Avantasia: "Cantar Farewell afônica seria um pesadelo!", diz Marina La Torraca

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Carlos Garcia, Fonte: Site Road to Metal
Enviar correções  |  Comentários  | 

A vocalista brasileira, que recentemente substituiu Amanda Somerville em shows da "Ghostlights Tour 2016" do AVANTASIA, tendo apenas duas semanas para se preparar, e não tendo a possibilidade de fazer nenhum ensaio com a banda, já que a tour estava em andamento, contou ao Road to Metal um pouco dessa experiência de estar ao lado de ídolos, e realizar algo que imaginava ser possível somente em sonhos. Um bela história que mostra que devemos confiar em nós mesmos, no talento e no trabalho, e que estejamos prontos se a oportunidade surgir, assim como surgiu para Marina. Confira o que Marina contou sobre essa oportunidade, o "susto" pelo pouco tempo pra se preparar, e ainda contraiu um resfriado nesses dias!

989 acessosAvantasia: vídeo oficial de 3 músicas no Wacken Open Air 20175000 acessosThrash Metal: 10 novas promessas - incluindo uma brasileira


RtM: E o convite para fazer esses shows com o Avantasia? Conte pra gente como foi que surgiu a oportunidade, e também como ficou seu coração quando aconteceu e quando você subiu no palco com eles para o primeiro show?

Marina: Bom, a Amanda meu ligou dizendo que não poderia fazer alguns shows do Avantasia e acabou por perguntar se eu não teria interesse em “quebrar o galho” pra ela. Minha primeira reação foi de choque e pânico, mas mantive a calma e disse: “Claro, tenho bastante interesse.” (risos)! O primeiro show seria 2 semanas após tal ligação, he he he. Eu: “Sim, claro, ainda tenho interesse...” Mas pensando: “DUAS SEMANAS?! SEM ENSAIO?!?! Eu devo ser muito corajosa ou muito insana pra aceitar isso.”

Pra piorar a situação, peguei uma gripe horrível alguns dias antes do primeiro show em Munique e a ÚNICA coisa que eu pensava ao subir no palco era em não desmaiar nem perder a voz durante o show! he he he. Cantar “Farewell” afônica seria um pesadelo.

RtM: E sobre as preparações para esses shows, que além de muitos músicos envolvidos, tem um set-list geralmente longo. E como você disse, não teve nenhum ensaio, já que a tour estava andando, então, conte pra gente como foi essa sua preparação, e o que você fez para vencer o nervosismo e ansiedade, que acredito, deve ter sentido!

Marina: Como disse na resposta anterior, ZERO ensaio com a banda, he he he. Treinei e me preparei em casa o máximo que pude, praticamente non-stop (mesmo estando gripada he he). O set-list do Avantasia é gigantesco e a Amanda canta em todas as músicas, não podia me dar ao luxo de parar de ensaiar.

Nervosismo e ansiedade sempre dá antes de qualquer show. Por incrível que pareça, o fato da produção ser tão grande e tão bem organizada me deixou até mais tranquila (em shows menores onde alguns membros da banda têm que cuidar de tudo, e o stress-level acaba sendo maior). E a galera toda do Avantasia (inclusive e principalmente o Tobi no primeiro show!) foi tããão receptiva e compreensiva, ótima atmosfera. O que mais senti no palco ao ver TANTA gente na platéia foi adrenalina. E um constante medo irracional de desafinar brutalmente em “Farewell” (risos)!

RtM: Tem alguma história dos ensaios ou bastidores pra nos contar também? Devem ter muitas não é? Muita gente deve ficar imaginando como é viver o dia a dia com um projeto tão grande como o Avantasia.

Marina: Eu precisaria de uns 2 dias pra responder somente a essa pergunta (risos). Tem muita história. Depois do show na Polônia, os rockstars celebraram o último show da tour no ônibus em grande estilo: dormindo. Alguns até mesmo de mãozinhas dadas (para não ser injusta, algum consumo alcoólico foi envolvido nesse episódio).

RtM: E o balanço que você faz dessa experiência? Certamente algo que lhe agregou e agregará muito, sem falar que dará uma boa visibilidade para o Phantom Elite, ajudando a abrir algumas portas.
Marina: Foi uma experiência totalmente positiva e aprendi MUITO em pouco tempo. Realmente há muito know-how nessa produção, é um nível altíssimo de organização e experiência. Sem contar os aspectos da carreira que se aprende diretamente do convívio com essas feras.
E sim, ajuda sim a abrir muitas portas! (Risos)

Marina ainda possui alguns concertos a fazer com o Avantasia, e segue trabalhando com sua atual banda, Phantom Elite, produzida por Sander Gommans, e que conta com músicos experientes da cena Holandesa.

Confira a entrevista completa com Marina no link abaixo:

http://roadtometal.com.br/2016/09/entrevista-marina-la-torra...

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 04 de outubro de 2016

Edguy, AvantasiaEdguy, Avantasia
Tobias Sammet e os álbuns que mudaram a sua vida

989 acessosAvantasia: vídeo oficial de 3 músicas no Wacken Open Air 2017196 acessosUniverse Is Crying: A história da saga Soulspell Act IV - Parte 50 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Avantasia"

20162016
Os 5 discos mais decepcionantes de rock/metal do ano

Álbuns ConceituaisÁlbuns Conceituais
Blog elege o top 10 do Metal

Exportando metalExportando metal
Músicos brasileiros que atuam ou já atuaram em bandas gringas

0 acessosTodas as matérias da seção Entrevistas0 acessosTodas as matérias sobre "Avantasia"

Thrash MetalThrash Metal
Dez novas promessas, incluindo uma brasileira

HumorHumor
Os impressionantes diários secretos de Roger Waters

TatuagensTatuagens
Forma de expressão artística há mais de 3.500 anos

5000 acessosAnthrax: Scott Ian escolhe seus hinos favoritos do heavy metal5000 acessosFotos de Infância: Joey Jordison e Corey Taylor, do Slipknot5000 acessosFreddy Frenzzy: O vocal que trocou Hard Rock por forró ostentação4466 acessosMetallica: filme custou mais que todos os álbuns juntos5000 acessosSebastian Bach: descrevendo o horror de urinar com Phil Anselmo5000 acessosKid Vinil: a lenta despedida de uma geração de dinossauros

Sobre Carlos Garcia

Antes de tudo sou um colecionador, que começou a cair de cabeça no Metal e Classic Rock quando o Kiss esteve no Brasil em 1983, a partir daí não parei mais. Criei fanzines, como o Zine Barulho, além de colaborar com outros zines e depois web zines e sites, como os saudosos Metal Attack e All the Bangers. Atualmente sou um dos editores e redator do Road to Metal. O melhor de tudo são as amizades que fazemos, além do contato e até amizade com alguns de nossos heróis.

Mais matérias de Carlos Garcia no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online