Vinny Appice: "Dio era como um pai para mim"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Nathália Plá, Fonte: blabbermouth.net, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 


Zach Shaw do Metal Insider entrevistou em maio de 2012 o lendário baterista Vinny Appice (DIO, BLACK SABBATH, HEAVEN & HELL, KILL DEVIL HILL). Seguem alguns trechos da conversa.
2849 acessosKrisiun: banda agradece e Ward conta como conheceu brasileiros5000 acessosContra-baixo: as melhores introduções do Heavy Metal

Metal Insider: Você já admitiu antes que seria "difícil" recusar a oportunidade de tocar com o BLACK SABBATH de novo. Detesto ser tão direto, mas o SABBATH entrou em contato com você sobre a possibilidade de substituir o Bill Ward, ou pelo menos para os shows que eles já planejaram até agora?

Vinny: Não, não ouvi nem um pio. E é por isso, até mesmo quando me comunico com o Tony [Iommi, guitarra], é a nível de amizade. Eu nunca escrevo, "Ei, cara, o que está acontecendo?! Como você está se sentindo? Tem se sentido bem? Ah, bom! Ei, o que está acontecendo com a banda? Eu adoraria fazer isso!" Eu jamais faço isso. Eu jamais fiz isso com o SABBATH, de forma alguma, ou com o DIO. Sempre fui chamado para entrar numa banda. Eu não sou o tipo de cara que persegue alguém e diz "Ei, estou precisando de verdade do dinheiro ou de uma banda!" [risos]. Eu nunca fiz isso... Mas ninguém disse nada, e nesse momento, tá legal. Eu posso compreender porque nós também fizemos quatro anos de HEAVEN & HELL. Se eu estivesse na banda, seria tipo o Ozzy [Osbourne] em turnê com o HEAVEN & HELL. As pessoas podem achar que é isso, muito embora seja muito mais que isso. e então há todas essas coisas políticas envolvidas. Mas com o SABBATH, você nunca consegue sacar o que está acontecendo, de qualquer jeito. Então, no fim das contas, sabe-se lá o que vai acontecer. Pode acontecer uma ligação assim, "OK, esse cara não está dando certo, você voltaria?" Foi o que aconteceu antes. Eu gostaria de ver o Bill fazendo isso. Acho que com o Bill na banda faz ser a banda original, e quantas bandas originais restam daquela época que tiveram tanta influência? Então eu adoraria ver o Bill lá. Eu adoro o Bill, e adoraria ver a banda original. E é o que os fãs querem ver, obviamente.

Metal Insider: Detesto fazer mais pressão quanto a isso, mas se eles te ligassem chamando para se unir a eles, o que você diria?

Vinny: Essa é difícil, porque meu coração está no KILL DEVIL HILL e eu quero que a banda tenha sucesso. E essa coisa do SABBATH, é difícil recusar algo tão legendário, tipo, "Ei, você quer tocar no próximo ou último álbum do BLACK SABBATH?" Isso é parte da história. Então seria difícil recusar. Eu iria fazer dar certo com as duas bandas coexistindo. Se tivesse de fazer isso, eu faria. Mas talvez isso ajudaria o KILL DEVIL HILL. Talvez abriríamos a turnê, se eles estivessem em turnê? Se fosse tomar os próximos três anos e sem poder fazer mais nada, então eu teria de pensar a respeito. Mas o principal para mim é o KILL DEVIL HILL. Esse lance do SABBATH é uma coisa que seria difícil de recusar. E não estou falando do dinheiro nem nada. Estou falando apenas de ser parte da história da banda e do rock. Seria uma grande oportunidade para qualquer um. Mas isso nem sequer vai acontecer. Eles foram tão longe, eles obviamente estão tocando e compondo. Ouvi dizer que eles estavam no estúdio em março. Eu não sei quem está fazendo. Ouvi dizer que talvez é o Tommy [Clufetos] da banda do Ozzy que está fazendo. Mas devo dizer uma coisa, foi realmente divertido ler essa coisa toda na internet porque quando o Bill veio com a declaração dele, as pessoas estavam escrevendo coisas assim "O Vinny devia fazer! O Vinny é o próximo da fila!" Então as pessoas dizim "Foda-se o Vinny! O lugar dele não é aqui! O Bill que devia estar lá!" Então de repente surgiu o nome do Tommy, e eles diziam "Foda-se Tommy! Ele não merece estar lá! O Vinny que devia fazer!" A coisa saiu do controle. E eu fiquei dividido, tipo, "Maldição!" Você não pode ganhar ou perder.

