Resenha - Sleepy Buildings; A Semi Acoustic Evening - Gathering

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Daniel Dutra
Enviar correções  |  Ver Acessos


Há quem não goste, mas é fato que o formato acústico pode render ótimos momentos não apenas se a banda for relevante, mas se houver uma atenção especial aos arranjos. É o caso do The Gathering em Sleepy Buildings - A Semi Acoustic Evening, uma vez que o material mais recente do grupo holandês cai como uma luva no esquema piano e violão. Claro, o título já denuncia que o CD - gravado nos dias 21 e 22 de agosto de 2003, no Lux Theatre, em Nijmegen, na Holanda - é semi-acústico, mas há um diferencial: a voz angelical da bela Anneke van Giersbergen.

Ôôôôôeeee: Sílvio Santos aprovou montagem com Steve HarrisOzzy Osbourne: No Rock In Rio, má impressão sobre o Brasil

Não há dúvida da competência da banda - formada por René Rutten (guitarra e violão), Hans Rutten (bateria), Frank Boeijen (teclados) e o baixista Hugo Prinsen Geerligs, que pediu as contas no fim do ano e foi substituído por Marjolein Kooijman - mas o show é de Anneke. Em momentos 100% acústicos - My Electricity (violão); Shrink, Like Fountains e a inédita Sleepy Buildings (piano); e Locked Away (ambos) - ela brilha como nunca, provando ser o grande nome feminino ao lado de Cristina Scabbia, do Lacuna Coil (Angela Gossow, do Arch Enemy, é um caso à parte).

A banda há algum tempo abandonou o lado mais pesado, o que causou a revolta de alguns fãs, mas é inegável que a qualidade não foi deixada de lado. Se por um lado não há nada do último disco, Souvenirs, o lado viajante se mostra presente em The Mirror Waters, Red is a Slow Colour e a excelente Travel, nitidamente influenciadas por Pink Floyd. Um pouco mais de animação pode ser encontrado em Stonegarden e Eléanor, mas apenas para satisfazer aos fãs mais antigos.

No fim das contas, Sleepy Buildings - A Semi Acoustic Evening é um trabalho regular, que mantém o bom nível da primeira à última faixa. Apesar de Anneke ser o grande destaque, ainda sobra espaço para a banda aparecer em Marooned e na viajante Amity, além de Boeijen mandar muito bem em Saturnine e René Rutten comandar In Motion Part II. De qualquer maneira, se você precisa de apenas um motivo para comprar o CD, ele atende por Anneke van Giersbergen. Em tempo: por problemas técnicos, The May Song e Nighttime Birds ficaram fora do disco.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Gathering"


Ôôôôôeeee: Sílvio Santos aprovou montagem com Steve HarrisÔôôôôeeee
Sílvio Santos aprovou montagem com Steve Harris

Ozzy Osbourne: No Rock In Rio, má impressão sobre o BrasilOzzy Osbourne
No Rock In Rio, má impressão sobre o Brasil


Sobre Daniel Dutra

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

adClio336|adClio336