Lamb Of God: baterista prefere nível mediano de sucesso

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Thaís Bortolozzo, Fonte: Blabbermouth, Tradução
Enviar correções  |  Ver Acessos

Altsounds.com fez recentemente uma entrevista com o baterista Chris Adler, do LAMB OF GOD. Alguns trechos você confere abaixo.

Blender: as letras mais repulsivas do Heavy MetalCuriosidades: 40 fatos inacreditáveis do rock

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Você é bastante acessível para seus fãs. Você faz idéia do quanto o grupo é importante para as bandas jovens de Metal?

Chris: "Na verdade, não. Eu vejo várias bandas fazendo cover nosso no YouTube e isso sempre me faz sorrir, por saber que alguém conhece a gente o suficiente pra tocar nossas músicas. Eu ouço muito das bandas jovens, coisas do tipo 'ah cara, vocês são a primeira banda de metal que eu realmente curto'. É realmente difícil fazer isso. Por enquanto, nós estamos no nosso modelo de trabalho tentando fazer coisas maiores e mais fascinantes. É difícil tachar nosso trabalho. Recentemente, estive trabalhando com uma banda jovem e um desses caras estava começando o ensino médio quando nos ouviu pela primeira vez. Agora, quando estamos perto de garotos de quinze anos, nós ouvimos histórias do tipo "Eu nem tinha nascido quando lançaram seu primeiro álbum'. Eu quero dizer que acho que estamos ficando velhos, mas é bom saber ouvindo as histórias das pessoas, que nós temos um pouco de impacto no Metal. Não que isso seja necessariamente uma meta, mas eu sou grato".

O som da banda realmente não é muito brando. Isso é importante?

Chris: É importante para mim. Eu não sei se é tão importante para o projeto, mas eu cresci ouvindo Metal e quando a banda tem um pouco mais de sucesso, o próximo álbum nunca será igual àquele que você gosta. Não só as bandas de Metal, um monte de bandas segue um caminho, tem um hit de sucesso e depois todos os próximos trabalhos soam como ele. Nós nunca perseguimos uma ideia de tipo de som. Eu, pessoalmente, preferiria continuar com um repertório mais agressivo do que abrandar o nosso som e voltar em algum ponto do caminho. No fim, eu iria prefirir ter um história de nível médio de sucesso. Eu prefiro estar aqui do que arriscar em alguma outra coisa porque nós somos bons no que fazemos e os fãs gostam da gente por isso. Realmente não há nada de errado com essa equação, então eu não quero tentar e mudar isso".

Leia a entrevista completa em Altsounds.com.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Lamb Of God"


Randy Blythe: puto com fã no memorial de Oderus UrungusRandy Blythe
Puto com fã no memorial de Oderus Urungus

Lamb of God: Você se chama Djent Metal? Suicide-se agora!Lamb of God
"Você se chama Djent Metal? Suicide-se agora!"


Blender: as letras mais repulsivas do Heavy MetalBlender
As letras mais repulsivas do Heavy Metal

Curiosidades: 40 fatos inacreditáveis do rockCuriosidades
40 fatos inacreditáveis do rock


Sobre Thaís Bortolozzo

Thaís Bortolozzo, jornalista, nascida em 1987, escreve para o Whiplash unindo suas duas paixões: Notícias e Rock'n Roll. As bandas que mais curte são AC/DC, Deep Purple, Dream Theater e Pantera. Também é fã de trabalhos solos como o de Richie Kotzen e David Coverdale. Sua paixão pelo metal e hard rock vem desde a adolescência. "Depois do silêncio, aquilo que mais aproximadamente exprime o inexprimível é a música", diz ela. Thaís também escreve para o site de cinema cparadiso.com.br e em seu twitter www.twitter.com/TheMissTake.

Mais matérias de Thaís Bortolozzo no Whiplash.Net.

Cli336x280