Sepultura & Body Count: o início da amizade no raiar dos anos 90

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Nacho Belgrande, Fonte: Playa Del Nacho
Enviar Correções  

Texto original de GLORIA CAVALERA

"Deve ter sido em 1991 ou em 1992 [nota do redator: foi em 1991]… alguns meses antes de eu engravidar de Zyon, quando Max e eu fomos a uma convenção de Metal, a Foundation’s Forum. Nossa, aquela foi a convenção mais divertida do mundo… festas demais, astros do rock e mais e doideira rolando solta nas ruas! Foi tão delirante, Max se registrou no hotel com o nome MICHAEL JACKSON, para evitaras muitas ligações de fãs para o nosso quarto. Estávamos na fase ‘estamos ficando escondidos, mas prontos para escancarar a qualquer dia’ em nossas vidas.

publicidade

Em uma das noites, demos uma conferida numa casa para ver o ponto alto da convenção, um show com o TEMPLE OF THE DOG, SOUNDGARDEN e eu acho que a última banda era o PEARL JAM recém-começado. Nós estávamos pirando quando eu vi MOOSEMAN, da banda de ICE T, a BODY COUNT, entrando pela porta dos fundos. Eu larguei o Max e voei até ele… eu tinha uma missão!

publicidade


Eu sabia que o irmão de Max, IGGOR, amava o Body Count e quando eu vi o gorro fudidão na cabeça de Mooseman, eu tinha que levar aquilo!!! Eu não conhecia MooseMan, mas eu conhecia a áurea que o seguia. "Cop Killer" tinha sido lançada e era uma das canções mais polêmicas do mundo! Mas não acreditava que eu estivesse praticamente derrubando esse cara, que eu sequer conhecia!

Eu não sei o que ele achou da mulher tatuada, de cabelo verde, correndo, mas ele não se incomodou. "Posso ficar com seu gorro?" Ele arqueou MESMO as sobrancelhas com o pedido, e uma menininha bem bonita veio me peitar!! "Eu não quero seu homem; eu quero o gorro dele!" eu expliquei que meu amigo amava Body Count e eu ganharia muitos pontos se eu pudesse só pegar aquele gorro pra ele. Mooseman foi legal demais… ele sorriu quando eu perguntei por que ele não podia quebrar um galho tão fino. Ele sussurrou "meu cabelo está zuado hoje!!" Eu ri e disse, "sem essa, mano, você não tem dessas! Você está no Body Count!! Esse tipo de frescura não tem vez!"

publicidade

Max e eu subimos num táxi para voltar ao hotel, eu tentei subornar o taxista com US$50 para que ele nos levasse por uma turnê por South Central [nota: região estereotipada como sendo o epicentro da atividade criminal de Los Angeles]. Ele tentou chutar nós dois, otários bêbados pra fora, mas claro, fincamos o pé e não saímos. Moose tirou o gorro e me entregou dizendo "Vinte pilas… eu tenho que ganhar alguma coisa." Por mim, beleza! Eu tinha uma porra dum gorro do Body Count!!!

publicidade

Alguns meses depois, na turnê com o MINISTRY, nós nos encontramos com o Body Count de novo. O HELMET teve que se ausentar de alguns shows e foram substituídos pela banda de Ice T e tivemos a oportunidade de ficarmos amigos. Éramos uma galera insana!!!" [...]

publicidade




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Thin Lizzy, Metallica: A história de Whiskey in the JarThin Lizzy, Metallica
A história de "Whiskey in the Jar"

Megadeth: Mustaine abre o jogo sobre convite a Pepeu GomesMegadeth
Mustaine abre o jogo sobre convite a Pepeu Gomes


Sobre Nacho Belgrande

Nacho Belgrande foi desde 2004 um dos colaboradores mais lidos do Whiplash.Net. Faleceu no dia 2 de novembro de 2016, vítima de um infarte fulminante. Era extremamente reservado e poucos o conheciam pessoalmente. Estes poucos invariavelmente comentam o quanto era uma pessoa encantadora, ao contrário da persona irascível que encarnou na Internet para irritar tantos mas divertir tantos mais. Por este motivo muitos nunca acreditarão em sua morte. Ele ficaria feliz em saber que até sua morte foi motivo de discórdia e teorias conspiratórias. Mandou bem até o final, Nacho! Valeu! :-)

Mais matérias de Nacho Belgrande no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin