Rocktulando: Riot Grrrl

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Fábio Cavalcanti, Fonte: Rock em Análise
Enviar correções  |  Comentários  | 

Bikini Kill
Bikini Kill
L7
L7
Betty Blowtorch
Betty Blowtorch

Todo mundo adora odiar rótulos. Milhares de pessoas bradam aos quatro ventos que rótulos servem apenas para limitar a arte, mas ao mesmo tempo, dizem com orgulho que amam rótulos como rock e/ou metal. Partindo da premissa de que rótulos são importantes para a subdivisão deste estilo variado e fascinante que é o rock 'n' roll, abordarei aqui alguns subgêneros ou movimentos musicais que, bem sucedidos ou não, conseguiram deixar sua marca no estilo. E o rótulo do dia é: Riot Grrrl!

Não é de hoje que as mulheres conseguiram seu espaço no rock. Ainda nos anos 70, artistas como Suzi Quatro e Runaways chocaram o mundo ao mostrar que garotas podem fazer um rock de qualidade. Com o advento do grunge, no início dos anos 90, as garotas também conseguiram o seu "pedaço da torta", realizando uma mistura que incluía o já citado grunge, o punk rock, e algo de rock alternativo. Nasceu assim o movimento Riot Grrrl, calcado em letras com atitude e uma boa dose de feminismo.

Se você pedir sugestões para qualquer garota especializada no assunto, é bem provável que a primeira recomendação seja o Bikini Kill, a banda mais associada ao rótulo em questão. Quarteto norte-americano formado por garotas punk rockers bem "nervosas", o Bikini Kill não durou muito, mas deixou a sua marca (de dente, inclusive) com o álbum "Pussy Whipped" (1994), que é constituído por 12 faixas, em apenas 25 minutos de punk realmente sujo - pra não dizer "imundo".

Ainda falando em punk rock, vale citar a pouco conhecida Lunachicks, talvez a banda mais divertida do gênero. A produção dos seus álbuns pode ser bastante primária, mas o som é realmente contagiante. Seu ponto alto foi justamente o seu último trabalho: o inspiradíssimo "Luxury Problem", de 1999.

Puxando mais para o grunge, destaque para o som áspero das Babes in Toyland, e a levada quase hipnótica - mas quase sempre pesada - do L7. É uma pena que o grunge tenha "morrido" pouco tempo depois, privando os fãs de mais bandas puxadas para tal vertente. Por sinal, até a banda Hole (conhecida por ser liderada pela sempre polêmica Courtney Love) se afastou da sonoridade Riot Grrrl após a "morte" do grunge.

Entrando nos anos 2000, tínhamos ainda duas boas representantes daquilo que restou do movimento: The Distillers e Betty Blowtorch. Bastante fiéis à essência do gênero, com vocais rasgados - e algumas vezes, até desafinados - e produção crua, os grupos lembravam o ouvinte de que o Riot Grrrl continuava vivo e forte! Porém, este foi o último suspiro do gênero, visto que as duas bandas encerraram as suas atividades após os seus melhores trabalhos.

Atualmente, ainda temos as conhecidas californianas do The Donnas, com a sua sonoridade mais limpa e polida, mas com a atitude punk do bom e velho Riot Grrrl ainda intacta. Mas, como o estilo se encontra em baixa no momento, está na hora da nova geração do rock feminino trazer em definitivo a essência do Riot Grrrl para os dias atuais, não acham? Ainda mais nesses tempos de "machos coloridos"...

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 06 de junho de 2012

1377 acessosL7: apresentação ao vivo na Rádio Cidade, antes perdida, ressurge0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "L7"

Rock Hall Of FameRock Hall Of Fame
25 bandas que ainda precisam ser nomeadas

0 acessosTodas as matérias da seção Matérias0 acessosTodas as matérias sobre "Bikini Kill"0 acessosTodas as matérias sobre "L7"

Alice in ChainsAlice in Chains
Layne Staley encontrado morto aos 34 anos

Duff McKaganDuff McKagan
Anestesias não funcionam mais no baixista

Idade fatídicaIdade fatídica
Dez roqueiros que se foram aos 27 anos de idade

5000 acessosHeavy Metal: nove ótimas músicas suaves do gênero5000 acessosMetallica: Casal toca "Master" no casamento e ganha encontro com a banda5000 acessosPlayback.FM: saiba qual a música mais tocada nas rádios no dia que você nasceu5000 acessosThe Voice Kids: garotinha canta Led Zeppelin e conquista todos3520 acessosMalmsteen: algumas de suas versões virtuosas de clássicos do rock4542 acessosVinnie Paul: baterista chorou com "parabéns" do Kiss

Sobre Fábio Cavalcanti

Baiano, sempre morou em Salvador. Trabalha na área de Informática e ¨brinca¨ na bateria em momentos vagos, sem maiores pretensões. Além disso, procura conhecer novas - e antigas - bandas dos mais variados subgêneros do rock. Por fim, luta para divulgar, sempre que possível, o pouco conhecido cenário rocker da tão sofrida ¨Terra do Axé¨.

Mais matérias de Fábio Cavalcanti no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online