Avantasia: "Cantar Farewell afônica seria um pesadelo!", diz Marina La Torraca

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Carlos Garcia, Fonte: Site Road to Metal
Enviar correções  |  Comentários  | 

A vocalista brasileira, que recentemente substituiu Amanda Somerville em shows da "Ghostlights Tour 2016" do AVANTASIA, tendo apenas duas semanas para se preparar, e não tendo a possibilidade de fazer nenhum ensaio com a banda, já que a tour estava em andamento, contou ao Road to Metal um pouco dessa experiência de estar ao lado de ídolos, e realizar algo que imaginava ser possível somente em sonhos. Um bela história que mostra que devemos confiar em nós mesmos, no talento e no trabalho, e que estejamos prontos se a oportunidade surgir, assim como surgiu para Marina. Confira o que Marina contou sobre essa oportunidade, o "susto" pelo pouco tempo pra se preparar, e ainda contraiu um resfriado nesses dias!

19 acessosEm 29/01/2016: Avantasia lança o álbum Ghostlights5000 acessosLed Zeppelin: sexo explícito na entrega de discos de ouro em 1973


RtM: E o convite para fazer esses shows com o Avantasia? Conte pra gente como foi que surgiu a oportunidade, e também como ficou seu coração quando aconteceu e quando você subiu no palco com eles para o primeiro show?

Marina: Bom, a Amanda meu ligou dizendo que não poderia fazer alguns shows do Avantasia e acabou por perguntar se eu não teria interesse em “quebrar o galho” pra ela. Minha primeira reação foi de choque e pânico, mas mantive a calma e disse: “Claro, tenho bastante interesse.” (risos)! O primeiro show seria 2 semanas após tal ligação, he he he. Eu: “Sim, claro, ainda tenho interesse...” Mas pensando: “DUAS SEMANAS?! SEM ENSAIO?!?! Eu devo ser muito corajosa ou muito insana pra aceitar isso.”

Pra piorar a situação, peguei uma gripe horrível alguns dias antes do primeiro show em Munique e a ÚNICA coisa que eu pensava ao subir no palco era em não desmaiar nem perder a voz durante o show! he he he. Cantar “Farewell” afônica seria um pesadelo.

RtM: E sobre as preparações para esses shows, que além de muitos músicos envolvidos, tem um set-list geralmente longo. E como você disse, não teve nenhum ensaio, já que a tour estava andando, então, conte pra gente como foi essa sua preparação, e o que você fez para vencer o nervosismo e ansiedade, que acredito, deve ter sentido!

Marina: Como disse na resposta anterior, ZERO ensaio com a banda, he he he. Treinei e me preparei em casa o máximo que pude, praticamente non-stop (mesmo estando gripada he he). O set-list do Avantasia é gigantesco e a Amanda canta em todas as músicas, não podia me dar ao luxo de parar de ensaiar.

Nervosismo e ansiedade sempre dá antes de qualquer show. Por incrível que pareça, o fato da produção ser tão grande e tão bem organizada me deixou até mais tranquila (em shows menores onde alguns membros da banda têm que cuidar de tudo, e o stress-level acaba sendo maior). E a galera toda do Avantasia (inclusive e principalmente o Tobi no primeiro show!) foi tããão receptiva e compreensiva, ótima atmosfera. O que mais senti no palco ao ver TANTA gente na platéia foi adrenalina. E um constante medo irracional de desafinar brutalmente em “Farewell” (risos)!

RtM: Tem alguma história dos ensaios ou bastidores pra nos contar também? Devem ter muitas não é? Muita gente deve ficar imaginando como é viver o dia a dia com um projeto tão grande como o Avantasia.

Marina: Eu precisaria de uns 2 dias pra responder somente a essa pergunta (risos). Tem muita história. Depois do show na Polônia, os rockstars celebraram o último show da tour no ônibus em grande estilo: dormindo. Alguns até mesmo de mãozinhas dadas (para não ser injusta, algum consumo alcoólico foi envolvido nesse episódio).

RtM: E o balanço que você faz dessa experiência? Certamente algo que lhe agregou e agregará muito, sem falar que dará uma boa visibilidade para o Phantom Elite, ajudando a abrir algumas portas.
Marina: Foi uma experiência totalmente positiva e aprendi MUITO em pouco tempo. Realmente há muito know-how nessa produção, é um nível altíssimo de organização e experiência. Sem contar os aspectos da carreira que se aprende diretamente do convívio com essas feras.
E sim, ajuda sim a abrir muitas portas! (Risos)

Marina ainda possui alguns concertos a fazer com o Avantasia, e segue trabalhando com sua atual banda, Phantom Elite, produzida por Sander Gommans, e que conta com músicos experientes da cena Holandesa.

Confira a entrevista completa com Marina no link abaixo:

http://roadtometal.com.br/2016/09/entrevista-marina-la-torra...

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

19 acessosEm 29/01/2016: Avantasia lança o álbum Ghostlights92 acessosSeparados no nascimento: Bob Catley e Ovelha1083 acessosAvantasia: vídeo oficial de 3 músicas no Wacken Open Air 20170 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Avantasia"

20162016
Os 5 discos mais decepcionantes de rock/metal do ano

AvantasiaAvantasia
Gafes durante show na Alemanha; confira em vídeo

AvantasiaAvantasia
10 músicas essenciais da Metal Opera

0 acessosTodas as matérias da seção Entrevistas0 acessosTodas as matérias sobre "Avantasia"


Led ZeppelinLed Zeppelin
Sexo explícito na entrega de discos de ouro em 1973

King DiamondKing Diamond
"Satanista é quem sacrifica animais? Isso é loucura!"

Fotos de InfânciaFotos de Infância
Jon Bon Jovi muito antes da fama

5000 acessosRock In Rio: Freddie Mercury desdenhou dos artistas brasileiros em 19855000 acessosMegadeth: as 10 maiores tretas de Dave Mustaine5000 acessosOlavo de Carvalho: Segundo ele, o Heavy Metal emburrece5000 acessosAC/DC: as 10 melhores músicas da banda com Bon Scott5000 acessos2016: o ano das mortes de impacto no rock/metal5000 acessosCannibal Corpse: o pescoço gigante de George Fisher

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 04 de outubro de 2016


Sobre Carlos Garcia

Antes de tudo sou um colecionador, que começou a cair de cabeça no Metal e Classic Rock quando o Kiss esteve no Brasil em 1983, a partir daí não parei mais. Criei fanzines, como o Zine Barulho, além de colaborar com outros zines e depois web zines e sites, como os saudosos Metal Attack e All the Bangers. Atualmente sou um dos editores e redator do Road to Metal. O melhor de tudo são as amizades que fazemos, além do contato e até amizade com alguns de nossos heróis.

Mais matérias de Carlos Garcia no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online