Kirk Hammett: Qual é a melhor banda do Big Four?

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Nathália Plá, Fonte: roadrunnerrecords.com, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

Shawn Fernandes do GibsonGuitar.in entrevistou em junho de 2011 o guitarrista do METALLICA Kirk Hammett. Seguem alguns trechos da conversa.

953 acessosMetallica: Lars queria ver Phil Rudd tocando Enter Sandman5000 acessosMulheres no Rock: as mais importantes segundo rádio inglesa

GibsonGuitar.in: Qual banda, na sua opinião, é a melhor banda do "Big Four"?

Kirk Hammett: Err… bem, nós (risos). Mas, é claro, eu diria que somos nós. A melhor pergunta é qual minha segunda favorita.

GibsonGuitar.in: Está certo. Então qual sua segunda banda favorita?

Kirk Hammett: Tenho que dizer que é o SLAYER. O que posso dizer, eles são maus, eles são pesados e eles não se comprometem. O SLAYER simplesmente arrebenta. Mas eu também tenho de dizer; o Scott Ian (do ANTHRAX) é um dos meus melhores amigos. Eu o conheço por todo tempo em que estive na banda e nós saímos muito juntos socialmente. Fazemos coisas juntos, nossas amigas se encontram, então eu tenho de dizer que eu realmente gosto da companhia do Scott porque ele é um dos meus camaradas.

GibsonGuitar.in: Você aprendeu com uma lenda, o grande Joe Satriani. Como isso aconteceu e como foi?

Kirk Hammett: Bem, naquela época eu tinha minha Flying V e um dia disse a um amigo meu, "Sua forma de tocar está muito boa. O que aconteceu? Como você está tocando tão bem?" Ele disse, "Ah, eu encontrei esse professor novo em Berkeley, o nome dele é Joe. Você devia ver qual é". Então eu fui à loja de música dele chamada Secondhand Guitars em Berkeley e entro e nos fundos eu consigo ouvir alguém tocando guitarra, uma loucura, como nunca ouvi ninguém tocar antes. Eu fui lá e lá estava Joe sentado numa cadeira e ele diz, "Oi, você é meu novo aluno? Eu disse "SIm", e então sentamos e o Joe começou a tocar. Mesmo naquela época ele soava como ele soa hoje. Quero dizer, todos os componentes de seu estilo já estavam no lugar. Eu fiquei tão arrebatado com a técnica dele e seu estilo. A primeira coisa que ele me disse foi "OK, se você vai ter aulas comigo eu espero que você aprenda as lições. Se você vier na semana que vem sem aprender as lições, você estará esperdiçando nosso tempo". Então ele meio que basicamente me disse para me preparar e que voltasse na semana seguinte. Eu evoluí totalmente a partir daí.

Eu posso dizer que o Joe realmente gostava de tocar comigo porque nós sempre tocávamos além do tempo combinado. Quero dizer, normalmente ele ficava meia hora com seus outros alunos e por algum estranho motivo ele ficava mais tempo comigo. Descobri depois que era só porque ele gostava de tocar guitarra comigo. Posteriormente, em entrevistas, o Joe disse que quando ele começou a me ensinar ele podia ver algo no meu estilo de tocar e na minha abordagem que era simplesmente radicalmente diferente da maioria das pessoas na época.

Muito disso tem a ver com o fato de que eu gostava muito de heavy metal numa época em que o heavy metal nem era popular. Provavelmente também tinha algo a ver com o fato de que eu escutava guitarristas como Ulrich Roth e Michael Schenker. Quero dizer, não havia muita gente nos Estados Unidos na época que sequer sabia que eram esses guitarristas. Então eu estava vindo de uma perspectiva bem singular. Aprendi muitas coisas com o Joe, muitas coisas sobre técnica, especialmente. Eu também aprendi que o sentimento é melhor o que qualquer coisa e melhor que tudo. Então eu sempre me empenhei em ser um guitarrista com muito sentimento ao invés de um guitarrista com muita técnica. Eu sempre tive consciência do fato de que você pode dizer o mesmo com cinco notas do que com cinco mil notas. Aprender foi muito, muito importante para mim.

