Matérias Mais Lidas

imagemMike Portnoy e a música do Rush que virou um grande sucesso do Guns N' Roses

imagemQuando Jimi Hendrix chamou Eric Clapton para subir no palco e afinar sua guitarra

imagemSlash explica por que rejeitou Corey Taylor no Velvet Revolver

imagemA resposta de John Lennon quando perguntado se retornaria aos Beatles em 1975

imagemO clássico dos Paralamas que Gilberto Gil escreveu a letra e ditou pelo telefone

imagemPaul Di'Anno recebe autógrafo de Rivellino e fica feliz da vida; "Te vejo ano que vem?"

imagemO clássico da Legião inspirado em novela da TV Globo e acusado de plagiar The Doors

imagemAmazon: seleção de CDs, LPs e livros de rock e metal com descontos e frete gratis

imagemRitchie Blackmore em 1978 sobre o Kiss, Fleetwood Mac, Yardbirds e Led Zeppelin

imagemCinco músicas que são covers, mas você acha que são as versões originais - Parte 2

imagemTúnel do Tempo: 25 músicas que mostram por que 1984 é um ano vital para o metal

imagemNergal diz que Behemoth é mais que anti-religião e emociona-se com LGBTQ e aborto

imagemGeddy Lee e a playlist que ele criou com músicas que o inspiram a tocar baixo

imagemDepeche Mode divulga a causa oficial da morte de Andy Fletcher

imagemPerformance "controversa" de Axl Rose em show viraliza no Tik Tok


Vinil: Por que audiófilos pagam até R$3000 por um LP dessa loja?

Por Nacho Belgrande
Fonte: Playa Del Nacho
Em 06/03/15

Quanto você pagaria por uma cópia original de "Abbey Road" dos BEATLES? Se você for cliente da BETTER RECORDS, a resposta é ‘muito’: US$ 650.

Outros exemplares icônicos da – há muito superada – época de ouro do vinil pedem preços igualmente astronômicos. O disco de estreia do FLEETWOOD MAC: US$500. "Synchronicity", do THE POLICE, US$350. Até coisas questionáveis como B-52’S chegam a US$220.

E esses são os baratos. Os preços por listas de desejos como "Tommy", do THE WHO, "The Wall", do PINK FLOYD, e o "Álbum Branco" dos BEATLES são dignos de subornados citados na operação Lava-Jato: de US$1000 pra cima.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Exploração descarada? Não, pelo menos de acordo com o dono da Better Records, TOM PORT. Ele acha que mil dólares é uma pechincha para ouvir uma obra clássica do rock numa qualidade melhor do que você jamais ouviu antes – chapado ou sóbrio.

Eu gostaria de cobrar US$1500, porque é esse o valor que eu acho que esses discos possuem", afirma. "Mas não cobro, porque os fregueses chiam."

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Isso é o que passa por restrição fiscal no mundo do áudio de alta fidelidade: manter na casa das centenas o preço de discos prensados à exaustão, em milhões de cópias vendidas, a mesma coisa que se acha em repúblicas de hipsters nojentos ou em sebos. Mas Port insiste que seus discos meticulosamente bem curados são especiais. Ao contrário de muitos comerciantes, ele não mexe com as sucatas de costume, lotadas de riscos e sobra de maconha. Ele só trafica ‘coisa fina’, o melhor dos melhores.

