Ira!: Edgard Scandurra comenta os novos rumos da banda

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Enviar correções  |  Ver Acessos


Por Rafael Carnovale

Manowar: o dia em que a banda arregou pro Twisted SisterRenato Russo: a história do maior nome do rock nacional

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Voltemos aos anos 80. A ditadura militar ainda existia, Lula era apenas um metalúrgico que lutava pelos movimentos trabalhistas e Ayrton Senna nem havia começado sua carreira na Fórmula 1. Alheio a tudo isso um quarteto paulista começava a despontar no cenário musical brasileiro, com um rock vigoroso movido por um guitarrista talentoso e um vocalista carismático. Além de uma cozinha correta, que chegou a ter em suas fileiras o atual Titãs Charles Gavin. Edgard, Nasi, Gaspa e André fizeram sucesso protestando contra tudo e todos, ou falando apenas de amor. Muitos anos se passaram, e aquela banda de jovens revoltados continua por aí, só que mais malandra e talentosa. Vindo de um muitíssimo bem sucedido Acústico MTV, que levou a banda a embarcar numa extensa turnê pelo Brasil, conversamos via email com o guitarrista Edgard Scandurra, que devido a correria da turnê foi bem objetivo em suas respostas, mas não deixou de salientar seu bom humor e seu jeito todo característico de ser. Confira logo abaixo o que rolou:

Whiplash - Inicialmente a pergunta óbvia: porque IRA!, com o direito a exclamação?

Edgard / Eu nunca sei porque se dá nome às bandas. Ira! é um bom nome, não? (Nota do Redator: concordo! :P)

Whiplash - Vocês não temem soarem datados, tendo como exemplo a capa do "Acústico MTV", com quatro "senhores" bem vestidos e o nome suscitando IRA!?

Edgard / Ao menos pra mim, a elegância sempre fez parte do ira! (risos).

Whiplash - Falando no cd acústico, qual o balanço que vocês fazem do mesmo, após um ano de lançamento e extensa turnê de divulgação?

Edgard / Estamos nos divertindo muito, fazendo muitos shows e ganhando uma grana, que compensa os anos de chumbo da banda.

Whiplash - Quais seriam para vocês as maiores diferenças entre a banda que gravou "Vivendo e não Aprendendo" e "Mudança de Comportamento" para a banda que registrou as músicas do "Acústico MTV"?

Edgard / Ternos mais caros, talvez.

Whiplash - O que esse cd pode influenciar na trajetória futura do IRA!, principalmente tendo como base um próximo cd de estúdio?

Edgard / Ele pode nos dar mais tranqüilidade e não temos que correr para o estúdio, gravar a todo custo um novo disco. Podemos esperar as novas músicas sem ansiedade, podemos pensar em férias, coisa que em 23 anos nunca tivemos.

Whiplash - Embora a banda sempre fosse assumidamente rockeira, uma veia punk sempre se manifestou, seja em letras como "Pobre Paulista" ou "Gritos na Multidão". Quais seriam as grandes influências do IRA!, principalmente entre bandas punks?

Edgard / O punk foi nosso início, mas antes já havia bandas dos anos 60, como The Who, Troggs, Stones, Beatles, Bee Gees, Jimi Hendrix, Led Zeppelin, enfim, somos o que escutamos.

Whiplash - Nos anos 90, e mais recentemente no "Entre seus Rins", a banda flertou com experimentos, mais especificamente com elementos eletrônicos. É uma tendência a ser mantida nos próximos registros?

Edgard / Se Deus quiser sim.

Whiplash - Como você compararia os experimentos em "Você não sabe quem eu sou", "Entre seus rins" com o trabalho feito em "Psicoacústica"?

Edgard / São nossos 3 discos mais experimentais, portanto, meus favoritos. É delicioso poder se trancar num estúdio sem pensar em música pra rádio, etc.

Whiplash - Edgard, sabemos que você tem uma carreira solo aonde investe bem pesado na fusão de "riffs" rockeiros e batidas eletrônicas. Como você consegue separar os dois lados da moeda, o compositor solo e o guitarrista do IRA!?

Edgard / Minha vida é isso aí. Se eu pudesse, teria, mais projetos, mas os 2 já me satisfazem, por enquanto.

Whiplash - Por outro lado, o vocalista Nasi tem projetos bem interessantes como Nasi e os irmãos do Blues. Como tais projetos podem auxiliar na hora de se juntar e compor um novo cd para o grupo?

Edgard / Eu acho que nos tira o "stress", e no caso do Nasi, o ajuda a melhorar como cantor.

