Matérias Mais Lidas

imagemBill Hudson diz que tatuagem pode ter sido entrave para entrar no Megadeth

imagemMarcos Mion conta história de encontro (e manjada) com Bon Jovi no banheiro

imagemQuando Angus Young, do AC/DC, detonou o Led Zeppelin e os Rolling Stones

imagemO que mais impede Kiko Loureiro de voltar ao Angra? (Não tem nada a ver com o Megadeth)

imagemBeatles: Paul McCartney conta a história por trás de "Ob-La-Di, Ob-La-Da"

imagemEdgard Scandurra, do Ira!, explica atual sumiço do rock nas rádios brasileiras

imagemPhil Campbell conta como era fácil "comprar" Lemmy pra fazer qualquer coisa

imagemRage Against The Machine vem ao Brasil em dezembro, diz José Noberto Flesch

imagemApós viralizar com anúncio, Harppia revela identidade do novo baixista

imagemAutor de "God Save The Queen", Johnny Rotten diz que sente orgulho da Rainha Elizabeth

imagemA curiosa opinião de Ozzy sobre cover do Metallica para "Sabbra Cadabra"

imagemJimmy Page dá opinião sobre streaming e enaltece desconhecido herói dos músicos

imagemBruce Dickinson diz o que o surpreendeu quando retornou ao Iron Maiden

imagemKiko Loureiro explica por que acha uma merda seu solo de guitarra em "Rebirth"

imagemChad Smith chama matéria sobre Taylor Hawkins de "sensacionalista e enganosa"


Stamp

Dir en grey: cobertura do show no festival sueco Metaltown

Por Emanuel Seagal
Fonte: JaMe Brasil
Em 16/07/09

O DIR EN GREY foi a última das três bandas japonesas a se apresentar no festival Metaltown na Suécia e a única a aparecer no palco principal. Após o MUCC, e logo depois de Marilyn Manson, eles foram a única banda tocando na área do festival naquele horário. O terreno na frente do palco, quase uma hora antes de sua apresentação, estava falsamente vazio; cada centímetro de espaço era preenchido por ansiosos fãs sentados. Enquanto o staff preparava o palco, a formidável platéia - fãs leais e espectadores curiosos - continuava a crescer.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Na hora certa, SA BIR, a introdução do DIR EN GREY, alcançou a multidão. Os membros da banda apareceram um após o outro, cada um deles gastando alguns segundos para saudar o público - Die na guitarra, Toshiya no baixo, Kaoru na guitarra e o baterista Shinya, discreto como sempre. Kyo, o vocalista, apareceu por último, tornando ensurdecedores os gritos, e em vez de um sorriso, ele cuspiu água por todo o palco. Como se percebesse que um aquecimento era mera formalidade, Kyo repentinamente soltou um berro e a banda iniciou os ritmos impressionantes de OBSCURE.

A música causou um turbilhão de headbanging. Depois da última nota, os membros tiveram a chance de devidamente saudar o público, levantando seus instrumentos e punhos em resposta aos gritos selvagens. Merciless Cult veio em seguida, mantendo o ritmo violento. Entretanto, suas partes melódicas ofereceram ao expressivo vocalista a oportunidade de acompanhar as palavras com firmes gestos, parado em seu famoso pódio vermelho. GRIEF rugiu, adicionando combustível ao feroz fervor que enchia o local do festival. As guitarras eram devastadoras e a energia impressionante de Toshiya rivalizava com a fúria de Kyo. A banda inteira contribuía com os backing vocals, criando uma dinâmica peculiar. Mantendo o padrão pesado, a intrincada RED SOIL foi a próxima, contando com outra performance intensa. Estas primeiras e desafiadoras canções também foram um teste para o recém-hospitalizado vocalista. Ao contrário da última turnê européia, Kyo estava plenamente à altura do desafio; sua voz estava melhor do que nunca e ele executou as canções fielmente, cheio de emoção. Sua presença - às vezes errática, às vezes quase gentil - dominava a arena.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

DOZING GREEN veio; o torso de Kyo, agora visivelmente nu, moldava-se em figuras intrigantes, em uma dança do ventre instintivamente sua. Quando a música acabou, Toshiya tomou a frente e agitou o público, para compensar a evidente falta de interação com o vocalista durante o show. A multidão respondeu ansiosa, com gritos inundando a pista. Este impulso foi necessário já que a próxima música foi a longa VINUSHKA. A suave melodia de introdução se transformou em um ritmo forte e a banda batia cabeça em uníssono. Olhando e apontando diretamente para o público, Kyo gritou: "Koko ga shinjitsu da!" (Aqui é onde a verdade está), fazendo os fãs gritarem vigorosamente para ele. Kaoru e Die ficaram parados em seus lugares na maior parte do tempo, oferecendo destaque para a seção rítmica. E, de fato, Shinya estava fazendo um trabalho formidável, com ritmos complicados por toda a canção. A canção atingiu seu clímax, com Kyo indo à loucura, prendendo a respiração enquanto gritava em agonia, as guitarras pegavam fogo e então a música logo chegou ao fim. A banda virou-se mais uma vez de costas para o público, parecendo momentaneamente exaustos.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Leia a matéria completa no JaMe Brasil.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

PRB
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp



Sobre Emanuel Seagal

Descobriu o metal com Iron Maiden e Black Sabbath até chegar ao metal extremo e se apaixonar pelo doom metal. Considera Empyrium e X Japan as melhores bandas do mundo, Foi um dos coordenadores do finado SkyHell Webzine, escreveu para outros veículos no Brasil e exterior, e sempre esteve envolvido com metal, seja com eventos, bandas, gravadoras ou imprensa. Escreve para o Whiplash! desde 2005 mas ainda não entendeu a birra dos leitores com as notícias do Metallica. @emanuel_seagal no Instagram.

Mais informações sobre

Mais matérias de Emanuel Seagal.