Centenas de fatores determinam como soará um vinil antigo, desde a cadeia de donos que ele teve, até se ele foi devidamente guardado, até a pureza do vinil, além da qualidade do equipamento que o produziu. Um fator no qual muitos colecionadores se fixam está na qualidade das matrizes do acetato, os pratos de metal com sulco usados para prensar uma massa de vinil derretido e assim fazer dele um disco. Tal como qualquer tipo de impressão por metal, tais moldes tem uma vida útil restrita. O acúmulo de riscos, falhas e outros danos resultantes do enorme desgaste mecânico ao qual uma matriz é submetida – 100 toneladas durante uma série de produção – leva a uma perda gradual da fidelidade do áudio nos discos acabados. Para assegurar a melhor qualidade do som, algumas empresas mais refinadas do segmento de prensagem de vinil hoje em dia limitam suas matrizes a 1000 cópias. Em contraste a isso, no auge da produção do vinil, era comum prensar até 10 mil discos de um acetato. É preferível ter um disco produzido nos primórdios de uma série, antes de as placas de metal exibirem sinais de desgaste, do que mais pro fim, logo antes de o tipo ser aposentado.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Pegue uma prensagem de baixa geração de um título icônico produzido sob as condições ideais, tome conta – muito bem – dela por 40 anos, e talvez um dia ela valha milhares de dólares.

Vender tais artefatos a tais preços requer mais do que uma lista de clientes com renda de sobra. Dá muito trabalho.

Achar discos que reúnam as qualidades ‘impecável’ e "transcendente" não é lima tarefa fácil.

A Better Records oferece discos de jazz, blues, música erudita e algumas excentricidades, mas, invariavelmente, a procura é por discos clássicos de rock como o catálogo do ROLLING STONES.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O processo começa pelo garimpo no mercado de usados – desde doações para a caridade até sites de leilão – onde se compra doze ou mais cópias de um disco. A seguir, um processo digno de spa: uma lavagem de enzimas em três etapas seguida por uma aspiração profunda dos sulcos com duas máquinas, uma delas avaliada em quase 30 mil Reais e do tamanho de um freezer horizontal.

Em seguida, o resultado é apreciado na sala de auscultação da Better Records, onde uma aparelhagem modular de som, nem tão potente ou amplificada por tubos como se suporia no caso. Na verdade, trata-se de um sistema amplificado por transistores, fabricado nos anos 70 por uma empresa japonesa e que só tem 30 watts de saída por canal: "Eu uso um sistema amplificado de baixa potência porque ele não colore a música. Tubos a vácuo tornam tudo quente e acrescentam distorção. Isso pode soar muito bom, mas eu preciso de algo apurado."

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Contudo, uma vez que se soma o preço do toca-discos e das caixas de som integradas ao setup fazem com que o valor total da catrevagem chegue a US$35 mil.

Quando a audição começa, as luzes são abaixadas, as pálpebras caem e as orelhas se abrem. Leva-se em consideração os aspectos costumeiros: presença, extensão de frequência, transparência, soundstage, textura, e correção tonal. Cada elemento é escrutinizado nos mínimos detalhes. Se a opinião entre os integrantes do staff divergir, cópias de referência são retiradas do arquivo para checar avaliações anteriores. É um trabalho bem maçante, e que vai classificar um vinil de 1 a 10, e em tal analogia, estabelecer seu preço.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Acesse o site da Better Records:
http://better-records.com/

Baseado em texto de RENE CHUN para o site WIRED

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Indústria: ouvir MP3 tendo as tecnologias de 2015 é estupidez

Qualidade de Áudio: 17 provas de que o povão caga e anda pra ela


Garimpeiro das Galáxias: Beldades globais e sua paixão pelo rock


Sobre Nacho Belgrande

Nacho Belgrande foi desde 2004 um dos colaboradores mais lidos do Whiplash.Net. Faleceu no dia 2 de novembro de 2016, vítima de um infarte fulminante. Era extremamente reservado e poucos o conheciam pessoalmente. Estes poucos invariavelmente comentam o quanto era uma pessoa encantadora, ao contrário da persona irascível que encarnou na Internet para irritar tantos mas divertir tantos mais. Por este motivo muitos nunca acreditarão em sua morte. Ele ficaria feliz em saber que até sua morte foi motivo de discórdia e teorias conspiratórias. Mandou bem até o final, Nacho! Valeu! :-)

Mais matérias de Nacho Belgrande.