Matérias Mais Lidas

Por que Renato Russo não deixava ninguém sorrir no palco, segundo Carlos TrilhaPor que Renato Russo não deixava ninguém sorrir no palco, segundo Carlos Trilha

Anitta explora rock e punk em nova música Boys Don't Cry, segundo revistaAnitta explora rock e punk em nova música "Boys Don't Cry", segundo revista

Youtuber expõe miséria que Spotify repassa a bandas de metal brasileiroYoutuber expõe miséria que Spotify repassa a bandas de metal brasileiro

A opinião de Dinho Ouro Preto sobre o rapper Mano BrownA opinião de Dinho Ouro Preto sobre o rapper Mano Brown

A música do Metallica que Kurt Cobain não parava de pedir para Kirk HammettA música do Metallica que Kurt Cobain não parava de pedir para Kirk Hammett

Chega de Angra e Megadeth: Quais as favoritas do Kiko Loureiro pra tocar de boa em casa?Chega de Angra e Megadeth: Quais as favoritas do Kiko Loureiro pra tocar de boa em casa?

Judas Priest: a surpreendente música que colocou a banda no mainstreamJudas Priest: a surpreendente música que colocou a banda no mainstream

Black Sabbath: o dia que o jardineiro de Iommi chamou álbum da banda de Eternal IdiotBlack Sabbath: o dia que o jardineiro de Iommi chamou álbum da banda de "Eternal Idiot"

Iron Maiden: veja Adrian Smith cantando Wasted Years durante show do Smith/KotzenIron Maiden: veja Adrian Smith cantando "Wasted Years" durante show do Smith/Kotzen

O álbum que mudou vida de Tuomas Holopainen e possibilitou criação do NightwishO álbum que mudou vida de Tuomas Holopainen e possibilitou criação do Nightwish

Legião Urbana: conheça o casal que inspirou Eduardo e Mônica, que virou filmeLegião Urbana: conheça o casal que inspirou "Eduardo e Mônica", que virou filme

A forte resposta de Cazuza para sua mãe ao ser questionado sobre sua orientação sexualA forte resposta de Cazuza para sua mãe ao ser questionado sobre sua orientação sexual

Black Sabbath: Tony Martin achou que fosse apanhar de Dio no primeiro (e único) encontroBlack Sabbath: Tony Martin achou que fosse apanhar de Dio no primeiro (e único) encontro

Testament: Gene Hoglan não é mais o baterista da bandaTestament: Gene Hoglan não é mais o baterista da banda

Black Sabbath: Tony Martin revela que não gostava da banda quando era jovemBlack Sabbath: Tony Martin revela que não gostava da banda quando era jovem


Stamp

Burzum: álbum traz uma nova proposta a banda

Resenha - Sôl Austan, Mâni Vestan - Burzum

Por Bruno Yudi Tamaki
Em 29/05/13

Lançado no dia 27 de maio de 2013, pela Byelobog Productions, o novo álbum do Burzum, Sôl Austan, Mâni Vestan, traz uma nova proposta a banda, diferente da sonoridade de antigos álbuns Dark-ambient, como o Dauði Baldrs de 1997 e o Hliðskjálf de 1999. Boa produção e uso sintetizadores são marcantes no novo álbum. Outro fato interessante acerca dele, foi que no mesmo mês, Varg Vikernes anunciou sua despedida ao black metal, dando uma expectativa aos fãs da banda sobre qual será a nova sonoridade da banda, na qual, particularmente me surpreendeu muito.

Primeira faixa intitulada Sôl Austan, traz uma boa e notória introdução do que deve ser o álbum, calmo e sem excesso de instrumentos ou notas, trazendo uma ambientação escura e que talvez deverá ser surpreendente aos ouvidos.

A segunda música, Rûnar Munt þû Finna, traz uma bela ambientação da música folclórica viking, instrumentos de percussão, belas linhas de teclado e um ritmo quase dançante, traz uma bela experimentação e surpresa, após a introdução calma.