Whiplash - A banda passou por uma fase não muito favorável no meio/final dos anos 90, mas voltou com tudo lançando o "MTV ao Vivo" e o cd de versões, cujo clipe de "Bebendo Vinho" foi veiculado com boa recepção. Que influência a MTV teve nesse ressurgimento da banda e como foi se apresentar a uma geração que nem era nascida quando a banda começou suas atividades?

Edgard / A MTV, atinge o público adolescente e isso para uma banda com mais de 20 anos é "ótemo" (sem erro... ele escreveu assim mesmo!!!) .

Whiplash - Em 2001 vocês fizeram um show conjunto com o Ultraje a Rigor na terceira edição do "Rock in Rio". Porque não ter um show só para cada banda e como foi dividir o palco com outra banda também seminal para o rock brasileiro?

Edgard / A organização não botava muita fé na gente, tanto o Ultraje, quanto nós, poderíamos ter botado fogo naquele lugar, sem nenhum problema.

Whiplash - Agora eu vou falar de um fato curioso: Em 1993, quando o Sepultura lançou "Chaos AD", o encarte trazia um agradecimento ao IRA!. Um leitor inglês se revoltou e mandou cartas para a extinta revista RAW! criticando a banda por ter simpatia com movimentos terroristas (ele confundiu o nome da banda com o grupo IRA irlandês). Tal revolta gerou uma resposta bem incisiva de Max Cavaleira na edição seguinte da publicação, mostrando que IRA! era o nome de um bem sucedida banda brasileira, cujo significado era raiva. Como vocês analisam essa situação, e chegaram a tomar conhecimento disso?

Edgard / Eu nunca tinha ouvido falar sobre isso!!! Mas,esse é um pequeno problema que não nos ajuda a decolar numa carreira internacional. De fato, nem queremos, pois o Brasil já é um continente e tanto.

Whiplash - O cd de versões "Isso é Amor" nos trouxe um IRA! bem mais diversificado, gravando músicas que fugiam do rock tradicional. Qual foi o critério para a escolha das músicas que seriam gravadas? Algo foi registrado e acabou não entrando no cd?

Edgard / O inusitado, sem dúvidas.

Whiplash - Falando sobre o Acústico, as novas músicas presentes soam muito mais românticas e suaves, porém ainda com a característica do IRA! de mesclar o protesto e o romantismo. Como foi a escolha do repertório?

Edgard / Tínhamos muitas músicas entre 11 novas e 200 velhas.Tentamos escolher o que melhor combinasse com violões. As músicas novas são as melhores, na minha opinião!

Whiplash - Eu gostaria que vocês comentassem como foi a escolha das participações especiais, principalmente a da cantora Pitty e do vocalista/guitarrista Samuel Rosa?

Edgard / Três gerações diferentes pelas quais o IRA! passou. Todos grandes músicos e representativos.

Whiplash - Um momento de grande emoção foi a participação de Herbert Vianna em "Envelheço na Cidade", como se o refrão "Feliz Aniversário" fosse uma homenagem a sua recuperação. Como vocês sentiram esse momento no cd/dvd?

Edgard / Arrepios, vontade de chorar, esse momento foi muito emocionante mesmo. Vê-los, os três, subindo ao palco, com o Herbert e todo aquele astral, foi de arrepiar

Whiplash - Edgard, você sempre é um dos compositores principais. Os outros membros ajudam mais nos arranjos? Ou literalmente você traz as idéias principais?

Edgard / Sim, eu trago as idéias, quando as músicas são minhas e quando não, eu me meto em tudo.

Whiplash - O que podemos esperar do novo cd de estúdio do IRA!. Já existe alguma previsão?

Edgard / Espero que voltemos às experimentações. A pressão será grande para mais um disco pop, mas, se depender de mim, voltamos a bruxaria!

Whiplash - Muito Obrigado pela entrevista. Este espaço é seu para deixar uma mensagem para os fãs da banda e os visitantes do Website WHIPLASH!

Edgard / Estudem, meus filhos!!!




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Ira!"


Ira!: Edgard Scandurra comenta a polêmica Pobre PaulistaIra!
Edgard Scandurra comenta a polêmica "Pobre Paulista"

22 anos: Para entender os mods: a discografia do Ira!22 anos
Para entender os mods: a discografia do Ira!


Manowar: o dia em que a banda arregou pro Twisted SisterManowar
O dia em que a banda arregou pro Twisted Sister

Renato Russo: a história do maior nome do rock nacionalRenato Russo
A história do maior nome do rock nacional


adClio336|adClio336