Jon Lord: ansioso pelo "Concerto For Group..." na Alemanha

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Daniel Faria e Alex Porto Peacemaker, Fonte: Brave Words & Bloody Knuckles, Tradução
Enviar correções  |  Ver Acessos

Dia 3 de fevereiro o legendário tecladista/pianista JON LORD (ex-DEEP PURPLE) vai tocar o "The Concerto For Group And Orchestra" em Essen, Alemanha.

Emo: gênero que todos amam odiar sem conhecer absolutamente nadaOrtografia: como deveriam realmente se chamar as bandas?

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Lord publicou o seguinte relato sobre sua preparação para o evento:

"Quando estivemos em Hagen em fevereiro passado nós íamos tocar apenas uma noite mas tantas pessoas estavam interessadas que nós precisamos de duas noites. Nós recebemos aplausos de pé.

Na segunda parte toco várias canções do Purple arranjadas para orquestra, assim como material solo. O show em si é como uma pequena jornada do passado até os dias atuais ou, se você preferir - uma jornada musical. Vez por outra toco junto ao que eu chamo de heróis locais. É sempre interessante ir a um lugar e tocar com os bateristas, baixistas e guitarristas locais que estiverem dispostos a isto.

O 'Concerto' fará 40 anos este ano o que é bem incrível. Parece que nos últimos 9-10 anos ele encontrou sua audiência. Foi uma coisa brava de fazer em 1969 e uma coisa muito estranha e original para uma banda de rock. Eu acho que me levou oito ou dez semanas para compor. Aquelas estiveram entre as 10 semanas mais importantes da minha vida - e se você tivesse me dito na época que eu estaria ainda tocando aquilo depois de 40 anos eu não teria acreditado. Eu teria te chamado de louco.

Eu era um certo tipo de jovem quando eu escrevi essa peça e isto me representa como eu era 40 anos atrás. Foi a primeira vez que eu escrevi alguma coisa para uma orquestra completa. Eu tinha escrito peças para cordas e sopro antes mas nunca para uma orquestra sinfônica completa. Então foi uma época louca mas eu consegui - e ainda estou tocando.

A peça desapareceu por muitos anos e agora está sendo tocada de novo e as pessoas parecem estar genuinamente gostando de ouvi-la. Orquestras pelo mundo todo estão me perguntando, 'Podemos tocá-la?'. É maravilhoso ser um músico mais velho e constatar que uma peça que você fez, tocou e compôs todos esses anos atrás, meio que abre as portas para pessoas 40 anos depois.

Eu tenho uma visão diferente da peça cada vez que eu a toco porque todo mundo toca de forma diferente. Eu estava na Austrália em abril do ano passado com a Adelaide Symphony Orchestra. O condutor me levou à abertura de forma incrivelmente lenta, muito quieta e misteriosa. Foi maravilhoso ouvir a visão dele da minha música. Isto é uma das coisas maravilhosas que acontecem com você quando escreve música para orquestras; você ouve interpretações diferentes dela. Isso é muito excitante para mim".

Jon Lord tocou primeiro com a Filarmônica Hagen na Alemanha em fevereiro de 2008. "Eu fui contatado pela orquestra", Lord adiciona. "Havia uns três ou quatro músicos de jazz da Orquestra Sinfônica de Westphalia que também gostavam de tocar rock e jazz, e o líder deles, Ralph Breitenbach, me contatara três ou quatro anos atrás e dissera que ele e a banda de rock dele adorariam tocar o Concerto for Group and Orchestra. Como eles mesmos eram músicos orquestrais, foi algo como se estivessem fazendo uma ponte de um gênero para outro em uma única noite".

"Como resultado da idéia, Ralph Breitenbach foi falar com a Orquestra Filarmônica Hagen para ver se eles estavam interessados e eles estavam. Então ele chegaram até a mim. Foi assim que aconteceu".

"Eu estou certamente esperando o evento. Vai ser ótimo voltar a tocar com a Orquestra Filarmônica Hagen. Eles são músicos bons e pessoas maravilhosas e estou realmente esperando pela ocasião. Também será bom estar de volta ao Grugahalle - desta vez vai ser com uma orquestra".

Vocalistas convidados especiais para o evento incluem Steve Balsamo (da versão londrina de "Jesus Cristo Superstar") e Kasia Laska.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção NotíciasTodas as matérias sobre "Deep Purple"Todas as matérias sobre "Jon Lord"


Rock and Roll: brigas internas que serviram como inspiração para clássicos (Parte I)Rock and Roll
Brigas internas que serviram como inspiração para clássicos (Parte I)

Bruce Dickinson: Led Zeppelin ou Deep Purple?Bruce Dickinson
Led Zeppelin ou Deep Purple?


Emo: gênero que todos amam odiar sem conhecer absolutamente nadaEmo
Gênero que todos amam odiar sem conhecer absolutamente nada

Ortografia: como deveriam realmente se chamar as bandas?Ortografia
Como deveriam realmente se chamar as bandas?


Sobre Daniel Faria

Nascido em 1977, cresceu em um lar onde rock progressivo dominava as ondas do ar. Aos 12 anos, com a compra de "Paranoid" (Black Sabbath) tudo mudou e o metal gradualmente passou a ser o som predominante em casa. Estudou Computer Science / Applied Science pela Concordia University (Montreal, Québec, Canada) e hoje vive em um vilarejo rural em Simcoe County, centro-sul de Ontario, Canada.

Mais matérias de Daniel Faria no Whiplash.Net.

Sobre Alex Porto Peacemaker

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

adGoo336