RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemA música de Raul Seixas que salvou a carreira de Chitãozinho e Xororó

imagemPor que Lemmy odiava tocar "Ace of Spades" nos shows do Motörhead

imagemOmelete diz que heavy metal pertence agora à nova geração e não ao tiozão headbanger

imagemA atitude punk da Legião Urbana que causou irritação e deu trabalho na gravação

imagemO hit dos Beatles que talvez seja sobre drogas e que "Jesus" acompanhou gravação

imagemQuatro músicas de artistas brasileiros que citam Os Paralamas do Sucesso

imagemO brasileiro com a voz parecida com a de Axl Rose que viralizou no TikTok

imagemO Raul Seixas não era nada daquilo que ele falava, diz ex-parceiro musical

imagemO conselho realista de John Petrucci para bandas que estão começando agora

imagem5 motivos para assistir ao novo RockGol 2023 que estreia em fevereiro

imagem"Quem não gosta de Beatles bom sujeito não é", diz João Gordo

imagemDeep Purple: David Coverdale revela quem quis como substituto de Ritchie Blackmore

imagemAndi Deris tem problemas de saúde e shows do Helloween são adiados

imagemClipe de "From The Ashes" ultrapassa 1 milhão de views e Fernanda Lira celebra

imagemProdutor da turnê de Paul Di'Anno explica problemas no primeiro show


Stamp

Anathema: Experimental, depressivo e atmosférico

Resenha - Alternative 4 - Anathema

Por M. Mortifer
Postado em 16 de agosto de 2012

Nota: 10

"Alternative 4" é o quarto álbum da banda britânica, oriunda de Liverpool, ANATHEMA. Ele foi gravado entre janeiro e fevereiro de 1998 e foi lançado em junho do mesmo ano pela Peaceville Records. "Alternative 4" tem como principais características um maior destaque dos teclados e a ausência total de vocais guturais. O álbum é considerado experimental, depressivo e atmosférico.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O título do álbum é inspirado no livro de Leslie Watkins intitulado "Alternative 3". Duncan Patterson, baixista e também compositor do ANATHEMA na época, havia lido o livro anos antes de eles gravarem o álbum.

