Resenha - Live; The 1971 Tour - Grand Funk Railroad

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Marcos A. M. Cruz
Enviar Correções  

10


"Jogue fora o 'Live Album', não serve para mais nada!"

publicidade

Me espantei com estas palavras ditas por um amigo, que recebera uma cópia deste CD alguns dias antes de mim, pois, apesar da gravação um tanto quanto abafada, principalmente pelos gritos da platéia ensandecida, considerava o "Live..." um bom registro do poder de fogo do GRAND FUNK RAILROAD no início dos anos setenta.

Este relato entusiástico me deixou ainda mais curioso, mas mesmo assim, ainda achava que havia um certo exagero na sentença, até que ele veio parar nas minhas mãos, e... bem, digamos que por cerca de uma semana, simplesmente não consegui tirar o bichinho do CD-Player!

publicidade

Qual o segredo da coisa? Simples, muitíssimo simples; pensem comigo: qual era a característica dos primeiros discos do GFR que chamava atenção e que, com o passar do tempo, a banda deixou meio de lado?

Resposta: o baixo. Pois é, e neste CD, podemos ouvi-lo pulsando do começo ao fim, graças à remasterização precisa em 24 bits, que deixou o som impecavelmente nítido, porém extremamente pesado, e com uma certa dose de "sujeira", que é exatamente como soava o power-trio naquela época.

publicidade

Mas não é só isso, pois outro fator que depõe a favor é a perfomance incendiária do grupo, mantida totalmente intacta, sem overdubs nem retoques, trazendo inclusive alguns pequenos errinhos técnicos. Contraditório isto? Não, muito pelo contrário, lembremos que aqui estamos lidando com ROCK N'ROLL, e que show ao vivo que se preza têm que ser pesado, esporrento e vibrante!

publicidade

Claro que parte do mérito cabe aos produtores, que originalmente pensavam em editar o lendário concerto no Shea Stadium em 09/07/1971 na íntegra (onde o GFR bateria o recorde de público da época, até então em poder dos Beatles - poucos meses depois, o grupo prestaria uma homenagem ao estádio, estampando-o na contracapa do "E Pluribus Funk"), mas, no final das contas, acharam melhor fazer uma compilação das melhores perfomances de diversos shows ocorridos na turnê americana de 1971.

publicidade

E indubitavelmente acertaram na mão! Alguns talvez reclamem do longuíssimo solo de bateria em "T.N.U.C." (cerca de dezesseis minutos), mas eu confesso que gostei muito dele, um dos melhores solos que já ouvi até hoje! Pessoalmente destaco duas faixas: "Gimme Shelter", para mim a versão definitiva desta composição dos Stones, e o medley "I'm Your Captain"/ "Closer To Home"/ "Hooked On Love" e "Get It Together", que já conhecia através de um bootleg gravado no Hawaíi em 1970, mas que logicamente não conta com esta qualidade sonora.

publicidade

Digo sem pestanejar: o "Live The 1971 Tour" é o registro definitivo do GRAND FUNK RAILROAD ao vivo, mais um recém-lançado álbum digno de figurar ao lado dos grandes discos "ao vivo" da história do Rock!

P.S.: (Ouça com o volume alto.)
P.S.II.: (Não vou jogar meu "Live Album" no lixo, pois tenho muito carinho pelo disco... mas, com certeza, tanto ele quanto o "Caught In The Act" e os bootlegs vão ficar repousando na estante por muito tempo, pois vai ser difícil não pensar em GFR ao vivo sem pensar neste "Live - The 1971 Tour"...)

publicidade

Faixas:
Intro
Are You Ready
Footostompin' Music
Paranoid
I'm Your Captain/Closer To Home
Hooked On Love
Get It Together
T.N.U.C.
Inside Looking Out
Gimme Shelter
Into The Sun
total time: 78:59

Formação:
Mark Farner (guitarra, teclados, gaita, percussão e vocal)
Don Brewer (bateria, vocal)
Mel Schacher (baixo, percussão)

publicidade




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Grand Funk Railroad: A Maior Potência do Hard Norte-AmericanoGrand Funk Railroad
A Maior Potência do Hard Norte-Americano

Heavy Metal (o filme): trilha sonora do caralho!Heavy Metal (o filme)
Trilha sonora do caralho!


King Diamond: ele é satanista, e não meramente marqueteiroKing Diamond
Ele é satanista, e não meramente marqueteiro

Cannibal Corpse: Flea, do Red Hot, pira ao descobrir a banda e ex-vocalista respondeCannibal Corpse
Flea, do Red Hot, pira ao descobrir a banda e ex-vocalista responde


Sobre Marcos A. M. Cruz

Fanático por rock setentista.

Mais matérias de Marcos A. M. Cruz no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin