Falência: Sete Rock Stars que foram à bancarrota

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Marcio Millani, Fonte: Diffuser,Fm, Tradução
Enviar correções  |  Ver Acessos

Muitos rock stars aprenderam que dinheiro não compra felicidade, mas acumular uma boa fortuna para depois perdê-la com certeza poderia fazer você perder as estribeiras. E enquanto a maioria dos roqueiros independentes e alternativos podem apenas sonhar com a quantidade de grana que bandas como os BEATLES ou os STONES podem ostentar, muitos deles chegam a se dar muitíssimo bem, ganhando com o seu sucesso o suficiente para, no caso de perder suas economias, sofrerem um grande golpe. Pergunte a alguns dos artistas a seguir: 7 roqueiros que foram à falência.

Spike: os sete piores solos de guitarraInfluências: Folk Metal e Música Celta

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Cat Power

CAT POWER (ou CHAN MARSHALL) foi à bancarrota quando estava fazendo seu último álbum, em que ela começou a trabalhar lá em 2006. "Entrei em depressão e não dei continuidade nas canções por cerca de oito meses," MARSHALL disse à GQ em 2012. "Aí resolvi retomar mas logo a grana acabou. Consegui uma grana emprestada, comprei algum equipamento, aluguei uma casa em Malibu e terminei de escrever as canções." O resultado disso, o disco "Sun", foi um fiasco.

Pete Doherty

Anos de abuso afundado nas drogas, bem como algumas questões legais, quebraram a cara de PETE DOHERTY em 2010, sendo que o antigo líder dos LIBERTINES relatou que resolveu fazer algumas gigs acústicas ao redor da Camden High Street em Londres, para poder pagar o aluguel do muquifo onde estava morando. Porém seus problemas de dinheiro provavelmente não irão muito longe - os LIBERTINES reformularam naquele verão e tocaram nos festivais de Leeds e Reading, com a banda arrecadando mais de dois milhõs de dólares pelas aparições.

Goo Goo Dolls

Coisa engraçada a indústria da música. Os GOO GOO DOLS venderam mais de 2 milhões de álbuns nos anos 90, e graças a um contrato questionável com a Warner Bros., eles ainda devem muita grana à gravadora. Os DOLLS assinaram com a Warner e conseguiram um vultoso adiantamento, lançaram o álbum de 1998 "Dizzy Up the Girl" - que foi um estrondoso sucesso - mas a banda não recebeu um centavo pelos royalties até a finalização de um processo que levou anos, quando a Warner finalmente pagou todos os atrasados.

MC5

A banda de Detroit MC5 nunca foi somente mais uma banda de rock à cata de fama e fortuna; empresariados por John Sinclair, antigo líder do Partido dos Panteras Brancas (grupo político de norte-americanos brancos de extrema esquerda anti-racismo), eles foram uma verdadeira força revolucionária. Mas talvez eles tenham levado muito a sério o objetivo de Sinclair para a banda - uma combinação nebulosa de "tomar de assalto a cultura por quaisquer meios necessários, incluíndo rock'n'roll, drogas e sexo nas ruas" e..... "adeus grana". Por volta de 1970 o MC5 estava com um débito de 80.000 dólares, e decretaram falência, combinando fraca promoção, má publicidade, conflitos internos e sérios problemas com drogas, selando assim seu destino na penúria.

Leonard Cohen

LEONARD COHEN é um roqueiro icônico e alta e genuinamente bem sucedido, mas quando resolveu retornar à estrada em 1998 após um hiato de 15 anos, ele pouco tinha a mostrar. Após anos sendo mal assessorado pela sua antiga empresária, Kelley Lynch, COHEN não tinha quase nenhuma grana com a qual pudesse contar para sua aposentadoria. COHEN a colocou no pau (no sentido jurídico da expressão), tendo sido sentenciada em 2004 a pagar 9.5 milhões de dólares em perdas aculuadas, porém Lynch simplesmente ignorou a sentença. Em 2008, em abalada situação financeira, COHEN saiu em turnê mundial após quase duas décadas. Cinco anos depois, ele ainda se apresenta ao vivo - no alto de seus 78 anos.

Roky Erickson

Em 1969, o líder do 13th FLOOR ELEVATORS, ROKY ERICKSON, alegou inocência a respeito de insanidade para evitar possível sentença de 10 anos de prisão pela posse de um simples baseado e foi colocado em um hospital para os criminosamente dementes, onde ele foi sujeitado a terapia forçada de choques elétricos e tratamento com Torazina. Má administração de seus bens enquanto encontrava-se hospitalizado deixou-o na pindaíba quando ele teve alta, e ERICKSON passou muito tempo tentando sair do buraco. De uns anos para cá, renovado interesse pela sua música certamente o ajudou em sua situação.

Courtney Love

COURTNEY LOVE provavelmente nunca dormiu embaixo de uma ponte, mas a viúva de KURT COBAIN tem reinvindicado que algo em torno de 530 milhões de dólares de alguma maneira foram roubados da vasta fortuna herdada do falecido líder do NIRVANA. "Eu nunca vi tamanhas ganância e corrupção moral," afirmou Rhonda J. Holmes, advogada de LOVE. "Bernard Madoff (americano e protagonista de uma das maiores fraudes financeiras praticadas por uma só pessoa) é fichinha comparado a este caso." As coisas estavam tão ruins que, em 2010, LOVE viu-se obrigada a tomar emprestado 2.75 milhões de dólares do fundo fiduciário de sua própria filha, France - do contrário ela poderia mesmo terminar por dormir embaixo de uma ponte. Ou, ao menos, batendo à porta de BILLY CORGAN.

Por Joe Robinson




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção CuriosidadesTodas as matérias sobre "Cat Power"Todas as matérias sobre "Libertines"Todas as matérias sobre "Goo Goo Dols"Todas as matérias sobre "MC5"Todas as matérias sobre "Leonard Cohen"Todas as matérias sobre "13th Floor Elevators"Todas as matérias sobre "Courtney Love"


Courtney Love: Antes de morrer, Kurt odiava o NirvanaCourtney Love
"Antes de morrer, Kurt odiava o Nirvana"

Frances Cobain: O Twitter deveria banir minha mãeFrances Cobain
"O Twitter deveria banir minha mãe"


Spike: os sete piores solos de guitarraSpike
Os sete piores solos de guitarra

Influências: Folk Metal e Música CeltaInfluências
Folk Metal e Música Celta


Sobre Marcio Millani

Nasceu e sempre morou em São Paulo. É formado em Sistemas de Informação e pós-graduado em Língua Portuguesa, mas não atua em nenhuma das duas áreas. É baixista, mas também curte brincar com guitarra e bandolim. Participou das bandas paulistanas Centúrias e Mixto Quente, ambas com discos lançados pelo selo Baratos Afins na década de 80. Participou também de inúmeras bandas cover de Blues, Classic Rock e Fusion. Além destes estilos gosta de Progressivo, Jazz, Bluegrass e música clássica.

Mais matérias de Marcio Millani no Whiplash.Net.

adGoo336