Metal Insider: Esse é um dos grandes lados negativos da Internet. Às vezes não dá para sair ganhando.

Vinny: Não, você não pode ganhar. As coisas saem no Blabbermouth, as pessoas vão comentando. As pessoas gostam de estrupiar as outras. É o que acontece. Há algumas pessoas legais que têm bom senso e escrevem coisas bacanas, mas então tem gente que apenas desafoga a raiva. Você tem de deixar barato. Se for bom, "legal", e se disserem que você é um bosta, "legal". [risos] Você não pode deixar isso afetar você.

Metal Insider: Como você mencionou antes, você teve a oportunidade de trabalhar com uma larga gama de músicas, desde Ronnie James Dio a John Lennon. Há algum artista em particular com quem você tenha trabalhado que realmente causou um impacto em você?

Vinny: Tem de ser o Ronnie. O Ronnie era uma pessoa incrível, eu adorava aquele cara. Eu era uns quinze anos mais novo que o Ronnie, e ele era como um pai para mim. Ele era esperto, e extremamente brilhante, uma pessoa astuta, criativa. Eu o observava muito. Eu tentei aprender com ele. Ele me ensinou muitas coisas, e ele foi realmente influente na minha vida. E além de ser um dos maiores vocalistas do rock, se não o maior, ele era um cara bacana para começar jovem. Ele era um profissional e tanto, e simplesmente vê-lo subir no palco e mandar ver, sem importar o que acontecesse antes ou depois do show. Estivesse ele bem ou não, ele ia e detonava. E a forma como ele tratava os fãs, ele adorava os fãs dele, e só os fãs e a música importavam. Ele era uma pessoa osso duro de roer, e foi incrível estar ao redor de algo assim.

Leia a entrevista na íntegra no Metal Insider, no link abaixo.

http://www.metalinsider.net/interviews/drummer-vinny-appice-...

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, nos links abaixo:

Post de 10 de maio de 2012
Post de 15 de maio de 2016

KrisiunKrisiun
Banda agradece e Bill Ward conta como conheceu os brasileiros

766 acessosBanda dos sonhos: qual seria a sua?153 acessosMarcos de Ros: Tony Iommi, Dois Dedos de Prosa1426 acessosLoudwire: em vídeo, os 10 maiores riffs de metal dos 80's0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Black Sabbath"

Ronnie James DioRonnie James Dio
Fotos dos primórdios do lendário vocalista

World of WarcraftWorld of Warcraft
Homenagem aos maiores nomes do Metal

Os poderosos chefõesOs poderosos chefões
Roberto Justus que se cuide

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Vinny Appice"0 acessosTodas as matérias sobre "Black Sabbath"0 acessosTodas as matérias sobre "Dio"

Contra-baixoContra-baixo
As melhores introduções do Heavy Metal

Black SabbathBlack Sabbath
Mais uma do Tony Iommi pra cima do pobre Bill Ward

SlipknotSlipknot
Ana Maria Braga surpreende em abertura do Mais Você

5000 acessosMötley Crüe: a ousada tattoo de modelo paulista em tributo à banda5000 acessosSlash: Saul Hudson explica qual a origem de seu apelido5000 acessosSabaton: Exército brasileiro retribuiu homenagem da banda sueca3948 acessosSlayer: "Nunca tentamos ser algo que não somos"5000 acessosAerosmith: banda tem outro vocal na coxia para cantar por Tyler?5000 acessosJason Newsted: o Metallica vive em seu próprio mundo

Sobre Nathália Plá

Mineira de Belo Horizonte, nasceu e cresceu ouvindo Rock por causa de seu pai. O som de Pink Floyd e Yes marcou sua infância tanto quanto a boneca Barbie, mas de uma forma tão intensa que hoje escutar essas bandas lhe causa arrepios. Ao longo dos anos foi se adaptando às incisivas influências e acabou adquirindo gosto próprio, criando afinidade pelo Hard Rock e Heavy Metal. Louca e incondicionalmente apaixonada por Bon Jovi, não está nem aí pras críticas insistentes dirigidas à banda. Deixando a emoção de lado e dando ouvidos à técnica e qualidade musical, tem por melhores bandas, nessa ordem, BlackSabbath, Led Zeppelin, Deep Purple, Metallica e Dream Theater. De resto, é apenas mais uma apreciadora do bom e velho Rock'n'roll.

Mais matérias de Nathália Plá no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online