Burzum: o segundo álbum do polêmico projeto de Varg Vikernes

Resenha - Det Som Engang Var - Burzum

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Thomas Engel
Enviar Correções  

Burzum é uma banda polêmica por sí só. Seu idealizador é uma pessoa com opiniões fortes, sendo acusado de nazismo e supremacia branca. O mesmo foi preso em 1993 pelo assassinato de Euronymous (guitarrista do Mayhem) e por queimar diversas igrejas pela noruega entre 1990 e 1993.

Lords of Chaos: Polêmico livro é lançado no BrasilSteve Vai: as 10 melhores faixas de guitarra na opinião dele

Deixando a vida do Varg Vikernes de lado, vamos focar em sua música! Det Som Engang Var foi lançado em 1993, gravado no mesmo ano que o Auto-Intitulado e lançado no ano seguinte, após o lançamento do EP Aske.

Assim como a grande maioria dos discos do Burzum, suas músicas falam sobre RPG (a capa deste e do Auto-Intitulado foi insporada na capa do The Temple Of Elemental Evil, do D&D) e filosofia (como em Lost Wisdom, faixa mais famosa do disco).

Apenas Key to the Gate e Lost Wisdom são cantadas em Ingles, ambas falam de filosofia e questionamentos, remetendo ao ateísmo e ao niílismo, temas recorrentes nas músicas de Varg. As demais músicas são cantadas em alemão.

As faixas voltadas para o Black Metal carregam a característica típica do Varg de criar riffs sombrios, complexos e que criam uma atmosfera densa dentro do ouvinte, deixando de lado as batidas frenéticas típicas do Black Metal tradicional, e adotando compassos mais lentos que ajudam a criar a densidade das linhas. Este compasso seria muito usado futuramente por bandas de DSBM. As pausas nas músicas, onde se ouve apenas as guitarras chiadas e os berros viscerais de Varg são a característica mais marcante do Burzum.

Este disco possui uma produção mais limpa que os demais do projeto em sua fase Black Metal, onde as guitarras possuem uma sonoridade que, ao mesmo tempo que é extremamente suja e agressiva, não possui aquele famoso estereótipo do projeto de se assemelhar a um rádio fora de estação, pelo contrário, a sonoridade das guitarras é muito bem captada e você consegue ouvir bem as notas que ele toca em seus riffs (que não são poucas, pois o Varg gosta de usar arpejos em suas composições).

Os gritos estridentes de Varg são uma marca do projeto, coisa que torna suas músicas algo realmente inacessível a muito ouvinte. Precisa admirar muito esse tipo de música para digerir gritos no lugar de um gutural convencional.

Os teclados são um caso a parte! pois o que o Varg tem de polêmico, ele tem de talentoso! Por mais que não sejam do meu agrado, as faixas ambientais/instrumentais feitas apenas com o uso de sintetizadores esbanjam talento no instrumento! Composições mega elaboradas, dignas dos melhores produtores de trilhas sonoras que tem por ai! Se você é aquele tipo de pessoa que não quer ouvir Burzum pois não gosta de Black Metal ou dos berros chiados do Varg, dê uma chance a faixas como Snu Mikrokosmos Tegn, que é um show de ótimas melodias de teclado (e não são poucas! você notará diversas linhas tocando juntas).

Um destaque para a capa! Jannicke Wiese-Hansen é uma artista que tenho acompanhado melhor seu trabalho recentemente, quando me deparei com sua conta no Instagram! Ela hoje é tatuadora na Noruega (ja tatuou grandes nomes como Ghaal, que é um grande amigo dela até hoje) e ainda cria capas e logos para bandas de Black Metal (foi ela que criou a capa do Northern Chaos Gods do Immortal) e trabalha muito com tons de grafite. Ela fez a primeira logo do Burzum, assim como a capa do primeiro album. Seu traço mais "esfumaçado" é algo que me agrada muito! Em seu perfil no Instagram você poderá ver seus trabalhos atuais, trabalhos antigos, esboços de clássicos (como a capa desse disco aqui em baixo, logos do Immortal, Enslaved e outras bandas, etc) e diversas fotos do acervo que ela guarda em sua casa, seu perfil é @jannickewiesehansen e recomendo que a sigam!

disco: Det Som Engang Var
banda: Burzum
gênero: Black Metal
ano: 1993
gravadora: Cymophane
produção: Varg Vikernes e Pytten
capa: Jannicke Wiese-Hansen

lineup:
Varg Vikernes (Count Grishnackh) - todos os instrumentos, letras e arranjos

tracklist:
Den Onde Kysten
Key To The Gate
En Ring Til Å Herske
Lost Wisdom
Han Som Reiste
Når Himmelen Klarner
Snu Mikrokosmos Tegn
Svarte Troner



Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Lords of Chaos: Polêmico livro é lançado no BrasilLords of Chaos
Polêmico livro é lançado no Brasil


Burzum: Varg explica o mapa de The Burzum RPGBurzum
Varg explica o mapa de "The Burzum RPG"

Black Metal: A política do Black Metal NorueguêsBlack Metal
A política do Black Metal Norueguês


Steve Vai: as 10 melhores faixas de guitarra na opinião deleSteve Vai
As 10 melhores faixas de guitarra na opinião dele

Musas inspiradoras: as esposas mais lindas dos rockstarsMusas inspiradoras
As esposas mais lindas dos rockstars


Sobre Thomas Engel

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, enviando sua descrição e link de uma foto.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin adWhipDin