Matérias Mais Lidas

imagemPaul McCartney lista os cinco músicos que formariam sua banda dos sonhos

imagemMarcello Pompeu, em busca de emprego, pede ajuda a seguidores

imagemGene Simmons faz passagem de som antes de show do Kiss com roupa inusitada

imagemRegis Tadeu explica porque o vinil e o Spotify vão despencar e o CD vai bombar

imagemMax Cavalera e o conselho dado por Ozzy Osbourne: "ambos nos sentimos traídos"

imagemBill Hudson comenta sobre falta de público de Angra e outras bandas nos EUA

imagemJames Hetfield se emociona profundamente no show de BH e é amparado pelos amigos e fãs

imagemDez grandes músicas do Iron Maiden escritas pelo vocalista Bruce Dickinson

imagemConheça a "melhor banda com as melhores músicas" para Robert Smith, do The Cure

imagemQueen e a artimanha infantil de Roger Taylor pra ganhar mais dinheiro que os outros

imagemMax Cavalera é criticado por ucranianos pelo apoio a Rússia em 2014

imagemDave Mustaine mostra a forma curiosa como se aquece antes de um show do Megadeth

imagemAbba e a imensa importância do Deep Purple na sonoridade de suas músicas clássicas

imagemA faixa do clássico "Exile on Main St." que os Stones só tocaram uma vez ao vivo

imagemBlind Guardian divulga capa, nomes e duração das faixas de seu novo álbum


Stamp

Burzum: "O Deus Branco" será lançado no próximo ano

Por Emanuel Seagal
Fonte: Blabbermouth
Em 19/11/09

NOTA DO EDITOR: AS PALAVRAS ABAIXO SÃO DE VARG VIKERNES, ASSASSINO CONFESSO E DEFENSOR DA SUPREMACIA BRANCA, E O WHIPLASH, ASSIM COMO O BLABBERMOUTH, ONDE ESTE TEXTO FOI ORIGINALMENTE PUBLICADO, NÃO COMPACTUA DA MESMA OPINIÃO.

Varg Vikernes (vulgo Count Grishnackh), a mente responsável pelo BURZUM, e que saiu da prisão este ano, escreveu o seguinte comunicado.

"Como vocês já devem saber, senhoras e senhores, e outros indivíduos também, eu não sou amigo da tal cultura black metal moderna. Ela é uma paródia simplória e sem sentido do período do black metal norueguês dos anos 1991 e 1992, e se dependesse de mim, ela encontraria seu desonroso fim o mais rápido possível. No entanto, ao invés de abandonar minha própria música, apenas porque outros sujaram seu nome ao alegarem terem algo em comum comigo, eu continuarei com ela. Os 'black metallers' provavelmente continuarão se drogando, 'chapando', e de todas outras formas agindo como o esterótipo Negro; eles provavelmente continuarão a usar tatuagens tribais, vestir, andar, falar, olhar e agir como homossexuais, e assim por diante. Alguns dos 'black metallers', seus fãs e cúmplices vão provavelmente continuar a fingir - e de fato acreditar - que eles têm algo em comum com o BURZUM, mas deixe-me garantir a vocês; eles não tem! Eu toco o que pode ser descrito como uma espécie de música metal, está certo, e eles também o fazem, mas as semelhanças acabam aí. Freud escreveu livros. Tolkien escreveu livros. As semelhanças acabam aí.

"Por que mais do Burzum? Bem, eu sou o que sou; um músico. Músicos produzem música, quando eles podem, e agora eu posso; eu não estou mais preso pelo criminoso regime anti-norueguês da Noruega. Minha música será boa? Meu palpite é que se você gosta de Burzum você gosta de Burzum. Se você não gosta, você não gosta. Eu tento mudar o tempo todo, mas na maioria das vezes eu falho, e alguns apreciam isso. Outros não.

