Gene Hoglan: Ser fã do Rush influenciou sua carreira

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Carol Manzatti, Fonte: Blabbermouth, Tradução
Enviar correções  |  Ver Acessos

Gene Hoglan (TESTAMENT, DETHKLOK, DARK ANGEL, entre outras), foi entrevistado pelo programa de rádio Full Metal Jackie. O baterista (que iniciou sua 'carreira' musical sendo roadie do SLAYER) já havia se declarado um fanático pelo trio canadense RUSH e contou sobre como a banda influenciou em sua trajetória e seu estilo de tocar.

Rush: e se Lars Ulrich fosse o baterista em "Tom Sawyer"?Black Metal: o lado mais negro da cena brasileira

"Eu mergulhei nessa coisa do RUSH antes que eles começassem a se tornar mais famosos nas rádios e percebi que seu álbum "Moving Pictures" parecia realmente catapultá-los para serem tocados no rádio, como a 'The Spirit Of Radio', 'Permanent Waves', tudo isso era o tipo de música 'comercial' que parece feita para tocar nas rádios mesmo. Mas eu escutava '2112', 'Farewell To Kings' e 'Hemispheres'. Muitas dessas músicas não foram 'projetadas' para o rádio e quando você projeta algo que não vai se tornar popular por simplesmente estar tocando em todos os lugares, isso torna a sua banda algo diferente, você passa a não ter regras" disse Gene.

Ele continuou: "Neil Peart surgiu com tantas criações de bateria ótimas que eram tão memoráveis, mas eram compreensíveis do ponto de vista de um baterista. Haviam bateristas como Terry Bozzio, onde muitas partes de bateria também eram incríveis, mas, eram tão incríveis que isso até desmotivava. Era como 'Ah, eu nunca poderia entender tudo isso'. Mas Neil Peart não era apenas mais um desses bateristas que carregam uma legião de fãs, ele é compreensível. É alguém que é possível entender oque está fazendo."

Hoglan acrescentou: "Eu devia ter uns 10, 11 anos quando eu estava entrando nessa coisa do RUSH. E as letras realmente me atraíram, eu pensei 'Wow, eles não estão cantando sobre festejar ou pegar garotas no fim de semana'. Havia um mérito, coisas boas em suas letras. Então, acho que minha maior influência foi toda essa abordagem diferente, eram diferentes do que tinha naquela época. E logo depois de me tornar um fã deles, de absorver tudo oque eles criavam, o jeito diferente, o fato da bateria ser algo complexo e compreensível, é que eu comecei a ir para o lado do Metal e explorar essas características nele."




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção NotíciasTodas as matérias sobre "Testament"Todas as matérias sobre "Dark Angel"Todas as matérias sobre "Rush"


Rush: e se Lars Ulrich fosse o baterista em Tom Sawyer?Rush
E se Lars Ulrich fosse o baterista em "Tom Sawyer"?

Rush: Geddy Lee não está pronto para escrever biografiaRush
Geddy Lee não está pronto para escrever biografia

Rush e AC/DC: poucos sabem as verdadeiras formações originaisRush e AC/DC
Poucos sabem as verdadeiras formações originais

Instrumental: dicas de hoje, tributo ao Rush e fusion 80s

Rush: A busca por um timbre é o objetivo de todo guitarristaRush
"A busca por um timbre é o objetivo de todo guitarrista"

Álbuns ao vivo: 10 grandes registros da história do rockÁlbuns ao vivo
10 grandes registros da história do rock

Rush: será que Mike Portnoy aceitaria colaborar com a banda?Rush
Será que Mike Portnoy aceitaria colaborar com a banda?


Black Metal: o lado mais negro da cena brasileiraBlack Metal
O lado mais negro da cena brasileira

Ozzy Osbourne: O Rio de Janeiro é uma porra duma merda!Ozzy Osbourne
"O Rio de Janeiro é uma porra duma merda!"


Sobre Carol Manzatti

Ex-baterista, cozinheira, apaixonada por rock'n'roll. Viveria da música se possível, mas ainda não foi aceita no Iron Maiden, então seguirá só escrevendo sobre bandas. Fã do Darth Vader.

Mais matérias de Carol Manzatti no Whiplash.Net.

adGoo336