Acompanho a carreira do ANATHEMA desde 1995, quando escutei pela primeira vez "The Crestfallen" e "Serenades" ainda com Darren White nos vocais. Lembro-me quando "Alternative 4" foi lançado e o que os meus amigos, também fãs de death/doom metal, disseram na época. A maioria dos meus amigos odiou este álbum, que hoje muitos consideram uma "obra-prima". Eu gostei deste álbum desde o primeiro momento em que o escutei. Considero "Alternative 4" um álbum de transição e extremamente niilista. As letras refletem uma total descrença no ser humano em seus múltiplos aspectos: na relação com o outro, em sua relação com o mundo, com a natureza e consigo mesmo. Por essa razão eu julgo esse álbum um dos mais depressivos do ANATHEMA, embora não possuindo mais nenhuma das características de doom metal.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Na versão original, a que eu possuo de 98, são 10 faixas. O álbum inicia com a breve e melancólica "Shroud of False", já anunciando toda a temática do álbum. A segunda faixa "Fragile Dreams", para mim uma das melhores canções do álbum, possui um belíssimo arranjo musical, com uma breve introdução de violino. As guitarras já se caracterizam pelo minimalismo típico da música "Ambient". A terceira faixa, "Empty" alterna o minimalismo e o compasso eletrônico pelo o uso de "drum loops". Não devemos nos deixar enganar pelo movimento da música, pelo fato de ser a mais agitada do disco, a letra é extremamente forte, essa força é expressa na interpretação de Vincent Cavanagh, aliás, cabe aqui uma digressão. Vincent Cavanagh, a meu ver, encontrou o seu caminho a partir deste álbum, atingindo a sua maturidade e identidade vocal. Em seu antecessor "Eternity" ele já havia demonstrado sua identidade vocal, uma vez que não procurou mais imitar Darren White, como havia feito em "The Silent Enigma". Vincent canta expressando toda raiva e frustração pela aceitação de algo que não podemos mudar. O conceito de morte presente nessa música não pode ser interpretado literalmente, é uma morte simbólica devido à patética condição mencionada na última estrofe da música, o "matar-se novamente" é o sentimento de vazio em que o indivíduo é tomado diante da impotência de mudar as coisas e ser forçado a aceitá-las. "Lost Control", a quarta faixa, outra belíssima canção é uma das mais melancólicas e depressivas do álbum. Impossível sermos indiferentes diante da força dessas palavras: "life has betrayed me once again, I accept that some things will never change […].Yes, I'm falling... how much longer till I hit the ground?[…]. I've realised what I could have been. I can't sleep so I take a breath and hide behind my bravestmask". A música alterna compassos acústicos com guitarras, e no final, mais uma vez utiliza-se a presença marcante do violino. "Re-Connect", a quinta faixa, a cadência rítmica já demonstra aproximação do denominado "Shoegazing". A sexta faixa, "Inner Silence" inicia com um vocal quase choroso de Vincent, sem dúvida essencial para expressar a beleza na melancolia dessas palavras: "when the light of your life sighs, and love dies in your eyes, only then will I realise, what you mean to me". A canção encerra com uma percussão simulando os últimos batimentos cardíacos de alguém, até sermos tomados pelo silêncio nos segundos finais da música. "Alternative 4", a sétima faixa, que dá título ao álbum, é em minha opinião, a melhor do álbum. É a música em que mais percebemos a influência minimalista e Ambient. A música nos transmite uma sensação hipnótica e sombria desde o início. "Regret", a oitava faixa, tem uma letra sublime, mostra toda a sensibilidade artística de Daniel Cavanagh e o caminho pelo qual ele trilharia. A música tem um ritmo acústico, ganha um pouco de velocidade no final. A voz de Vincent consegue transmitir plenamente o sentimento de alguém que em sua introspecção reflete sobre os seus erros e é atormentado pela lembrança destes erros. A nona faixa, "Feel" é a mais psicodélica do álbum. Na décima faixa, "Destiny", mais uma vez Vincent nos comove com sua interpretação nessa música, que encerra o álbum seguindo a tendência minimalista de todo o trabalho.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Alternative 4" é um trabalho ousado, criativo, experimental. Um trabalho verdadeiramente artístico, de uma beleza ímpar ao tratar de questões existenciais. Sem dúvida, um dos melhores álbuns do ANATHEMA.
.
Track listing

1."Shroud of False" – 1:37
2."Fragile Dreams" – 5:32
3."Empty" – 3:00
4."Lost Control" – 5:50
5."Re-Connect" – 3:52
6."Inner Silence" – 3:09
7."Alternative 4" – 6:18
8."Regret" – 7:58
9."Feel" – 5:28
10."Destiny" – 2:14

Formação em Alternative 4:

Vincent Cavanagh – vocal, guitarra
Daniel Cavanagh – guitarra, piano, teclado
Duncan Patterson – baixo, piano
Shaun Steels – bateria
George Ricci – violin (convidado)
Andy Duncan – Drum loops em "Empty" (convidado)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:
Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps



Anathema até Motörhead: 10 bandas que usaram seus nomes como títulos de músicas

Opeth: "Fã de Metal só quer saber de ter seu McLanche Feliz"


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre M. Mortifer

Possui graduação e Mestrado em Filosofia, atualmente cursa Doutorado e ensinanesta área. É eclético com relação à música, ouve de música erudita a Black Metal. Seus gêneros preferidos são os seguintes: Post-Punk, Dark Wave, Gothic Rock, Neo-Folk/Neo-Classical, Doom Metal, Death Metal, Gothic Metal, Folk Metal, Black Metal, Progressive Metal e Alternative Metal.
Mais matérias de M. Mortifer.