GibsonGuitar.in: O METALLICA está por aí há 28 anos. Vimos muitas bandas de metal irem e virem, o gênero propriamente teve seus altos e baixos. Mas é aquele tempero diferente que manteve o METALLICA bem no topo pelos últimos 30 anos?

Kirk Hammett: Eu honestamente não sei. Tudo o que posso dizer é que acho que nossa música está passando pelo teste do tempo. A música ainda soa moderna e ainda soa relevante em 30 anos. As pessoas estão ouvindo e ainda sentem seu frescor. Tudo o que posso dizer é que é simplesmente incrível que isso realmente aconteceu conosco.

GibsonGuitar.in: Temos que te perguntar sobre esse novo livro sobre memórias de filmes de terror em que você está trabalhando chamado "Too Much Horror Business".

Kirk Hammett: É um livro sobre posters vintage de filmes de terror e brinquedos vintage de monstros. Tenho colecionado essas coisas tipo, desde sempre. Eu comprei minha primeira revista de filme de terror quando tinha 5 anos e sempre curti essas coisas. Eu simplesmente decidi um dia dividir isso com o mundo. Basicamente é o que eu tenho feito agora, estou só dividindo isso com o mundo. É realmente divertido. É muito trabalho e ainda estou trabalhando nisso nesse momento mas é muito divertido e mal posso esperar para lançar.

Leia a entrevista na íntegra (em inglês) no GibsonGuitar.in:
http://www.gibsonguitar.in/News-Lifestyle/Features/hi-in/The...

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, nos links abaixo:

Post de 13 de junho de 2014
Post de 15 de junho de 2014

MetallicaMetallica
Lars Ulrich lamenta a morte de Chester Bennington

953 acessosMetallica: Lars queria ver Phil Rudd tocando Enter Sandman0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Metallica"

James HetfieldJames Hetfield
"Sempre tem Avenged Sevenfold na minha playlist."

Kirk HammettKirk Hammett
Fiquei rico e sou generoso com os chegados

MetallicaMetallica
Lars Ulrich comenta sobre seu maior erro

0 acessosTodas as matérias da seção Entrevistas0 acessosTodas as matérias sobre "Metallica"0 acessosTodas as matérias sobre "Slayer"

Mulheres no RockMulheres no Rock
As mais importantes segundo rádio inglesa

Andre MatosAndre Matos
Confira o incrível alcance do vocalista

Em 19/03/1982Em 19/03/1982
Randy Rhoads morre em um acidente de avião

5000 acessosSpin: os 40 melhores nomes de bandas de todos os tempos5000 acessosHeavy Metal: celebridades que curtem ou já curtiram5000 acessosDimebag Darrell: guitarra de Van Halen num caixão do Kiss5000 acessosCoisa de boy: Mais de 50% dos roqueiros é da classe A, diz IBOPE5000 acessosMetallica: banda dubla Rihanna em trailer de "Carpool Karaoke"4845 acessosJeff Hanneman: Metal Hammer homenageia com belo pôster

Sobre Nathália Plá

Mineira de Belo Horizonte, nasceu e cresceu ouvindo Rock por causa de seu pai. O som de Pink Floyd e Yes marcou sua infância tanto quanto a boneca Barbie, mas de uma forma tão intensa que hoje escutar essas bandas lhe causa arrepios. Ao longo dos anos foi se adaptando às incisivas influências e acabou adquirindo gosto próprio, criando afinidade pelo Hard Rock e Heavy Metal. Louca e incondicionalmente apaixonada por Bon Jovi, não está nem aí pras críticas insistentes dirigidas à banda. Deixando a emoção de lado e dando ouvidos à técnica e qualidade musical, tem por melhores bandas, nessa ordem, BlackSabbath, Led Zeppelin, Deep Purple, Metallica e Dream Theater. De resto, é apenas mais uma apreciadora do bom e velho Rock'n'roll.

Mais matérias de Nathália Plá no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online