O novo álbum se chama 'Den Hvite Guden' (O Deus Branco) e é uma descrição musical e lírica do Deus Branco (Apollon, Baldr, Belenus, Belus, Bragi, Byelobog, Jarilo, etc), e os eventos anuais de sua vida. Eu descrevo as estórias e mitos como eles puderam ser vistos antes de serem mitos, apresentando a vocês pedaços do feitiço e religião da Europa antiga (mais elaboradamente descrita em meu livro não publicado 'Trolldom og Religion i Oldtidens Skandinavia' [Feitiço e Religião na Antiga Escandinávia]. Não é feito para ser o estilo simplório do metal, mas ao invés disso eu imagino um ouvinte desejando sentar, de preferência sozinho, e pensar por um minuto sobre o Deus Branco e nossos antepassados, e sua magnífica, inteligente, positiva, bela, saudável e forte cultura. Eu tento ajudá-lo a criar uma imagem disso com a ajuda de sua própria mente, oferecendo algumas pistas e instruções. O álbum é político somente no sentido de oferecer uma alternativa à corrupção oferecida a nós pela intrusa cultura popular e comercial indústria do entretenimento - e pelo tal moderno black metal.

O primeiro álbum foi intencionalmente anti-comercial e anti-death metal, o 'Det Som Engang Var' foi experimental, o 'Hvis Lyset Tar Oss' foi intencionalmente monótono e ritual, o 'Filosofem' foi intencionalmente diferente dos outros, 'Dauði Baldrs' foi o que pude fazer dentro de uma cela da prisão, e 'Hliðskjálf' também, mas todas são músicas que eu gostei. 'Den Hvite Guden' não será diferente neste aspecto, mas estou mais velho agora, na verdade duas vezes mais velho do que estava quando gravei o primeiro álbum, e consequentemente diferente. O novo álbum pode ser mais diferente dos antigos do que alguns irão apreciar, mas espero que não. Mesmo que alguns de vocês apenas apreciem o velho BURZUM, eu devo poder evoluir, assim como todos. Talvez você vá gostar do novo BURZUM também. Não farei o meu melhor para copiar e reproduzir minha música antiga, apenas para agradar alguém. Eu nunca fiz e nunca o farei. Se soar semelhante é porque é feita pela mesma pessoa. Se soar diferente é porque não é a mesma música e eu evoluí.

Posso acrescentar que assim como nos outros álbuns metal (com exceção de 'Hvis Lyset Tar Oss'), 'Den Hvite Guden' conta com algumas faixas muito antigas do BURZUM. 'Filosofem' tinha a faixa 'Burzum', de 1991, e 'Den Hvite Guden' terá a faixa "Uruk-Hai", de 1988-1989, apesar do título e das letras terem mudado para se encaixarem no novo conceito. Ele terá também a versão original da faixa metal 'Dauði Baldrs', de 1993. De certa forma este material não será 'novo material,' mas apenas uma coleção de faixas não lançadas, algumas novas, outras antigas. Se alguns acham que minhas habilidades de composição sumiram, então ao menos haverá algumas pérolas para eles também.

Você pode esperar ver 'O Deus Branco' entre março e abril (ano 2010), quando ele tradicionalmente retorna de seu oculto mundo das sombras."

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Burzum: quando Varg disse para frontman da banda japonesa queimar igrejas

Black Metal: A política do Black Metal Norueguês

Varg Vikernes: ele teve que trancar conta no Twitter após "Vampetaço" de brasileiros



Sobre Emanuel Seagal

Descobriu o metal com Iron Maiden e Black Sabbath até chegar ao metal extremo e se apaixonar pelo doom metal. Considera Empyrium e X Japan as melhores bandas do mundo, Foi um dos coordenadores do finado SkyHell Webzine, escreveu para outros veículos no Brasil e exterior, e sempre esteve envolvido com metal, seja com eventos, bandas, gravadoras ou imprensa. Escreve para o Whiplash! desde 2005 mas ainda não entendeu a birra dos leitores com as notícias do Metallica. @emanuel_seagal no Instagram.

Mais informações sobre

Mais matérias de Emanuel Seagal.