Greil Marcus: quando o rock invadiu o meio acadêmico

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Genilson Alves
Enviar correções  |  Ver Acessos


O rock, em seus primórdios, nos idos de 1950, não tinha pretensões maiores do que fazer as pessoas dançarem. Porém, isso foi o bastante para promover uma revolução comportamental no Ocidente. Se Elvis Presley não usava palavras de ordem, seu carisma bastava para dissolver símbolos de conformismo, repressão e limites. Esse é um dos apontamentos do crítico estadunidense Greil Marcus em "A Última Transmissão" (Conrad), obra lançada em 2006 que reúne textos originalmente compilados no livro "In The Fascist Bathroom", de 1993.

Morreu Dormindo: as últimas horas de vida de Lemmy KilmisterBullet For My Valentine: vocal detonou Guns em turnê

Formado em Ciências Políticas e Estudos Americanos, Greil Marcus é considerado um dos principais teóricos do rock. Foi o primeiro editor de críticas musicais da Rolling Stone, em 1969; também escreveu para as revistas Creem e Artforum e para o jornal The New York Times. Há mais de quatro décadas vem acompanhando as transformações da sociedade e seus desdobramentos na música - e vice-versa. Por aqui, é mais conhecido como autor de "Like a Rolling Stone", biografia de Bob Dylan.

Em "A Última Transmissão", encontramos ligações entre Jean-Luc Godard e o Public Image Ltd de John Lydon, entre a Guerra do Vietnã e John Cale (ex-Velvet Underground). Seja a resenha de um álbum dos Stones ("Let It Bleed", segundo o autor, é o disco que simboliza o fim dos anos 60) ou a análise de um show de Bruce Springsteen de 1978 gravado numa fita cassete, a crítica de Greil Marcus parte do princípio de que a música não existe como fenômeno isolado, e, para justificar sua tese, vai buscar referências na história, na filosofia e na literatura.

Nesse contexto sociológico, o punk e seus derivados se tornariam o principal objeto de estudo do escritor, como podemos conferir em artigos sobre The Clash, Gang Of Four, o já citado PiL, New Order e outras formações de menor repercussão, como X-ray Spex, Essential Logic e Pussy Galore (que tinha em sua formação Jon Spencer, que posteriormente formaria o Blues Explosion, banda de destaque na cena indie dos anos 90).

Infelizmente, boa parte da crítica de rock formada no Brasil preferiu adotar uma postura meramente hostil (principalmente em relação às bandas nacionais), até como forma de autopromoção, fazendo com que esse tipo de análise caísse em descrédito junto ao público daqui. Por isso, "A Última Transmissão" serve para dissipar um pouco esse preconceito, além de ser uma ótima fonte de pesquisa, já que os escritos de Greil Marcus são também um importante registro histórico.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de Livros

Morreu Dormindo: as últimas horas de vida de Lemmy KilmisterMorreu Dormindo
As últimas horas de vida de Lemmy Kilmister

Bullet For My Valentine: vocal detonou Guns em turnêBullet For My Valentine
Vocal detonou Guns em turnê


Sobre Genilson Alves

Genilson Alves é jornalista e autor do blog Radio Sehnsucht.

Mais matérias de Genilson Alves no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336