Like a Rolling Stone: livro disseca clássico de Bob Dylan

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Genilson Alves
Enviar correções  |  Ver Acessos


"Muddy Waters deu esse nome ['Rollin' Stone'] a uma canção que compôs; os Rolling Stones tomaram seu nome da canção de Muddy; e 'Like a Rolling Stone' foi o título do primeiro disco de rock 'n' roll de Bob Dylan", escreveu Jann Wenner no primeiro número da revista Rolling Stone, em novembro de 1967, justificando a escolha do nome para a publicação que criou. Gravada em junho de 1965, "Like a Rolling Stone" se tornaria um divisor de águas na trajetória de Bob Dylan.

King Diamond: Alguém já o viu sem a maquiagem?Bandas Iniciantes: 17 maneiras de assassinar sua carreira musical

Na opinião do jornalista Greil Marcus, autor deste "Like a Rolling Stone - Bob Dylan na Encruzilhada" (Companhia das Letras), a canção não apenas redefiniu a estética do artista, como também mudou os rumos da música pop. Portanto, o que temos aqui não é uma simples recapitulação de parte da vida e obra do judeu convertido cristão Robert Allen Zimmerman, mas a radiografia de uma das composições mais emblemáticas do músico e poeta estadunidense, responsável por sua transição de ícone folk para astro do rock.

Lançada como single um mês após seu registro em estúdio, "Like a Rolling Stone" chegou ao segundo lugar nas paradas dos Estados Unidos - ficaria atrás de "Help", dos Beatles. Porém, o "novo" Bob Dylan estava longe de ser uma unanimidade junto ao conservador público folk. "Para a comunidade folk, o rock 'n' roll era dos greasers, dos drogados, dos dancers, gente que enchia a cara e ia tirar racha de carro", resume Michael Bloomfield, guitarrista que participou da gravação do compacto, que trazia "Gates of Eden" no lado B.

O descontentamento dos fãs mais ortodoxos renderia um dos episódios mais marcantes da carreira de Bob Dylan - ou, como definiu Marcus, "provavelmente o maior show de rock 'n' roll jamais apresentado" -, quando, durante uma performance em Manchester (Inglaterra), em maio de 1966, Dylan foi chamado de "Judas" por um integrante da plateia, a quem o músico respondeu: "eu não acredito em você... você é um mentiroso!", para, em seguida, emendar "Like a Rolling Stone".

Para Greil Marcus, "a canção é um som, mas antes disso é uma história". Em sua análise, "Like a Rolling Stone" está inserida em um contexto maior, o momento em que os Estados Unidos finalmente despertam para o que está, de fato, acontecendo - em 1965, Martin Luther King liderava uma das maiores marchas pelos direitos civis dos negros e o país enviava suas primeiras tropas ao Vietnã -, e a canção de Dylan seria como uma revelação dessa realidade.

Além de lançar um olhar sociopolítico sobre a composição - que também seria o carro-chefe do álbum "Highway 61 Revisited", lançado em agosto daquele mesmo ano -, o autor relata sua experiência pessoal com Bob Dylan - como a primeira vez em que viu o músico, em agosto de 1963, numa apresentação ao lado da cantora Joan Baez. O livro traz ainda fotos e depoimentos que reconstituem os bastidores das gravações de "Like a Rolling Stone" e da tumultuada turnê britânica de 1966.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de LivrosTodas as matérias sobre "Bob Dylan"


Rolling Stone: revista elege melhores faixas de álbuns ruinsRolling Stone
Revista elege melhores faixas de álbuns ruins

Astros do Rock: como seriam suas versões tatuadasAstros do Rock
Como seriam suas versões tatuadas

Time Magazine: os 100 maiores álbuns de todos os temposTime Magazine
Os 100 maiores álbuns de todos os tempos


King Diamond: Alguém já o viu sem a maquiagem?King Diamond
Alguém já o viu sem a maquiagem?

Bandas Iniciantes: 17 maneiras de assassinar sua carreira musicalBandas Iniciantes
17 maneiras de assassinar sua carreira musical

Love God's Way: grupo religioso lista bandas e artistas GayLove God's Way
Grupo religioso lista bandas e artistas "Gay"

Porn Metal: Filmes para inspirar os headbangers solitáriosPorn Metal
Filmes para inspirar os headbangers solitários

Guitarra: em vídeo, o solo mais destrutivo que você já viuGuitarra
Em vídeo, o solo mais destrutivo que você já viu

Metallica: homem que matou Bin Laden usou faixas em torturaMetallica
Homem que matou Bin Laden usou faixas em tortura

James LaBrie: Mike Mangini é o melhor do planetaJames LaBrie
Mike Mangini é o melhor do planeta


Sobre Genilson Alves

Genilson Alves é jornalista e autor do blog Radio Sehnsucht.

Mais matérias de Genilson Alves no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336