Casa das Máquinas: Mário Testoni Jr comenta sobre impactos da pandemia

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Fernando Júnior
Enviar Correções  

A veterana banda Casa das Máquinas que é uma das mais importantes do Rock Brasileiro e que já gravou seminais álbuns como Casa de Rock e Lar de Maravilhas, infelizmente encerrou suas atividades em 1978, retomou somente em 2007 e em definitivo mesmo há poucos anos. E após uma reformulação no line up, a banda lançou o single A Rua, já prepara um novo álbum de inéditas para este ano e tinha por objetivo voltar para a estrada antes desta pandemia parar tudo.

Casa das Máquinas: lançado single e revelado nome do novo álbum

Cachês: nova lista revela quanto embolsam astros do Rock e Metal

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre estes temas, algumas curiosidades do passado e futuro da banda, a dupla Fernando R. R. Júnior e André Torres do Rock On Stage tiveram a honra de conversar com o simpático, atencioso e animado tecladista Mário Testoni Jr. e o resultado pode ser conferido nas linhas abaixo.

Rock On Stage: A atual mudança que esta pandemia está provocando na sociedade será muito grande e o setor do entretenimento é sem dúvidas um dos mais afetados. Te pergunto, qual o tamanho da vontade para estar no palco novamente diante dos fãs? E quais iniciativas vocês têm feito para amenizar esta saudade e manter o nome relevante em um período que ainda temos que conviver com os downloads ilegais e as baixas vendagens dos discos?

Mario Testoni Jr.: O tamanho não dá para dimensionar, claro que nossa vontade de estar nos palcos é imensa e sentimos falta. Sem dúvida, o setor de entretenimento sofre muito, mas, se reinventa com lives, vídeos, entrevistas online, etc. Nunca se teve tanta música sendo de alguma forma executada a cada minuto.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Mario Testoni Jr.: Não importa o tipo de música: quem as faz, como faz, o fato é que a ARTE é o que está segurando o lado EMOCIONAL do planeta, com downloads que sempre foram feitos. Desde as fitas K7, hoje mudou o nome da PIRATARIA, e as baixas vendagens é o resultado da velha fórmula: você colhe aquilo que planta. Na década de 70, quando saí do Casa e fui para o Pholhas, se vendia 1.500.000 cópias, hoje quando se vende 50.000 cópias, se acham os "reis da cocada".... a época mudou vivemos outra cena.

Rock On Stage: E qual a sua análise do mundo e do mercado Rock'n'Roll no pós coronavirus?

Mario Testoni Jr.: Acho que o mundo jamais será igual. Na verdade espero que mude e muito, o VÍRUS homem, tem que ter mais responsabilidade, respeito, dignidade, honestidade, amor. Somos o único animal que mata por prazer, sem princípios, sem nada. Para nós do Rock, acredito que irá melhorar. Teremos... espero que, um novo conceito de música, de poemas, de vida e com certeza, mesmo que demore a mudança já começou.

Entrevista completa no seguinte link:
http://www.rockonstage.org/entrevistas/2020/casa-das-maquina...

FONTE: Rock On Stage




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Casa das Máquinas: lançado single e revelado nome do novo álbum

Casa das Máquinas, Witchlust e Pettalom: integrantes gravam cover na quarentena


Musical Box: Pholhas, Casa das Máquinas e Womp! na estréia da colunaMusical Box
Pholhas, Casa das Máquinas e Womp! na estréia da coluna


Cachês: nova lista revela quanto embolsam astros do Rock e MetalCachês
Nova lista revela quanto embolsam astros do Rock e Metal

Kerrang: os melhores singles já lançadosKerrang
Os melhores singles já lançados


Sobre Fernando Júnior

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, enviando sua descrição e link de uma foto.

Cli336x280 CliIL Cli336x280 CliInline