Children Of Bodom: Janne e Jaska falam sobre novo álbum

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Fernando Portelada, Fonte: blabbermouth, Tradução
Enviar Correções  

Ainda em março, o Brave Words & Bloody Knuckles foi convidado para comparecer às sessões de exibição do altamente antecipado álbum do CHILDREN OF BODOM, "Halo OF Blood", que deve ser lançado pela Nuclear Blast em 17 de junho. A Internet está comentando sobre notícias que a banda voltou às raízes desta vez, e por mais que possa parecer desta forma em suas camadas superficiais, "Halo Of Blood" é muito mais que o relançamento de uma fórmula de sucesso

Children Of Bodom: filmagem profissional de show no Hellfest 2015 é divulgada

Marilyn Manson: vocalista revela suas estranhas fobias sexuais

O site conversou com o tecladista da banda, Janne Wirman e o com o baterista Jaska Raatikainen sobre o novo álbum.

BWBK: Fazer esta mudança da Universal para a Nuclear Blast pareceu ser o passo mais lógico, considerando que vocês estavam com a Spinefarm/Nuclear Blast no início da carreira. Mover-se para um selo menor foi causado por algum sentimento de perda essencial no meio de uma grande gama de artistas?

Janne: "Os primeiros três álbuns foram somente licenciados para a Nuclear Blast", então não tínhamos um relacionamento sério com eles na época, mas estávamos animados com a mudança, Tínhamos uma ótima relação com a Spinefarm, mas a Spinefarm foi vendida para a Universal, como você sabe, e quando uma grande gravadora toma conta de uma pequena gravadora, as coisas nem sempre saem como planejadas. Pouco a pouco isto começou a ser um negócio meio ruim para nós."

BWBK: Alexi (Laiho/vocal, guitarra) é e sempre foi o compositor da banda, mas há mais que uma só pessoa envolvida neste processo criativo para uma banda de cerca de 15 anos. O resto da manda teve mais voz em "Halo Of Blood" do que nos outros discos?

Janne: "Talvez toda a banda tenha falado mais desta vez. Alexi é nosso diretor musical, ele compõe a música nós jogamos várias ideias desta vez. Nós tentamos diferentes formas e experimentamos bastante. Eu acho que passamos mais tempo com os arranjos do que jamais fizemos no passado."

Jaska: "Eu notei que se alguém tinha uma ideia, e nós testávamos e não dava certo, alguém da banda ainda insistia para ver se conseguíamos fazer algo com isto, afinal."

Janne: "Nós passamos horas tentando mudar o tom da bateria em partes de uma música, então tocávamos toda a faixa e tentávamos decidir como essa mudança afetou a coisa toda..."

Jaska: "... E nós achamos que essas pequenas coisas de fato mudaram a música inteira."

BWBK: A primeira música "Waste Of Skin" é um BODOM bem old school, e pode até ser levada como mais do mesmo, mas "Halo Of Blood" é imprevisível, e as últimas quatro músicas ('Dead Man's Hand On You', 'Damaged Beyond Repair', 'All Twisted', One Bottle And A Knee Deep') ... Que maneira de acabar um álbum.

Janne: "Isto é algo que eu gosto no novo álbum. Mesmo eu não conseguia entender ou prever o que aconteceria quando eu o ouvisse pela primeira vez, e olha que eu estava tocando nele. Após a terceira vez nós todos estávamos pensando: ‘Fuck Yeah. Este é matador!’ Não há nenhuma faixa tampando buraco. A merda vai ser boa durante todo o disco."

BWBK: É interessante ouvir as reações na sala de impressa. Todos estão fazendo comparações com o "Hatebreeder" e "Follow The Reaper".

Janne: "Nós estávamos discutindo isso entre as entrevistas, que para mim é muito difícil julgar minha própria música na maioria das vezes. Agora que estamos ouvindo as suas opiniões, da imprensa, podemos ver as coisas de uma forma diferente."

BWBK: Mas "Halo Of Blood" é uma volta às raízes intencional, já que grande parte de sua base de fãs está pedindo isto por anos.

Janne: "O que é engraçado é que as pessoas acreditam que nós sentamos e dizemos: ‘Hey, vamos seguir esta direção musical... ’ quando começamos a compor as músicas. Nós nunca dizemos uma palavra sobre isso, nós só vamos para a sala de ensaios. Alexi chega com seus riffs e nós começamos a trabalhar as músicas deste ponto. Eu acho que seria ridículo discutir sobre um retorno ao nosso segundo álbum. Nós nunca faríamos isso."

Jaska: "Não funciona assim. A única coisa que tínhamos como meta era .... Henkka (Baixo) ficava dizendo: ‘O que soar bem’. Era isso que queríamos, este era nosso lema para o novo álbum."

BWBK: E pela primeira vez na história, vocês FINALMENTE tem uma arte que vale um alarde. Ela se destaca, não é somente barulho ou simplesmente feia como as outras capas, o que é ótimo para se transformar em anúncios ou merchandising para o álbum.

Janne: "Eu odiaria dar créditos ao nosso baixista (risos). Eu acho que foi ideia de Henkka usar um tema invernal, algo branco com a morte em um lago congelado. Eu acho que isso é ótimo. Eu adorei a liberdade que a gravadora nos deu após o primeiro rascunho. Eu achava que a Morte era muito pequena e precisava estar em foco. Como você disse, a arte é tão reconhecível que você pode ver de longe que este é um disco do CHILDREN OF BODOM.




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Children Of Bodom: filmagem profissional de show no Hellfest 2015 é divulgada

Children of Bodom: filmagem profissional de um dos últimos shows da bandaChildren of Bodom
Filmagem profissional de um dos últimos shows da banda

Children Of Bodom: Nerdologia Criminosos divulga vídeo sobre assassinatos do lago BodomChildren Of Bodom
Nerdologia Criminosos divulga vídeo sobre assassinatos do lago Bodom


Children Of Bodom: Natal, comilança, álcool e chutes no sacoChildren Of Bodom
Natal, comilança, álcool e chutes no saco

Children Of Bodom: Alexi Laiho e seu álbum favorito de OzzyChildren Of Bodom
Alexi Laiho e seu álbum favorito de Ozzy


Marilyn Manson: vocalista revela suas estranhas fobias sexuaisMarilyn Manson
Vocalista revela suas estranhas fobias sexuais

Instagram: as fotos mais legais do perfil de James HetfieldInstagram
As fotos mais legais do perfil de James Hetfield


Sobre Fernando Portelada

25 anos, Blogger, Podcaster, Gamer, Leitor de Quadrinhos, Ouvinte de Rock, Jornalista, e chato acima de tudo. Ouviu Imaginations From The Other Side do Blind Guardian aos 13 anos, emprestado por um amigo de escola. Ainda é um de seus álbuns preferidos.

Mais matérias de Fernando Portelada no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin adWhipDin adWhipDin