Iron Maiden: Bruce Dickinson revela por que saiu da banda em 1993

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Igor Miranda, Fonte: Vulture
Enviar correções  |  Comentários  | 

O vocalista Bruce Dickinson falou, em entrevista à Vulture, sobre os motivos pelos quais ele saiu do Iron Maiden em 1993. O cantor apostou em uma carreira solo e foi substituído por Blaze Bayley, que permaneceu na formação até 1999, quando Dickinson retornou.

4309 acessosBruce Dickinson: "If Eternity Should Fail" deve estar em novo solo5000 acessosÁlbuns: Mike Portnoy revela os seus 10 favoritos

"Quando saí do Iron Maiden, eu era muito duro comigo mesmo. Pensava que aquilo me limitava, era uma gaiola de ouro confortável, que me rendia muito dinheiro e eu poderia continuar reciclando nossa identidade, mas não queria fazer aquilo. A única forma que eu pensava ser possível crescer como cantor era fazer algo diferente - e só levaria isso a sério saindo", comentou.

Dickinson disse que quando se está no Iron Maiden, todos te protegem. "Assim que você sai da bolha, todos dizem: 'sempre quis chutar as bolas daquele cara'. Temporada aberta! Foi o que aconteceu comigo. Mas, ao mesmo tempo, eu pensava: 'foi por isso que você saiu'. Você dá um passo para o lado da caixa para ver o que está por fora dela", afirmou.

Bruce disse que atirou-se para o universo e pensou se deveria mesmo existir como cantor e se ele estava trazendo algo útil para o mundo ao estar em uma banda, a não ser nostalgia. "Se fosse só isso, talvez eu deveria estranhar e fazer algo mais útil. Se você quer ser um artista, você não pode ficar descansando em seus louros. Deve fazer algo diferente. Não sabia o que fazer e é por isso que saí. As pessoas pensam que eu tinha um plano quando saí. Não, sem planos. Foi algo difícil para os caras da banda entenderem", afirmou.

O vocalista temia que, com ele, o Iron Maiden mergulhasse em irrelevância. "Arar o mesmo solo seria o termo. O público provavelmente ficaria feliz, embora ele, lentamente, diminuísse. A banda ficaria menos relevante e se ficaria em uma bolha com o resto da comunidade metal. Não queria isso. Aprendi muito enquanto estive fora da banda. Eu estava bem melhor como cantor quando voltei (em 1999) do que quando saí", disse.

Consequentemente, Bruce considera "Brave New World" (2000), o disco que marca seu retorno, como um dos grandes clássicos do Iron Maiden. "Toda a energia estava de volta. Tudo na banda havia mudado. Antes de sair, existiam aquelas pequenas lutas por poder. Quando voltei, foi tudo mais honesto. As pessoas dizem que o Maiden é como família, como se família fosse algo bom. Mas famílias não são necessariamente coisas boas. Aqueles organismos saíram do mesmo buraco, mas não é razão para eles se gostarem. Tudo isso de 'o sangue é mais grosso que a água'... desculpem, se o seu irmão é um c*zão, ele é um c*zão! Somos mais amigos agora do que nunca. Somos uma banda de irmãos nascidos da mesma mãe, que é o Iron Maiden", afirmou.

Comente: Você acha que Bruce foi corajoso ou pensa que ele nunca deveria ter saído?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Bruce DickinsonBruce Dickinson
"If Eternity Should Fail" deve estar em próximo disco solo

1315 acessosFabio Lima: guitarra com distorção vs. guitarra sem distorção0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Iron Maiden"

Arte GráficaArte Gráfica
Designer brasileiro cria versões para clássicos

SlipknotSlipknot
É deles a melhor música dos anos noventa

BaixistasBaixistas
Steve Harris ganha de Cliff Burton em votação

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Iron Maiden"0 acessosTodas as matérias sobre "Bruce Dickinson"


Dream TheaterDream Theater
Baterista Mike Portnoy revela seus 10 álbuns favoritos

Donald TrumpDonald Trump
Os roqueiros que apoiam o presidente eleito

MegadethMegadeth
Mustaine fala sobre satanistas, gays e gatos

5000 acessosAjustes e Consertos em Baixos e Guitarras5000 acessosGuitarristas: os 10 maiores de todos os tempos segundo a Time5000 acessosSlayer: quando o católico pai de Tom Araya descobriu que a banda era satanista4722 acessosMegadeth: "nosso sucesso é abençoado por Deus"5000 acessosCorey Taylor: estar no Slipknot significa ter muitos problemas5000 acessosAngra: Rafael dando aula de bateria para Bruno Valverde

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 07 de dezembro de 2017


Sobre Igor Miranda

Jornalista formado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU) e apaixonado por rock há mais de uma década. Começou a escrever sobre música em 2007, com o surgimento do saudoso blog Combe do Iommi. Atualmente, é redator-chefe da área editorial do site Cifras e mantém um site próprio (www.IgorMiranda.com.br). Também co-fundou o site Van do Halen, para o qual trabalhou até 2013 – apesar de ainda manter por lá uma coluna semanal, chamada Cabeçote.

Mais informações sobre Igor Miranda

Mais matérias de Igor Miranda no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online