Sôlarrâs, terceira música do álbum, uma nova sonoridade tribal para o álbum, pouco uso da percussão, cria uma perspectiva mais triste e repetitivo, trazendo uma leveza de doom metal.

Haugaeldr, pouco se percebe a mudança de faixa, de uma música a outra, basicamente a mesma fórmula da terceira, o que apenas muda é a falta de percussão e uma suavidade, na metade da música um segundo sintetizador traz um clima mais "eletrônico" à música.

Feðrahellir, assim como na Rûnar Munt þû Finna, essa consegue resgatar uma semelhança com a música folclórica, bom uso de percussão e ótimas bases de teclado ajudam a criar uma música mais feliz e calma, contrária a morbidade de faixas anteriores.

Sôlarguði, tenho certas dúvidas de que há uma linha de baixo nesta faixa, fazendo um "groove" entre o baixo e a percussão, enquanto os sintetizadores fazem a melodia e um acorde de guitarra é tocado, dando um clima até que chato e repetitivo para tal longa faixa.

Ganga At Sôlu, o quê? Já mudou de faixa? Quase não se percebe a mudança de faixa, usa quase a mesma fórmula que a música anterior, criando um clima repetitivo para o ouvinte.
Hîð, talvez a música que mais se enquadre no gênero "eletrônico", marcantes sintetizadores dão um ar de psicodelia ao álbum, sendo e indispensável o comentário de que muito longa a faixa, mais entediante ela é.

Heljarmyrkr, a nona faixa, logo percebe-se sua mudança, tanto de estrutura, quanto de sonoridade, leveza e suavidade são o forte, além do mesmo ar de psicodelia da música anterior.
Mâni vestan, e retorna-se o ar folclórico, uso de percussão que agora misturados com a psicodelia, tudo sempre dando o ar de alívio e calmaria do álbum.

E por fim, Sôlbjörg, triste e leve despedida, talvez após tanto arranjos, esse é o mais belo de todo álbum, traz uma simples estrutura, emocionante aos fiéis fãs.
Melódico, repetitivo e calmo, o novo álbum traz o melhor de estruturas anteriores, porém ouvi-lo muitas vezes pode se tornar chato e tedioso, mas não se perde os créditos por mais uma coleção do Burzum.

Faixas:
1. Sôl austan
2. Rûnar munt þû finna
3. Sôlarrâs
4. Haugaeldr
5. Feðrahellir
6. Sôlarguði
7. Ganga at sôlu
8. Hîð
9. Heljarmyrkr
10. Mâni vestan
11. Sôlbjörg

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Facebook: Burzum e Absurd na lista vazada de organizações perigosas da rede socialFacebook: Burzum e Absurd na lista vazada de "organizações perigosas" da rede social

Black Metal: os dez álbuns mais ouvidos do Black Metal PromotionBlack Metal: os dez álbuns mais ouvidos do Black Metal Promotion

Black metal: assista um tour pelos lugares marcantes do black metal em BergenBlack metal: assista um tour pelos lugares marcantes do black metal em Bergen

Burzum: quando Varg disse para frontman da banda japonesa queimar igrejasBurzum: quando Varg disse para frontman da banda japonesa queimar igrejas


Euronymous: o paradoxo do caos e da liberdadeEuronymous: o paradoxo do caos e da liberdade

Lords Of Chaos: Senhores do caos ou rebeldes sem causa?Lords Of Chaos: Senhores do caos ou rebeldes sem causa?

Black Metal: os dez álbuns mais ouvidos do Black Metal PromotionBlack Metal: os dez álbuns mais ouvidos do Black Metal Promotion


Metallica, Guns, Slipknot, Kiss: tombos, erros e fatos engraçadosMetallica, Guns, Slipknot, Kiss
Tombos, erros e fatos engraçados

Heavy Metal: os maiores álbuns da história para os gregosHeavy Metal
Os maiores álbuns da história para os gregos