Glen Benton e Euronymous: a verdade sobre o encontro

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por César Enéas Guerreiro, Fonte: Blabbermouth, Tradução
Enviar correções  |  Ver Acessos

Euronymous
Euronymous

O ex-baterista do EMPEROR, Bård G. Eithun (também conhecido como Faust, que também participou do SCUM e do ABORYM) postou em julho de 2008 uma declaração no BLABBERMOUTH.NET contestando o que o frontman do DEICIDE, Glen Benton, disse sobre um encontro com o ex-líder do MAYHEM, o falecido Euronymous.

Sai, capeta: as 10 bandas mais satânicas do rock e do heavy metalHeavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 1990

Como parte do especial "Going Postal", da edição de agosto de 2007 da revista Revolver, Glen respondeu a uma série de perguntas enviadas por leitores da Revolver sobre suas influências, sua vida pessoal e o legado do DEICIDE. Uma das perguntas mais intrigantes foi enviada pelo leitor "Anthony," que perguntou: "O que realmente aconteceu entre você e [o fundador do MAYHEM, que foi assassinado] Euronymous quando se encontraram no começo dos anos 90?"

Glen respondeu: "Pra falar a verdade, eu estava muito por fora do assunto. Quando eu o encontrei, ele me lembrou do Squiggy, do 'Laverne and Shirley' [comédia americana dos anos 70]. Porque eu o encontrei quando eu era um garoto, num jogo de beisebol. Aí eu pensei 'Cacete, parece o Squiggy'! Bem, eu encontrei o cara e ele estava carregando uma maça, mas parecia que ele tinha roubado a perna da mesa da cozinha da mãe dele e colocado uns pregos naquela merda. E ele ainda estava usando uma daquelas capas de $1,99 que se compra no Halloween. Aí me levaram pro backstage e disseram: 'Uranus, ou coisa parecida, do MAYHEM está aqui e quer te ver'. Então fui encontrá-lo. Ele disse, com um inglês macarrônico [imitando sotaque estrangeiro]: 'Não tenho problema com você, mas essa banda GORGUTS, eles não são uma banda de death-metal/black-metal 'true''. E eu estava lá sentado com um grande sorriso amarelo dizendo 'É isso aí, cara'. Eu realmente não sabia da importância do cara. Pra mim ele parecia mais um babaca".

Bård G. Eithun postou a seguinte declaração no BLABBERMOUTH.NET sobre a história de Benton e Euronymous:

"Foi muito interessante ler as partes da entrevista de Glen Benton pra Revolver em que ele falou sobre seu encontro com Euronymous, porque eu estava lá com os dois. Naquela época eu trabalhava na loja Helvete, que pertenceu a Euronymous. Estávamos no local do show [na Noruega, onde o DEICIDE tocou naquela noite] vendendo as camisetas 'Kill the Christians' que eram famosas. Eric Hoffman [que na época era guitarrista do DEICIDE] me procurou depois da passagem de som e perguntou o que as camisetas diziam em inglês. Eu expliquei e ele sugeriu que eu e Euronymous fôssemos com ele pra encontrar a banda. Fomos pro backstage, encontramos a banda e conversamos com Glen Benton, que foi muito educado e amigável o tempo todo. Bem, de repente Benton começou a tentar nos impressionar. Ele alegou que ele e sua 'gangue' já haviam queimado centenas de igrejas nos EUA'. Aparentemente, ele já tinha ouvido falar sobre os poucos incêndios na Noruega. Euronymous nunca mencionou GORGUTS ou qualquer outra banda, mas ele queria dizer que achava o DEICIDE uma banda de death metal honesta e autêntica".

"De qualquer forma, a conversa terminou e demos pra banda umas camisetas 'Kill the Christians'. Brian Hoffman [na época guitarrista do DEICIDE] usou a sua no palco, o que fez com que vendêssemos bastante depois do show".

Glen Benton
Glen Benton

"Você escolhe se quer inventar histórias sobre isso ou não. Esse assunto não é tão importante ou revelador. O problema é que eu já vi muitas vezes Glen Benton distorcendo os fatos e tentando se colocar como o cara que tirou sarro do Euronymous quando, na verdade, o que aconteceu foi um encontro divertido e respeitoso, embora tenha sido um tanto engraçado ver Glen dizer que havia queimado centenas de igrejas. Eu não era um grande fã do DEICIDE na época (ainda não sou), então pra mim não foi como encontrar um 'rock star', um ídolo ou coisa do tipo. Nos anos seguintes, nunca pensei muito sobre esse assunto até recentemente, quando vi que alguns fãs davam proporções quase míticas pra esse evento e criavam suas próprias histórias".

"Bem, mesmo que o encontro tenha ocorrido há uns 16-17 anos, isso não significa que as pessoas que estiveram lá já esqueceram o que aconteceu".



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção CuriosidadesTodas as matérias sobre "Satanismo e Ocultismo"Todas as matérias sobre "Mayhem"Todas as matérias sobre "Deicide"Todas as matérias sobre "Emperor"Todas as matérias sobre "Euronymous"


Sai, capeta: as 10 bandas mais satânicas do rock e do heavy metalSai, capeta
As 10 bandas mais satânicas do rock e do heavy metal

Dani Filth: Nada me fascina mais que a religião!Dani Filth
"Nada me fascina mais que a religião!"

Zakk Wylde: O assassinato atribuido à seita do guitarristaZakk Wylde
O assassinato atribuido à "seita" do guitarrista


Heavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 1990Heavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados em 1990

Headbangers: o preconceito mostrado em vídeo bem-humoradoHeadbangers
O preconceito mostrado em vídeo bem-humorado


Sobre César Enéas Guerreiro

Nascido em 1970, formado em Letras pela USP e tradutor. Começou a gostar de metal em 1983, quando o KISS veio pela primeira vez ao Brasil. Depois vieram Iron, Scorpions, Twisted Sister... Sua paixão é a música extrema, principalmente a do Slayer e do inesquecível Death. Se encheu de orgulho quando ouviu o filho cantarolar "Smoke on the water, fire in the sky...".

Mais informações sobre César Enéas Guerreiro

Mais matérias de César Enéas Guerreiro no Whiplash.Net.