mas o que me transformou foi ouvir o (JUDAS) PRIEST no rádio. Porém, para mim, o que interessava mesmo era o VENOM. Eu ainda ouço ‘Welcome to Hell’ e ‘Black Metal’ o tempo todo.

The Columbus Dispatch: Qual foi o primeiro guitarrista que te inspirou?

Kerry King: “Eddie Van Halen. Você não pode falar de guitarra e não mencionar esse cara”.

The Columbus Dispatch: Qual foi a maior platéia que o SLAYER já teve e qual tamanho de platéia você prefere?

Kerry King: “A maior platéia? Provavelmente algum festival europeu – umas 60.000 pessoas. Clubes são divertidos mas, na turnê ‘Unholy Alliance’, acho que o máximo foi 9.000. Nove mil é um bom show ‘grande’; 1.500 é um show intenso. Eu gosto dos dois, mas eu odiaria fazer isso pro resto da vida. Se eu tivesse que escolher, eu escolheria os estádios pelo dinheiro e os clubes com 1.500 pessoas pela vibração”.

The Columbus Dispatch: Qual o fã do SLAYER mais entusiasmado que você já encontrou?

Kerry King: “Um cara escreveu ‘SLAYER’ nas costas com uma garrafa de cerveja. Nós o mostramos na capa de um de nossos EPs algum tempo atrás. Ficou muito legal. Um outro cara na Espanha me pediu pra fazer isso também. Ele tinha um bisturi e queria que eu escrevesse ‘SLAYER’ no seu ombro. Mas eu disse ‘Eu assino qualquer coisa que você quiser, mas não vou te cortar’”.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

AdeusAdeus
O último show de 10 rockstars que morreram nesta década

963 acessosMaximus Festival 2017: Confira cobertura em vídeo pela TV Diário777 acessosFantômas: banda de Mike Patton e Dave Lombardo volta a ativa1576 acessosSlayer: como foi a estreia da lenda do thrash do Big 4 em POA0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Slayer"

MegadethMegadeth
Kerry King comenta sua passagem pela banda

SlayerSlayer
As fotos do Instagram da mulher de Kerry King

The Big 4The Big 4
Como as quatro bandas elaboraram sua jam

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 19 de fevereiro de 2013

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Slayer"0 acessosTodas as matérias sobre "Venom"

CoverdaleCoverdale
"Eu não queria participar do declínio do Purple!"

Marcelo NovaMarcelo Nova
Treta com Samuel Rosa respingou em Herbert Vianna

Cradle of FilthCradle of Filth
Chimbinha, do Calypso, usando camiseta?

5000 acessosPaul Stanley: a passagem dele na história do Guns N' Roses5000 acessosThe Voice Brasil: candidato arrebata jurados cantando AC/DC5000 acessosKing Diamond: vetado por Dave Mustaine em show do Volbeat5000 acessosCompridas: As músicas mais longas de grandes bandas1666 acessosCacildis: Jimi Hendriquiss Equispiriencisss5000 acessosAndre Matos: Em 2013, explicando porquê não se reúne com o Angra

Sobre César Enéas Guerreiro

Nascido em 1970, formado em Letras pela USP e tradutor. Começou a gostar de metal em 1983, quando o KISS veio pela primeira vez ao Brasil. Depois vieram Iron, Scorpions, Twisted Sister... Sua paixão é a música extrema, principalmente a do Slayer e do inesquecível Death. Se encheu de orgulho quando ouviu o filho cantarolar "Smoke on the water, fire in the sky...".

Mais informações sobre César Enéas Guerreiro

Mais matérias de César Enéas Guerreiro no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online