Mayhem: Euronymous e a influência do Tangerine Dream

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por M. Mortifer, Fonte: Theajnaoffensive.com, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

Essa é uma tradução da carta de Conrad Schnitzler, compositor e ex-integrante do TANGERINE DREAM, sobre o encontro que ele teve com Øystein “Euronymous” Aarseth, do MAYHEM, em meados dos anos 80, antes da gravação de “Deathcrush”. Para quem desconhece, o TANGERINE DREAM é uma banda alemã, formada em 1967 por Edgar Froese (tecladista, o único remanescente da formação original do grupo), e é considerada um grande expoente do rock progressivo eletrônico, junto com o KRAFTWERK.

5000 acessosVelocidade: Top 10 de músicas de Metal para ser multado5000 acessosMetromix: a lista dos vocalistas mais irritantes do rock

Conrad Schnitzler descreve como foi esse encontro e de que modo contribuiu com o trecho "Silvester Anfang", a faixa introdutória do álbum “Deathcrush”, do MAYHEM. Segue abaixo a carta na íntegra:

Olá Warren Schofield,

MAYHEM ahahah, ØYSTEIN AARSETH bah! coisa ruim.

OK, eis a minha história sobre tudo isso.

Era um dia quente de verão em Berlim, no sótão do meu apartamento. Minha esposa e eu havíamos decidido não abrir para qualquer visitante tomar o nosso tempo ou nos perturbar. Então, nós ficamos petrificados no escuro do sótão, quando a campainha soou. Naturalmente, nós não abrimos a porta; nós fingimos que não estávamos em casa. Depois de mais de uma hora tocando, ninguém lá. A cada hora seguinte continuava tocando. Nós começamos a nos aborrecer. Eu fui à porta e me defrontei com uma pessoa de cabelos compridos, eu não o conheci através do “olho mágico”. Veio a noite, a pessoa ainda na frente da porta, e agora então uma zoada. De manhã nenhuma zoada, a pessoa dormiu profundamente à porta. Eu saí furioso chutando, ele permaneceu totalmente calmo e amigável, parecia um punk, usava as mesmas correntes e braceletes com espinhos.

Em entremeios, eu devo explicar: esses anormais haviam dormido mais de uma vez lá. Esse era agradável e limpo. Mas, para nós, era desagradável tropeçar sobre essas pessoas que dormiam à minha porta e eu devo confessar que as tratava de modo totalmente rude.

E era exatamente isso que eu pretendi fazer. Mas sua notável simpatia e argumentos razoáveis, de que quis visitar a mim, o grande artista C S (nota do tradutor: Conrad Schnitzler), acalmaram-me. Eu o convidei a entrar para (um) café-da-manhã, chuveiro, almoço e bebidas.

Posteriormente, nós falamos sobre o meu trabalho. Ele me contou sobre a sua banda. Mas eu não poderia realmente imaginar sobre o seu tipo de música. Eu estava apenas trabalhando em vídeos para uma instalação do quarto. Quatro vídeos com música de jogos para por em lugares diferentes no quarto, uma repetição infinita. Ele gostou da ideia e eu perguntei a mim mesmo como um punk poderia gostar disso. Nós dissemos “adeus” como amigos.

Depois disso, eu recebi cartões com considerações amáveis dele. Uma vez, num dia de inverno, eu recebi um cartão com um pedido dele para contribuir com uma pequena parte para um LP que sua banda queria publicar. Eu peguei a primeira parte que dispunha em minha mesa de estúdio. Era um “Silvester Day” (nota do tradutor: “Silvester Day” é o mesmo que “New Year's Eve” para alguns países como Áustria, Croácia, República Tcheca, França, Alemanha, Hungria, Israel, Itália, Hungria, Polônia, Eslováquia, Eslovênia e Suíça. Ou seja, era 31 de dezembro). Eu embrulhei-a e postei (foi intitulada, acréscimo do tradutor), portanto, “SILVESTER ANFANG”. Posteriormente, eu recebi o LP Maxi dele.

Infelizmente, eu não sabia antes sobre o estilo de música da banda. Do contrário, eu teria escolhido uma parte mais pesada de meus trabalhos. Desse modo, um trecho de música muito suave está nesse LP. Eu lamentarei para sempre. Anos depois, eu desfrutei do dinheiro, nós nunca tínhamos falado disso.

Posteriormente, eu não tive mais contato pessoal com Øystein Aarseth. Depois, eu ouvi sobre o seu falecimento e as circunstâncias. Eu ainda fico deprimido quando eu penso sobre isso.

O MAYHEM nunca pediu novamente outra parte do trabalho, lamento.

Essa é a história de Conrad Schniztler, Øystein Aarseth, MAYHEM, Noruega, talvez para sempre (Nota do editor: o trecho em inglês está escrito assim).

Espero ter ajudado a responder suas perguntas.

Adeus, Con.

Agradecimentos a Warren Schofield pela permissão de imprimir isso".

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 08 de maio de 2012

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Mayhem"

MardukMarduk
Guitarrista tem pedaços do crânio de Dead, do Mayhem

Metal InjectionMetal Injection
Os cinco bateristas mais insanos do Black Metal

Em 10/08/1993Em 10/08/1993
Euronymous é assassinado por Varg Vikernes

0 acessosTodas as matérias da seção Curiosidades0 acessosTodas as matérias sobre "Mayhem"0 acessosTodas as matérias sobre "Tangerine Dream"

VelocidadeVelocidade
Top 10 de músicas de Metal para ser multado

MetromixMetromix
A lista dos vocalistas mais irritantes do rock

SlashSlash
Um dia Michael Jackson ficou puto com ele?

5000 acessosQueen - Perguntas e Respostas5000 acessosMetallica: as 10 melhores músicas segundo a Loudwire5000 acessosLed Zeppelin: a origem do anjo símbolo da banda5000 acessosRob Halford: seu álbum preferido do Black Sabbath5000 acessosSílvio Santos: uma versão de Fear Of The Dark! Ôôêeeee!5000 acessosRock, Heavy Metal e Harpas: gêmeas louras interpretam clássicos

Sobre M. Mortifer

Possui graduação e Mestrado em Filosofia, atualmente cursa Doutorado e ensinanesta área. É eclético com relação à música, ouve de música erudita a Black Metal. Seus gêneros preferidos são os seguintes: Post-Punk, Dark Wave, Gothic Rock, Neo-Folk/Neo-Classical, Doom Metal, Death Metal, Gothic Metal, Folk Metal, Black Metal, Progressive Metal e Alternative Metal.

Mais matérias de M. Mortifer no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online